Número total de visualizações de página

sábado, 17 de agosto de 2019

Doentes crónicos


Na sua Política, escrevia Aristóteles no século IV a. C. : “…Em tempos idos…, cada indivíduo considerava justo que os cargos fossem desempenhados em alternância. Actualmente, devido aos benefícios derivados dos cargos públicos e do exercício do poder, os homens desejam a ocupação permanente desses cargos. É como se os ocupantes desses cargos se tornassem homens doentes e apenas recuperassem a saúde quando estão em funções…”
Isto era na Grécia, mas por cá a situação é muito mais grave. É que os nossos políticos não ficam doentes quando terminam funções, já vão enfermos logo ao iniciá-las.
Nem a propósito, a Ministra da Saúde é exemplo de que entrou já severamente combalida quando, respondendo à Ordem dos Médicos sobre a morte de mais de 2.600 doentes enquanto aguardavam cirurgia, afirmou que 70% morreram dentro do prazo garantido…(para a cirurgia, supõe-se…).
Portanto, dentro do prazo, tudo bem, a culpa foi deles, que se apressaram a morrer…
E os que escolheram expirar fora do prazo de garantia foram apenas 30%, coisa negligenciável… deviam esperar um pouco mais… 
Por falar em prazos, também a Secretária de Estado da Justiça parece exercer funções em situação de pronunciada debilidade. Face à insuportável demora no atendimento para tratar do Cartão de Cidadão, resolveu culpar os utentes por irem para a porta dos serviços antes do prazo, neste caso, de abertura, quando estes ainda estão encerrados. Serviços bem organizados não podem compactuar com o calendário dos cidadãos, era o que faltava. Assunto resolvido.
Igualmente se confirmou a plena luz a enfermidade que vinha minando o Ministro da Administração Interna e que lhe abalou toda a resistência para responder à anunciada combustão das suas estimadas golas de auto-protecção (o eufemismo do ano…), aliás um material tão pouco auto-protector e tão inflamável que até lhe estoirou nas mãos. Em natural estado de choque, logo responsabilizou os cobras que propalavam tais irresponsáveis notícias e esmurrou mesmo o microfone que lhe apresentavam, classificando-o, ele, sim, e não as golas, como objecto combustível.
Ainda bem que um conveniente ensaio científico em tarde domingueira o fez ressurgir do abalo e anunciar a natureza não inflamável, mas meramente perfurável, do material. E, com tal reconversão, aí estamos novamente auto-protegidos contra incêndios não fumegantes nem perfurativos, obviamente de calor ameno. Sem protecção, perfurados e bem esturrados, é que lá deixou 125.000 euros de merchandising.
Grave perturbação também atingiu o Ministro dos Negócios Estrangeiros quando disse que “não é clara e que seria um absurdo a interpretação literal” de uma norma, raras vezes tão luminosa, que impede contratos com o Estado de empresas cujo capital seja detido em mais de 10% por titulares de órgão de soberania, fixando como sanção a nulidade dos contratos e a demissão daqueles titulares.
E com não menor torvação estará o próprio 1º Ministro que em 1996 defendeu essa lei e agora pede à Procuradoria-Geral da República a suprema graça de o iluminar sobre o que antes apoiara.     
Sintomas de moléstia aguda mostra também quem anuncia mobilizar reservas estratégicas de combustível para acudir à greve dos motoristas, quando o problema é, sim, a mobilização do combustível até postos de abastecimento…   
A grande maioria dos actuais políticos e governantes serão candidatos às próximas eleições. Devido aos benefícios derivados dos cargos públicos, os homens desejam a ocupação permanente desses cargos…tornam-se doentes e apenas recuperam a saúde quando estão em funções…”.
Aristóteles tinha razão. Bem para eles que, sem isso, se tornariam doentes crónicos.
Mas mal, muito mal, para uma democracia de qualidade. 
(meu artigo no i, edição de 14 de Agosto de 2019)

7 comentários:

António Pedro Pereira disse...

Dívida pública baixa para 122,2% do PIB em junho.
É o valor mais baixo em sete anos.
A dívida pública deu um trambolhão em junho, com o reembolso de oito mil milhões de euros aos investidores. Rácio caiu para 122,2% do PIB no último trimestre, o valor mais baixo desde março de 2012.
https://eco.sapo.pt/2019/08/22/divida-publica-baixa-para-1222-do-pib-em-junho-e-o-valor-mais-baixo-em-sete-anos/

António Pedro Pereira disse...

