Número total de visualizações de página

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Confiança dos consumidores em máximos de 14 anos...como é possível !?!


  1. Esta informação acaba de ser divulgada pelo INE, assinalando a subida do indicador que mede a confiança dos consumidores, em Portugal, para o nível mais elevado desde 2001…
  2. Segundo a análise do INE, este aumento da confiança dos consumidores deve-se, primacialmente, a três factores: (i) as expectativas quanto à evolução do desemprego, (ii) a precepção sobre a situação económica do País, e (iii) a situação financeira dos agregados familiares.
  3. Lê-se e não se acredita! Então, onde para a devastação causada por anos sucessivos de brutais políticas de austeridade, impostas pela perfídia dos mercados, com a vergonhosa cumplicidade dos credores internacionais e das agências de rating ?
  4. E onde param, também, os terríveis malefícios de políticas neo-liberais, executadas sob o comando da Snrª Merkel, que a NATA dos opinion-makers deste País entendia terem condenado a economia nacional, e os orçamentos familiares muito em especial, para todo o sempre?
  5. E o que fazer agora com os prometidos estímulos discricionários ao rendimento de famílias e de empresas que os simpáticos Crescimentistas não se cansam de anunciar?
  6. Pasma-se, não se compreende, os portugueses que responderam a estes inquéritos devem estar todos desatinados…se é que estes resultados têm alguma correspondência com a realidade!

19 comentários:

Bartolomeu disse...

Os portugueses são um povo por natureza muito crente e muito dado a epifanias, caro Dr. Tavares Moreira. E estas duas características não se acham limitadas, não; elas estendem-se a todos os particulares da vida privada, social, política, religiosa, económica, financeira, etc. tanto do comum cidadão, como das mais destacadas figuras da nação.
E nem vale a pena, pensarmos em estratégias eleitoralistas, ou de escamoteamento da realidade, não; estas características são genéticamente comuns ao português, seja ele das berças, do litoral, do norte, do centro ou do sul (não sei se nas ilhas é igual).
Portanto e do meu ponto de vista, o melhor é acreditarmos em tudo aquilo que nos dizem; os políticos, os jornalistas, os comentadores, o tipo do quiosque, o motorista do taxi, o chefe e a colega do emprego, a vizinha de cima (nessa eu acredito piamente, quando vem com u lulu á rua e me diz meio entre dentes, o meu marido saiu em serviço, só volta amanhã). Somos um povo tão tolinho... benza-nos são malakueko!!!

Tavares Moreira disse...

Não me leve a mal, caro Bartolomeu, mas pela leitura do seu comentário fico com a suspeita que o Senhor terá sido um dos felizes respondentes no inquérito do INE, que produziu este bonito resultado...
De facto, do seu elaborado texto surpreende-se um sentimento optimista, tão optimista que será capaz de enveredar pelas mais audazes incursões consumistas (no FUSO e não só)...

Bartolomeu disse...

Não erra, nas suspeitas que o meu comentário lhe suscitam, caro Dr. Tavares Moreira.
De facto, consumir, constitui a razão maior da minha existência.
A minha grande dificuldade, nesta altura, consiste em não encontrar já nada que ainda não possua; ele são mansões, iates, carros, joias, roupas, perfumes, tudo em quantidades exorbitantes. Um tédio!

Tiro ao Alvo disse...

Desculpe, caro dr. Tavares Moreira, pelo que se vê, o seu correspondente Bartolomeu anda a desanimar, logo não pode ser um dos que responderam positivamente ao inquérito do INE - por ele isto vai de mal a pior.
Perante o inesperado dos resultados, para mim, os métodos utilizados pelo INE é que poderão não ser os mais adequados...

Tavares Moreira disse...

Caro Bartolomeu,

Não o fazia tão inebriado pela febre consumista! O que esta maldita sociedade de consumo faz às pessoas, mesmo às mais sóbrias...
Recordo-me de ouvir, há cerca de 50 anos, ou até mais, o então famoso Abbé Pierre denunciando os riscos de uma sociedade de consumo: "L'explosion materielle" como ele pressagiava...

Caro Tiro ao Alvo,

Temo que tenha subvalorizado a capacidade de recuperação do nosso amigo Bartolomeu: olhe que ele é daqueles de "antes quebrar que torcer"...
Quanto às análises do INE baseadas em inquéritos de opinião aos agentes económicos, como é o caso, creio que não terão mudado muito nos últimos anos...as opiniões dos inquiridos é que são móveis...

Bartolomeu disse...

Tambem considero as tendências estatísticas apresentadas pelo INE, falsos.
Isto porque, cada português é, em minha opinião, mais ou menos - dependendo do caráter e das capacidades financeiras - um potencial consumidor/consumista. Quando vivemos um periodo de recessão e de contenção de despesas, ansiamos que essa "onda" passe o mais rápidamente possível, para voltarmos à condição anterior. Raramente amealhamos e raramente utilizamos os proventos para consolidarmos os investimentos e reforçarmos as economias. Por isso (talvez) o nosso país, ao longo de séculos, conheceu períodos de grande riqueza e nunca deixou de ser o país pobre que desde a sua fundação, sempre foi.

