Número total de visualizações de página

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Por vezes...uma coisa certa

Como já no tempo do Governo Passos Coelho, o Instituto de Gestão da Dívida Pública vai adequando o perfil da dívida ao sentimento e pulsar do mercado. Agora, vai trocar dívida com maturidades para 2019 e 2020 por dívida a prazo mais largo e presumivelmente a taxas mais baixas.  
Esta é a autêntica e necessária reestruturação da dívida, aquela que se vai fazendo aproveitando as oportunidades do mercado. Não aquela que os partidos da geringonça, apoiados por um grupo de artistas bem pensantes (incluindo deputados e membros do actual governo...), desejavam, e para quem reestruturação seria feita de um só jacto, sob pena de recusa de reembolsos, concordassem ou não os credores.Recusa que, segundo o actual Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, poria os alemães e franceses de joelhos a tremer...
Mas também não aquela reestruturação saída dos cérebros iluminados do grupo de trabalho dos deputados da geringonça que propuseram ao governo toda uma política de endividamento com base no curto prazo e no correspondente menor custo, descurando um prudente balanceamento da dívida e a inevitabilidade da subida a prazo das taxas de juro.
Ainda bem que o IGCP ignora as vozes tolas da geringonça e actua com responsabilidade e racionalidade.

1 comentário:

Pelorigor disse...

Juros portugueses em novos mínimos. Taxa a dez anos abaixo dos 1,8%
Catarina Melo,jornal ECO-online
As taxas de juro da dívida soberana nacional estão em queda ligeira, sendo que no prazo a dez anos bateram um novo mínimo de abril de 2015. Já está abaixo dos 1,8%.
https://eco.pt/2017/12/08/juros-portugueses-em-novos-minimos-taxa-a-dez-anos-abaixo-dos-18/