Número total de visualizações de página

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Portanto...tudo se resolve com mais uma leis. Urgentes.

Portanto, e ao que ouço, a culpa é do ordenamento do território, dos pinheiros e dos eucaliptos, dos proprietários das matas, dos madeireiros e fogueteiros e até do raio da trovoada seca. Podíamos ir mesmo até ao D. Dinis, que criminosamente mandou plantar o pinhal de Leiria, os até aos navegadores portugueses que, chegados a Malaca, facilitaram o caminho para a Austrália e, com ele,  a vinda dos pérfidos eucaliptos.
Portanto, e a ser assim, como nos dizem todos os responsáveis, Estado, Governo, Protecção Civil não podem ser responsabilizados pelos danos patrimoniais e pessoais causados pelos fogos, já que conceberam todo um aparato pronto a actuar em defesa de pessoas e bens, desde que em território naturalmente limpo de  pinheiros e eucaliptos e mesmo de vegetação rasteira, e sendo as planeadas matas remanescentes imunes a toda essa cáfila de gente que vive à custa da floresta e, como dela vive, se diverte a lançar-lhe fogo.
Pensar que a protecção civil devia ser pensada para cobrir a situação que existe é não compreender as cabeças brilhantes que a concebem para actuar nas situações que definiram como ideais de ordenamento territorial, precisamente aquelas para a quais a protecção civil nunca seria necessária.
Estão pois desresponsabilizados. Tudo foi feito. Nada mais há a fazer, a não ser mais umas leis que reforcem as irresponsabilidades de quem nos vem governando.
PS: Claro que são precisas medidas preventivas; mas a falta delas ou o seu não cumprimento não eliminam a responsabilidades por falta ou deficiência de acção das entidades públicas. Nada de confusões, como parece ser o que se pretende para alijar responsabilidades.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Imagem, imagem, tudo imagem

Concordo que a presença do Ministro da Administração Interna (sei bem que é uma senhora, mas os membros do governo são ministros, assim como uma senhora em funções de presidência é presidente) no posto de comando dos incêndios pode ser útil, para desbloquear burocracias e facilitar a resolução de impasses e problemas de toda a ordem que naturalmente surgem no teatro das operações. Esse seria o seu valor acrescentado.
Mas o que se viu foi um aviltamento completo da função de Ministro, ao exibir-se, por vontade própria, ou ser convidado a exibir-se apenas para dar estatísticas de mortes, apresentar o  número de operacionais ou de carros e de meios aéreos presentes ou informar do evoluir do processo de identificação dos corpos, repetindo aquilo que outros já haviam dito e já era conhecido à saciedade. 
Desconhecendo o que mais o Ministro fez, por ninguém o referir, e se todas as declarações se resumiram a estatísticas e estados de alma, como repetidamente se viu, a presença do Ministro foi um verdadeiro conjunto vazio. Imagem, só imagem, sem conteúdo.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Ontem, entre as 14 e as 19 horas, em Pedrógão, o Estado português desapareceu...

Publico, tal como recebi, este grito de revolta:
Ontem, entre as 14 e as 19 horas, no coração de Portugal, em Pedrógão, Castanheira de Pêra e Figueiró, o Estado Português desapareceu!...
Desde que os primeiros avisos foram dados às 14 horas, por telemóvel, de que a situação estava gravíssima, até às 19 horas ninguém mobilizou recursos suficientes para combater está calamidade.
Neste tipo de situações, que eu conheço bem, a rapidez na mobilização de recursos é absolutamente essencial . E aqui os responsáveis estiveram todos completamente distraídos e ausentes e só a partir das 21h30m é que esses pseudo responsáveis se aperceberam pela primeira vez que a situação era grave. A essa hora já 19 pessoas tinham sido queimadas vivas na IC8 que é a maior via rápida de todo o Pinhal Interior. E depois foi um circo mediático com Marcelo, Costa e a Ministra a falarem à TV, enquanto a essa mesma hora esses nossos concidadãos mulheres, crianças eram queimadas vivas em estradas nacionais ( !!! ) sem que ninguém os socorresse !!! 
O que aconteceu numa zona que eu conheço muito bem foi um crime nacional, um crime nacional de incompetência e negligência de dimensões inconcebíveis 
Abraço revoltado e enlutado".