Tavares Moreira disse...

Caro Bartolomeu,

O tipo de comportamento que imputa aos portugueses não será muito diferente do de qualquer outro Povo, a não ser aqueles que não conhecem outra coisa a não ser a penúria permanente: os felizardos da Coreia do Norte, do Zimbawe, de Cuba e, agora também em marcha acelerada, da Venezuela.
Varoufakis tentou o mesmo na Grécia, mas Tsipras apercebeu-se a tempo e tirou-lhe o tapete.
As conclusões do INE não têm por isso nada de especialmente surpreendente, quando excluído o teor humorístico (admito que sem graça) do Post supra...

Pedro Silva disse...

Não se dará o caso de as respostas reflectirem expectativas de mudança de governo, mais do que expectativas ancoradas nos dados económicos?

Tavares Moreira disse...

Caro Pedro Silva,

Ora aqui temos uma interpretação sibilina...quem sabe, quem sabe senão será como diz?

Bartolomeu disse...

Discordo da sua opinião, caro Dr. Tavares Moreira.
Se compararmos o que é comparável, ou seja: Portugueses com qualquer outro povo europeu, verificamos com a maior facilidade, que os portugueses são únicos. Em alguns aspectos, os povos do sul da europa, encontraremos ténues semelhanças, mas quando começamos a somar graus de latitude, apercebemo-nos de diferenças pproporcionais à distância.
Mas, dou-lhe um exemplo concreto. Basta que nos desloquemos à vizinha Espanha para que possamos constatar a diferença a que me refiro e até, dentro do mesmo país, quanto mais para norte nos dirigirmos, mais marcante e notória é essa diferença.
Varoufakis... Tsipras, vai desculpar-me caro Amigo, mas não consigo deixar de achar graça a este exemplo que apresenta. Será o Senhor capaz de me indicar o que foi que mudou, na Grécia e para a situação de dívida desta, versus a posição de força fingida dos credores, desde que Varoufakis "foi corrido" por Tsipras?
A mim, parece-me que nada, mas... eu percebo tanto disto, como de lagares de azeite, talvez por isso, parece-me ver tudo como dantes; o governo Grego a gozar à doida com os alemães e restante pandilha e a pandilha a fingir que acredita que o governo Grego é pessoa de bem e irá cumprir os acordos que subscreveu. Por isso, vá de lhes encher os cofres com mais uns milhões; milhões esses, aliás, a que a imprensa internacional´, passado o carnaval dos encontros e das reuniões, passou a tratar como "assunto de lana caprina".

João Pires da Cruz disse...

Isto começa a ser trágico. Qual a verdadeira causa de tais números? Já sei, os consumidores desconfiados emigraram todos depois de terem penhorado o ouro e perderam as poupanças num sector estratégico vendido aos especuladores da economia de casino chineses.

João Pires da Cruz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tavares Moreira disse...

Uma verdadeira tragédia grega, caro Pires da Cruz, que o seu comentário resume de forma magistral!
Que dirá a Academia de Coimbra sobre tal absurdo? Já tem alguma indicação, alguma dica? Estou numa expectativa incandescente!

Tavares Moreira disse...

Pois muito bem, caro Pires da Cruz, não foi preciso esperar muito: aí temos a análise do CES, da Academia de Coimbra, explicando que "as famílias portuguesas não conseguem poupar e vivem no MEDO de uma despesa excepcional, vivem sem margem para surpresas no orçamento".
A conclusão resulta de um trabalho profundíssimo de análise, no âmbito de um projecto FINFAM...
Vamos aprendendo alguma coisa, em especial esta forma modelar de aplicar os recursos públicos...

João Pires da Cruz disse...

Bem me parecia que estes números divulgados pelo governo se sustentam nas epistemologias do Norte capitalista, colonialista e patriarcal e não são para serem levados a sério. O conceito "margem para surpresa no orçamento" é claramente uma medida muito mais interessante porque pode ser feita com base no humanismo da fézada, em vez de estar sujeita à ditadura austeritária da aritmética que tantos desgostos traz a tanta gente.

Alberto Sampaio disse...

Acerca do estudo convém saber:
"Segundo os resultados do inquérito do projeto de investigação [FINFAM], já divulgados pela Lusa em outubro de 2014"
ver http://www.noticiasaominuto.pt/economia/442750/familias-portuguesas-estao-sem-margem-e-dependem-da-ajuda-dos-avos

Alberto Sampaio disse...

portanto, desactualizado atendendo à evolução ocorrida entretanto.

Tavares Moreira disse...

Caro Alberto Sampaio,

Eu tenderia a desvalorizar a desactualização, posto que mais do que compensada pela profundidade da análise.

Alberto Sampaio disse...

Também tenho de concordar :-)