Ontem, “por volta das 15h10 da tarde a taxa de juro portuguesa a 10 anos no mercado internacional passou, pela primeira vez, para níveis inferiores à de Espanha. Esta passagem de Portugal ter custos de financiamento a 10 anos mais baixos abaixo do que Espanha é um indicador extraordinário que agora temos que conseguir manter, e um indicador da credibilidade e da sustentabilidade“, disse Mário Centeno, em entrevista à RTP.

António Pedro Pereira disse...

Não foi aqui no Quarta República que alguém chamou Centino ao Ministro das Finanças?
------------------------------------------------------------------------
Portugal passa cheque à Europa em novembro. Poupa “mais de 120 milhões” com juros, diz Mourinho Félix ao ECO
https://eco.sapo.pt/2019/09/05/portugal-passa-cheque-a-europa-em-novembro-poupa-mais-de-120-milhoes-com-juros-diz-mourinho-felix-ao-eco/
------------------------------------------------------------------------
“Almofada” da Segurança Social ultrapassa, pela primeira, vez os 20 mil milhões de euros
https://eco.sapo.pt/2019/09/05/almofada-da-seguranca-social-ultrapassa-pela-primeira-vez-os-20-mil-milhoes-de-euros/

António Pedro Pereira disse...

Que destaque darão as aves agoirentas a isto?
Pelo menos o que deram às golas (não) inflamáveis e a outras minudências semelhantes.

Economia portuguesa cresceu 2,4% em 2018, mais três décimas que o previsto
https://eco.sapo.pt/2019/09/23/economia-portuguesa-cresceu-24-em-2018-mais-tres-decimas-que-o-previsto/

Governo vai para campanha com défice mais baixo em 2018. Meta para este ano mantém-se em 0,2%
https://eco.sapo.pt/2019/09/23/governo-vai-para-campanha-com-defice-mais-baixo-em-2018-meta-para-este-ano-mantem-se-em-02/

António Pedro Pereira disse...

Isto é o que verdadeiramente conta, pois está na base do resto.
Mas quantos eleitores o lêem?
E quanto dos que o lêem o percebem?
Mas era bom que todos o lessem, para se não embarcarem em fantasias, oportunismos eleitorais, sacanices, etc., etc.
Enfim, o fogo fátuo das campanhas de intoxicação eleitoral, também chamadas de esclarecimento eleitoral.

Excedente orçamental pela primeira vez desde 1973, Ricardo Cabral, Público, 30/09/2019, p. 14

file:///C:/Users/Manuel%20Henrique/Downloads/Publico%20Lisboa%2030%2009%202019.pdf

António Pedro Pereira disse...

Juros da dívida portuguesa igualam os de Espanha após legislativas. Rating da DBRS ajuda

s juros da dívida portuguesa destacam-se pela positiva numa sessão marcada pela estabilização das yields europeias. Os juros nacionais aliviam após o resultado das legislativas em Portugal que apontam para a estabilidade governativa, com a vitória do Partido Socialista e no rescaldo ainda da revisão em alta do rating nacional por parte da DBRS. Taxa a dez anos nacional iguala já a par espanhola nos 0,13%.

https://eco.sapo.pt/2019/10/07/juros-portugueses-aliviam-apos-legislativas-e-subida-de-rating-pela-dbrs/

António Pedro Pereira disse...

Portugal coloca 750 milhões de dívida a juro mínimo de 0,49%

Portugal colocou ontem 750 milhões de euros em Obrigações do Tesouro (OT) a
15 anos (maturidade a 18 de Abril de 2034). A taxa de juro foi de 0,490%, um novo mínimo de sempre, abaixo da registada em 11 de Setembro, de 0,676%,
anterior mínimo histórico. A procura cifrou-se em 1855 milhões de euros, o equivalente a 2,47 vezes o montante colocado, noticiou a Lusa.

file:///C:/Users/Manuel%20Henrique/Downloads/Publico%20Lisboa%2010%2010%202019%20(1).pdf