Número total de visualizações de página

domingo, 22 de julho de 2018

"Democracia"...


A democracia é considerada como a forma mais correta e digna de viver em sociedade. De facto, atendendo aos princípios que defende, é verdade. Verdade e desejável. Transmite confiança e coloca-nos todos no mesmo plano com os mesmos direitos e deveres. Teoricamente é a mensagem que passa. E na prática? Na prática não. Longe disso. Não temos os mesmos direitos e nem somos iguais perante a lei.
A política é o meio através da qual grupos com interesses e/ou ideologias tentam alcançar o poder e distribuir o "bem-bom" pelos seus correligionários. Dispenso comentários sobre o significado de "bem-bom".
Os seres humanos, como sempre aconteceu ao longo da evolução, e em estreito paralelo com outras espécies, querem mandar. Mandar é uma garantia de sobrevivência, e a sobrevivência faz-se na nossa espécie à custa de ideologias e interesses doutrinários. Os clãs existem, como sempre existiram, e são o melhor garante de sobrevivência do elemento do grupo. Matar para não ser morto, roubar para não ser roubado, dominar para não ser escravizado. Tudo isto e muito mais. Há os que doutrinam e os que não querem ser doutrinados. Há os que mandam e os que não querem ser mandados. Há os que têm força e os que querem também ter. Há os que têm uma ideologia e os que têm outra perfeitamente distinta. Não há possibilidade de consenso, e o respeito não é mais do que uma mera teatralidade. Matar para não ser morto, mesmo entre os elementos da mesma espécie, é uma regra ditada pela força evolutiva. A história, quer a recente, quer a mais remota, está enfermada de milhares de testemunhos.
A democracia tem o condão de deixar passar a ideia de liberdade e de igualdade. De facto, tem. Quanto à fraternidade é um mito, alimentado e desenvolvido por correntes doutrinárias ou religiosas, uma espécie de aparente boa vontade que consegue acalmar a raiva dos que sofrem, dos que são maltratados, humilhados e ofendidos em todos os setores da (h)umanidade. Tudo isto nas barbas da democracia!
A corrupção e o nepotismo sãos os braços direito e esquerdo das diferentes ideologias. Muitos, mas muitos, alimentam-se e sobrevivem à sua custa.
A imposição de princípios ideológicos/doutrinários/ religiosos tem esse objetivo, impor as ideias aos outros. Mas se os outros "aceitassem" seria uma "tragédia". Ficávamos todos em "pé de igualdade". O pior é que os recursos nunca chegariam para todos, logo, o melhor é contribuir para acirrar as diferenças. Quanto mais diferenças, melhor. Sendo assim, alimentá-las, o que não é nada difícil e complicado, é imperioso para que determinados grupos políticos assaltem o poder e provoquem raiva, desconfiança e mal-estar nos opositores.
Tudo isto faz-se nas barbas da democracia.
A democracia não é mais do que a mais bela das poesias transformada em negócios e assaltos ao poder para muitos poderem "sobreviver".
Não há volta a dar. Não vejo como. Talvez acredite na "democracia pura" dos cemitérios e dos crematórios, onde somos, "efetivamente" (uma blague a terminar este texto), verdadeiramente "iguais"!

2 comentários:

António Barreto disse...

Assim é. E o papel da cultura nesse processo?

Vasco Riobom disse...

Democracy is dependent on prerequisites it cannot guarantee by itself (Böckenförde). Equaliberty (Balibar) forms the most important value of democracy; however, for citizens to grant equal liberty to each other solidarity among them and loyalty towards the state is necessary, i.e. a form of collective identity is needed. In modern democracies, collective identity has been created by the construction of the nation for which culture plays a central role. Artistic and cultural productions are, on the one hand, understood as condensed representations of culture, on the other one, they have traditionally ascribed a central role for constructing and deconstructing communities as well as for presenting and processing conflicts. The (always precarious) freedom of the arts is an essential precondition to fulfill these functions.
https://www.oeaw.ac.at/en/ikt/research/translation/culture-politics-and-democracy/