Número total de visualizações de página

domingo, 19 de março de 2017

Esta geringonça vai mesmo no bom caminho...

Pensando bem, faço mea culpa ao que tenho dito do governo e julgo que vamos muito bem.
De facto, o PIB cresceu 1,4% em 2016 (até prova em contrário, mas passei a acreditar na geringonça e julgo que não vai falhar…), menos do que os 1,6% de 2015, mas isso é uma minudência.
E tem que se louvar a geringonça que apostou tudo no consumo interno e o fez crescer 2,3% em 2016. Facto é que, em 2015, sem estímulos, cresceu 2,6%. Coisa sem importância, também.
Quanto ao investimento, caiu 0,3% em 2016, quando em 2015 tinha subido 4,5%, o que não apresenta qualquer relevância: para uma geringonça que se preze, menos investimento é menos patronato, logo um inimigo a menos do povo trabalhador.
Bom, e as exportações tiveram em 2016 um aumento espectacular de 4,4%; é certo que cresceram 6,1% em 2015, mas em 2015 não havia crise no mundo, ela só apareceu em 2016 dinamizada pelo  senhor Shauble aliado à grande especulação internacional.
Quanto à dívida pública, aumentou em 2016 um pouco mais de 8 mil milhões, mais ou menos o dobro do défice orçamental, o que também não merece qualquer preocupação especial, 4 mil milhões a mais ou a menos tanto importa. Aliás, até me parece completa perda de tempo exigir explicações sobre a aplicação de tão diminuto valor, que só apostados inimigos da geringonça identificam como pura desorçamentação. Tão sem importância que os juros da dívida a 10 anos tiveram o insignificante aumento de 2,3% para 4,3%, apenas mais 2 pontos percentuais, e o spread em relação à Alemanha passou de 1,845% para 3,849%, mas isso tem que se levar a débito da intratável senhora Merkel.
Por tudo isto, eu faço mea culpa: esta geringonça vai mesmo no bom caminho. 
(Texto inspirado no artigo de João Duque "é uma injustiça, pois é..." no Expresso)

4 comentários:

Fernando S disse...

PINHO CARDÃO : "os juros da dívida a 10 anos tiveram o insignificante aumento de 2,3% para 4,3%,"

Caro Pinho Cardão,

É efectivamente "apenas" este aumento se considerarmos como ponto de partida o momento da mudança de governo.
Mas a verdade é que no final do primeiro trimestre de 2015 os juros estavam em torno de 1,5% e com tendência para descerem ainda mais e o que mudou a partir de então é que, a 6 meses das eleições legislativas, vendo as sondagens, os mercados começaram a recear uma situação de impasse politico ou mesmo de mudança na politica que tinha vindo a ser seguida até então.

A perspectiva da "geringonça" (não nos esqueçamos que o PS já então anunciava que alteraria a politica de austeridade e de reformas estruturais)explica completamente a subida dos juros ... mesmo antes das eleições e da mudança de governo.

E, é verdade, a subida até hoje, por mais importante que tenha sido, e foi (quase 3X mais), só não foi ainda maior porque o governo actual, por oportunismo, dando o dito por não dito, não acabou com a austeridade e não reverteu todas as reformas (por exemplo, não alterou o essencial da legislação laboral).

Pinho Cardão disse...

Caro Fernando S:
É isso mesmo, as coisas são o que são. No entanto,a avassaladora propaganda da geringonça, com o apoio dos media, tem mistificado por completo a situação. Se os cidadãos aceitarem tal logro, logo sofrerão as consequências.

Tiro ao Alvo disse...

O sr. Silva mais o sr. Sério estarão de férias?

Pinho Cardão disse...

Estão só a preparar a composição...