Número total de visualizações de página

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Tsipras com programa de governo reformista, liberal e de forte contenção orçamental, quem diria...


  1. A notícia, como seria de esperar, passou quase despercebida junto dos “media” em Portugal : o novo governo grego, liderado por Alexis Tsipras, apresentou esta semana um programa para os próximos 4 anos, que está nos antípodas do que foi a epopeia delirante do anterior governo, dinamizada por essa extraordinária figura chamada Varoufakis…
  2. …programa de governo que inclui medidas orçamentais para os próximos 15 meses, a verter num Orçamento Rectificativo de 2015 e depois num Orçamento para 2016, e que se traduzem numa redução das necessidades de financiamento em € 6,4 mil milhões, distribuída entre aumentos de impostos (nomeadamente do IVA) e redução de despesas, nomeadamente com pensões.
  3. Quanto às vertentes reformista e liberal, cabe referir: (i) a recapitalização dos bancos, duramente afectados pela aventura Varoufakis, (ii) um vasto programa de privatizações de empresas públicas e de outros activos detidos pelo Estado, (iii) uma profunda reforma da administração pública, visando trona-la mais eficiente, (iv) uma reforma fiscal rotulada de “radical”, visando diminuir a evasão e a fraude fiscais que na Grécia, como se sabe, atingem ainda proporções inauditas e (v) medidas de incentivo ao investimento privado, nacional e estrangeiro…
  4. Tsipras afirmou, na apresentação deste programa, que o cenário de saída do Euro e de concomitante bancarrota se encontrava definitivamente afastado, abrindo-se agora um novo período que deverá permitir à economia grega encontrar o caminho do crescimento sustentável, com um firme propósito de cumprir as regras do Euro…
  5. Quem diria, Alexis Tsipras transformado num social-democrata moderno e de tendência liberal…
  6. Quanto têm ainda a aprender com Tsipras os fervorosos ilusionistas da chamada esquerda radical em Portugal, tanto os/as do Bloco de Esq como os do É Tempo de Recuar…e tantos outros! Aprender que existe uma diferença abissal entre as fantasias pseudo-    revolucionárias, de um lado, e as exigências da mais simples realidade das coisas do outro…

5 comentários:

João Pires da Cruz disse...

A verdade é que a Grécia tem hoje um incalculável capital que Portugal não tem. O conhecimento do que é passar em 3 meses do primeiro mundo para estar no hall de entrada do 3º, capital que tivemos a possibilidade de adquirir nos primeiros meses da falência ao atrasar os pagamentos do estado e não aproveitamos. Por isso, hoje, nem acho assim tão mau que o Bloco, o PCP mas, fundamentalmente, aquela senhora agradável dos Verdes, possam formar governo para que, agora sim, possamos saber o que isso significa.

João Pires da Cruz disse...

BREAKING NEWS: Yanis Varoufakis vai estar no dia 17 de outubro na Universidade de Coimbra para falar sobre a "Democratização da zona euro", no arranque dos programas de doutoramento do Centro de Estudos Sociais (CES).

Um verdadeiro epicentro de pseudociência!!!

Tavares Moreira disse...

Caro Pires da Cruz,

Não posso deixar de lhe dar razão: aos gregos foi ministrada uma vacina anti delirium crescimentista, que certamente não vão querer saber mais disso durante muitos e bons anos...
Tivessemos nós também deixado passar o PEC/4, o PEC/5 e, talvez ainda um PEC/6 e não existiriam as aspirações crescimentistas que muito boa gente ainda manifesta.
Quanto á anunciada conferência de Varoufakis, antecipo que vai terminar em delírio, com o homem transportado em ombros pelas ruas da velha urbe coimbrã, ladeado de uma comitiva de ilustres académicos a começar no venerando Prof. Boaventura...até desaguarem no Rei dos Leitões, na Bairrada, onde serão dados vivas e FRA's ao Dracma e ao Escudo!

Diogo disse...

Talvez já não falte muito para que as fantasias pseudo-revolucionárias se rebelem violentamente contra as exigências da mais simples «realidade»...

Bartolomeu disse...

Na minha opinião, Portugal vai transformar-se numa mega-feira de Carcavelos. Os ciganos vão continuar a discutir a qualidade das t-xirts e os "clientes" a regatear o preço... até daqui a 4 anos, contráriamente aos vaticinios que por aí polulam.