Seis notas à tragédia de Pedrógão

1.Primeiro que tudo, a minhas condolências, e as do Quarta República, pelas vítimas da tragédia de Pedrógão, engolidas pelas chamas de um inferno dantesco. 
2. Depois, a minha homenagem a quem, com poucos meios, mas suprema coragem e abnegação, com risco da própria vida, combateu os fogos, impedindo o alastramento e salvando pessoas e bens.
3. Também uma palavra de apreço para os partidos políticos, nomeadamente os da oposição, que se abstiveram de criticar e culpar o governo, ao contrário das barragens de críticas em que o PS, PC e Bloco são useiros e vezeiros em situações menos dramáticas, sempre que o PSD está no Governo. Lembro-me perfeitamente da vergonhosa gritaria nos grandes fogos de 2003 ou 2004.
4. Muitos membros dos órgãos de soberania acorreram a Pedrógão, passeando-se pelos écrans das televisões sem nada dizerem, repetindo-se uns aos outros e repetindo o que os jornalistas já haviam dito e reafirmavam depois, replicando o que mesmo antes acabara de ser referido. Também vimos uma ministra cujo objectivo da deslocação parece ter sido o de informar sobre os pontos de acolhimento e confirmar ou ir actualizando o número de vítimas, infelizmente já por demais conhecido.
5. Comentando a enorme tragédia, e como sempre acontece, as televisões descobriram um enorme corpo de iluminados que tudo sabem sobre fogos e a maneira de os evitar e combater. Em termos de power-points, presumo, face ao que pude ouvir. 
6. Por fim, há notícias de que o Comando da Protecção Civil terá demorado 5 horas a responder aos angustiantes apelos vindos de Pedrógão. Verdade ou mentira, é algo que deve ser investigado até à última gota. Até para que a responsabilidade não se fique pela trovoada seca que se abateu sobre um pinheiro, logo miraculosamente encontrado, ou mesmo seja atribuída aos eucaliptos.

domingo, 18 de junho de 2017

O eterno renascimento dos ídolos

Se um empresário, um gestor, um político, grande, médio ou pequeno, faz optimização fiscal dos seus rendimentos (e optimização fiscal não é fuga ao fisco, mas uma actuação legal dos contribuintes,  através da utilização das diferentes alternativas fiscais permitidas, de modo a não pagarem mais imposto do que aquele efetivamente é devido), aqui del-rei que é criminoso, foge ao fisco, utliza off-shores, cadeia com ele, nem julgamento é preciso. Os media fazem a propaganda do delito, julgam e condenam e a turba aplaude e exige castigo maior. 
Mas se é um desportista afamado, ídolo das multidões, a coisa muda de figura. Aí, nem há sequer suspeita de optimização, muito menos de ocultação de rendimentos, o ídolo está inocente, o criminoso é o fisco, e a acusação só pode ser um acto de xenofobia, racismo ou perseguição pessoal. 
Sempre foi assim, a humanidade é isto mesmo: vai criando ídolos, novos deuses, que venera e adora e a quem não reconhece sombra de pecado.
Nada de essencial mudou no homem: no fundo, no fundo, permanece como de há dez mil anos, três mil anos ou trezentos anos a esta parte. Os deuses mudam, o homem permanece o mesmo. Mesmo que revestido da mais actualizada tecnologia.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Um fisco indecente

Hoje um amigo mostrou-me uma notificação de penhora de vencimentos emanada das finanças, obrigando a reter e a entregar ao fisco um sexto do vencimento de uma empregada doméstica, sob pena de, não o fazendo, ver o seu próprio ordenado penhorado. 
Acontece que a citada empregada, uma boa senhora, já morreu vai para 3 anos. 
Eficiente este fisco, o que não cobra em vida quer cobrar depois dela acabada.

domingo, 11 de junho de 2017

Oh, La Gauche, mon Dieu!...

Aquela que ia resolver os problemas da Europa... A tal lufada de ar fresco de que falavam os socialistas portugueses, depois da vitória de Hollande...A tal que apostava no crescimento, como se o crescimento fosse um jogo de casino...
...Mas uma televisão já disse que o PS francês acabou por ficar aquém das piores expectativas. Já temos, pois, vencedor.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

A nova Troyca geringôncica

Os hospitais foram obrigados a reduzir em 35% a contratação de médicos, enfermeiros e outros profissionais da saúde, de acordo com um decreto-lei do Governo que já entrou em vigor. Com tal medida, diz a SIC, algumas unidade de saúde já terão começado a cancelar cirurgias, antecipando a falta de médicos.
Claro que a contratação de muitos desses profissionais se destinava a colmatar a diminuição dos horários de trabalho para as 35 horas semanais.
Pois é, diminui-se o tempo de trabalho e repõem-se vencimentos, a benefício dos profissionais, e aumenta-se o tempo de espera, a prejuízo dos doentes.
Não há dúvida que a nova troyca geringôncica vai muito além da antiga troyca. Só que os cortes de verbas da antiga eram um atentado contra o Serviço Nacional de Saúde, enquanto os ainda maiores cortes da nova são para o proteger...
Milagres do novo tempo...

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Gato escondido...com rabo de fora

Dívida pública em 31 de Agosto de 2014:      216.697 milhões de euros
Dívida pública em 31 de Dezembro de 2015: 226.383 milhões de euros
Dívida pública em 30 de Abril de 2017:          244.020 milhões de euros
Em 16 meses, com défices ditos pequeninos, os menores de sempre, a geringonça aumentou a dívida em 17.637 mil milhões de euros. Nos últimos 16 meses do anterior governo, a dívida aumentou 9.686 milhões de euros, apenas cerca de metade.
Diminui o défice, cresce a dívida, venham lá os sábios da geringonça explicar o fenómeno.
Mas que aqui há gato, lá isso há: gato escondido com um grande rabo de fora. Precisamente aquele apêndice que somaria ao défice se as contas fossem autênticas.