Número total de visualizações de página

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

O debate I

Afinal, e mesmo ouvindo de longe os eméritos jornalistas e comentadores das nossas televisões, já sabemos o que Passos Coelho e António Costa nos vão dizer no debate de logo à noite. E não só o que vão dizer, mas como o vão dizer. 
E, com o enorme carinho que nos devotam, já anunciaram baterias de pensadores para analisarem o que os dois políticos disseram. Mais precisamente, para analisarem se eles disseram ou não o que os comentadores tinham antecipado e da forma como tinham antecipado. 
Claro que as ideias de Passos e Costa pouco interessam neste delírio analítico. No fim, o que os políticos disseram de nada vale; vale, sim, o que os pensadores nos dizem  que eles disseram. Os pensadores têm a última palavra, logo à noite e no dia seguinte.  
Enfim, uma forma de exploração do poder eleito ou a eleger pelo soberano quarto poder. Claro que se o primeiro abdica dos seus direitos, logo há outro que os toma para si. Promovendo um mero produto comercial, transfigurado em informação, 

3 comentários:

João Pires da Cruz disse...

Ora, caro Pinho Cardão, o meu caro está um pouco afastado das novas tendências mediáticas.
Primeiro, uma sondagem não se traduz por números enquanto não tem a chancela de um politólogo, um cientista que se dedica a uma ciência que só existe quando ele a produz. Até lá são menos números sem sentido e não deverá estar longe o dia em que as respostas dos sondados tenham que ser certificadas por estes cientistas para que estes possam classificá-las como boas ou más.
Segundo, não vale a pena ao meu caro assistir ao debate sem que primeiro lhe digam - um politólogo claro - aquilo que o meu caro deve ouvir como bom e aquilo que não lhe interessa. Senão ainda vai ligar a televisão e ouvir, de forma desestruturada, aquilo que os políticos dizem e isso, como deve imaginar, não tem qualquer valia científica.
Qualquer dia está a dizer que vai retirar as suas interpretações do debate sem que tenha a devida certificação para o fazer. Nessa altura o meu caro está a comportar-se como uma espécie de Uber da política e isso não pode ser, como deve calcular.

Pinho Cardão disse...

Pois agradecido por tão relevante como oportuna nota, caro João Pires da Cruz. Recordo que essa coisa da certificação e de pessoal com exclusivo da dita tem tradição em Portugal. Há uns 40 anos havia o pessoal autorizado a passar certificados de anti-fascismo, situação ainda hoje exclusivo de alguns. Com a evolução, e com a chegada em força do BIGBrother disfarçado de jornalista, politólogo ou comentador e pensador, irá mesmo ser-nos vedado, como diz, interpretar os factos e as palavras. E os políticos serão mero instrumento de afirmação do poder desse Grande Irmão que tudo vai dominando.

Bartolomeu disse...

«...delírio analítico.»
Este termo define na perfeição a macaquice em que a macacada anda envolvida... e pagam-lhes para isso!