Número total de visualizações de página

segunda-feira, 30 de março de 2020

Corona Vírus- Acção e Televisão

Deixo o meu artigo publicado no DN/JN/ Dinheiro Vivo de 28 de Março de 2020
(https://www.dinheirovivo.pt/opiniao/acao-e-televisao/)
Pensava dedicar hoje esta coluna à análise das causas do peso desproporcionado no PIB e da dependência externa de alguns sectores da nossa economia, a começar pelo turismo, em que pequenas oscilações na procura agravadas por fenómenos de perturbação globais, como agora acontece com o corona vírus, podem, só por si, levar o país à recessão. Mas falar das causas é criticar políticas e o tempo de guerra que vivemos, como nos é dito, exige mais união no presente e menos censura ao passado, mesmo que justificada.
Estamos, de facto, em plena guerra e nunca os cidadãos e governos terão passado por tantas dificuldades e temores desde que a pneumónica, há um século, matou muitas dezenas de milhares de pessoas em Portugal e dezenas de milhões em todo o mundo. 
O governo tem-se desdobrado em esforços para assegurar a resistência e a vitória futura, minimizando perdas humanas e materiais. Mas numa guerra tem que haver um Comandante com o seu Estado-Maior que defina estratégias e recursos tecnológicos, produtivos e logísticos, e uma cadeia de comando com oficiais, sargentos e soldados que assegure no terreno as operações, a logística, a intendência, equipamentos, fardamentos, alimentação, transporte, hospitais de campanha, de forma rápida, coordenada e eficaz. É isto também o que deveria acontecer na guerra contra o corona vírus. Se o 1º Ministro será o comandante, ignora-se qual o seu Estado-Maior e sobretudo não se sente uma cadeia coerente de comando, apenas múltiplas acções desgarradas, logo menos eficazes. Aliás, os reduzidos postos de vigia, testes, e as falhas na linha de saúde 24 impedem mesmo saber o número e a localização do inimigo.
Em guerra, o comando tem que ser único, as operações concertadas e a informação precisa e verdadeira, objectivo que a exibição a esmo de ministros nas televisões a mostrar novas iniciativas de forma parcelar e vaga não favorece e, pior, quando os anúncios feitos são logo desmentidos pelas tropas no terreno. Só acreditando na informação, e conhecendo carências e dificuldades, os cidadãos se mobilizam para a luta.
Um comando forte, um estado-maior competente e uma acção coordenada e rápida é o que se exige. E uma informação correcta, com menos ministros nas televisões, para que o tempo de governar não se extinga num constante aparecer.

Sem comentários: