Número total de visualizações de página

sábado, 14 de outubro de 2017

O Orçamento do Estado Corporativo

Vai começar no parlamento o solene debate do Orçamento do Estado. Aliás, um debate pró-forma, já que, depois de aprovado, sofrerá tantos desvios, transferências e cativações, alterações ad hoc ao sabor dos interesses de ocasião, que a sua execução acabará num retrato em que ninguém reconhecerá o original. O que, aliás, não preocupa ninguém, muito menos a nomenklatura política, que considera a prestação de contas pelo governo, traduzida na apresentação da Conta Geral do Estado no Parlamento, como assunto irrelevante, despachado burocraticamente em sumaríssimo debate. As questões do género, essas sim, é que são importantes...
Entretanto, diversas corporações fazem-se ouvir no Ministério das Finanças, e a todas o ministro dando resposta, o Orçamento deixa de ser do Estado para ser o Orçamento do Estado Corporativo...
Ler mais em O Orçamento do Estado Corporativo, meu artigo no i.

4 comentários:

osátiro disse...

Apesar de tudo há aspetos políticos positivos....
a inenarrável Katarina -BE está preocupada com a 2ª metade da legislatura.....o que é bom sinal.!
E jerónimo, depois de martelar diariamente o afastamento ao governo para tentar desculpar a derrota nas autárquicas, diz que o orçamento progrediu pouco......sem dúvida tb sinal positivo......

Pinho Cardão disse...

Caro osátiro:
Bom, trata-se então do copo meio cheio...
O que é insuportável é a demagogia rasteira com que é apresentado o Orçamento. Afinal de contas, o que é reposto nos impostos directos é retirado nos indirectos, mantendo-se ou aumentando a carga fiscal. Como é rotunda mentira atribuir o crescimento à reposição dos salários da função pública e ao pequeno aumento de alguns reformados. E poderia continuar.

opjj disse...

Vital para o progresso é os câezinhos poderem estar à mesa com os seus mentores nos restaurantes.Merda aqui, mijadela acolá nos pés da mesa, pulgas, odores, etc.
Quando li o livrito de Manuel Alegre sobre o seu cão, fiquei a saber que afinal os cães são burros não falam a voz do dono.

Por Agora disse...

Estimado Pinho Cardão,
O que vou escrever não é para publicar: Felicito-o pelo modo quase sempre presente com que 'está' neste blog. A sua tranquilidade é notável. O saber também, tal como a honestidade.

Devo ser quase da sua idade (pela foto) e, portanto, sei dar-lhes estes valores.
Será 'vergonha', mas não sei seu nome completo nem a sua formação (os títulos são, para mim, pouco importantes). Além de o Senhor ser um Homem.

Cumprimenta, eao