Número total de visualizações de página

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Malandros, que não o avisaram!...

Devidamente ataviado com a ajustada farpela, para mostrar presença e empenho na acção, um vereador da Câmara de Lisboa com ar de jota meninó apareceu nas televisões a explicar que a autarquia não estava à espera de tanta chuva em tão pouco tempo, queixando-se ainda de a Câmara não ter sido devidamente avisada sobre este cenário.
Pois é, o paizinho não o avisou e ele nem suspeitava que, mesmo um vereador como ele, se pode molhar quando chove ou escorregar nas sarjetas entupidas. 
Nem o paizinho o avisou, nem o Chefe apareceu, entretido noutros combates mais ardentes e prioritários, jogando pelo seguro para não sair chamuscado.
E assim ele lá teve que exibir a fatiota de combate. Por acaso, enxutinha e sem aparente pinga de chuva.  


5 comentários:

Diogo disse...

Coitado do puto - Carlos Manuel Castro - todos sabemos que não nos podemos fiar na meteorologia. Ainda no passado fim de semana davam raios e coriscos no Meco e passei dois estupendos dias de praia.

E depois, desejar que o puto escorregasse, sujeito a dar cabo do fato ou a ter um entorse, não me parece bem. Deixemo-lo continuar a fazer o bom trabalho que, suponho, até aqui tem vindo a fazer....

Se, daqui a dez anos, se se provar que o puto cometeu algumas ilegalidades, temos sempre a prescrição...

João Pires da Cruz disse...

O sujeito é muito pouco inteligente. A justificação "é assim esta cidade, quando chove anormalmente na maré cheia não há hipótese", que era verdade, armou-se aos cucos a atirar a culpa para uma previsão. Com isso o imbecil leva as pessoas a pensar que ele tinha uma solução pronta se a previsão fosse correcta. Nem sequer se lembrou que uns fazem previsões, mas ele tem que fazer independentemente da previsão...

Bartolomeu disse...

Estou de acordo com a sua opinião , caro Cruz. a justificação, ou desculpa que o vereador apresentou, demonstra que desconhece total ou pelo menos parcialmente os problemas conceptuais, característicos da cidade de Lisboa, os quais, permitem que ocorram graves problemas, quando ocorre um conjunto de condições meteorológicas. O mesmo sucede no Dafundo, Cruz Quebrada, Caxias e Paço D'Arcos.

Pinho Cardão disse...

Caro JPC:
Não me pronuncio sobre a inteligência do sujeito, mas aquilo foi uma " espertalhonice " saloia de quem mais não sabe, ou não é capaz, a não ser atirar a responsabilidade para outros. Por isso, tal como está o ambiente, penso que irá longe e terá um futuro radioso, como autarca, assessor governamental, secretário de estado ou mesmo ministro.

Diogo disse...

Caro Pinho Cardão,

Não podia estar mais de acordo consigo...