Número total de visualizações de página

terça-feira, 12 de maio de 2015

Comércio externo no 1º trim/2015: curiosidades...


  1. Foram ontem divulgados, com alguma fanfarra, os dados do comércio externo (bens) para o 1º trim/2015, revelando, em relação ao mesmo período de 2014, um aumento das exportações de 4% e uma diminuição das importações de 1,4%...
  2. …de que resultou uma quebra no défice comercial, que passou de € 2.680 milhões em 2014 para € 1.969 milhões em 2015, ou seja -25,1%, e a subida da taxa de cobertura das importações pelas exportações, de 81,7% em 2014 para 86,1% em 2015.
  3. A melhoria do saldo comercial ficou a dever-se não apenas ao bom desempenho das exportações mas também, e em grande parte, mesmo, à diminuição da factura petrolífera, o que está bem evidente quando se analisa o saldo comercial excluindo combustíveis: um aumento do défice, de € 887 milhões em 2014 para € 1.101 milhões em 2015 (+24,1%).
  4. Um aspecto importante será o facto de as importações de máquinas e de material de transporte terem aumentado expressivamente, segundo a informação divulgada, o que indiciará uma recuperação do investimento – e sem investimento não pode haver mais produto nem mais emprego…
  5. … por muito que os cançonetistas do Crescimentismo queiram convencer-nos de que é possível promover o crescimento  fazendo funcionar um helicóptero de dinheiro, lançando notas á população, em ordem a aumentar magicamente a procura…
  6. Em relação aos principais mercados de destino das exportações lusas, cumpre destacar os óptimos desempenhos da Espanha, com +9,6% - de Espanha sopra agora bom vento – e também do Reino Unido, com + 14,5% (apesar da vitória de Cameron, dirá o Pinho Cardão) e dos EUA com +16,8%...tudo economias liberais, infelizmente.
  7. Pela negativa, há a registar a quebra das exportações para Angola, agora com -23,6%, por razões já aqui mencionadas, embora se registe uma recuperação em relação aos dois primeiros meses, em que a quebra acumulada era de -29,6% (considerando apenas os dados de Março, a quebra é de -11,4%) – de que resultou a despromoção de Angola, de 4º cliente em 2014 para 6º cliente em 2015.
  8. Em suma, boas notícias, de um modo geral, mas é preciso que os próximos 3 trimestres confirmem esta evolução positiva…já todos sabemos que, pelo menos por parte da magnífica TAP, tudo será feito no sentido de que esta evolução seja travada…

7 comentários:

Luis Franco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luis Franco disse...

Gostava de saber, ao serviço de quem, está o sindicato dos pilotos da TAP.
Certamente não é ao serviço dos pilotos, não é ao serviço dos outro trabalhadores da TAP, não é ao serviço do País.
Será ao serviço de algum dos candidatos à compra, será ao serviço alguma seita secreta, de algum partido politico, alguma central sindical? ou pior ainda ao serviço de alguma empresa concorrente? ou de alguma potencia estrangeira inimiga?
Seja como for são um traidores aos colegas, à empresa e ao País.

Carlos Sério disse...

Pobres dos beatos dogmáticos neoliberais que se contentam com tão pouco.

Le volume des ventes du commerce de détail (06.05.2015)
Parmi les États membres,… les baisses les plus marquées au Portugal (-3,5%), en Slovénie (-2, 8%) et en Allemagne (-2,3%).

La production dans le secteur de la construcion (20.04.2015)
Parmi les États membres,… les baisses les plus marquées on été observées aen Portugal (-2,2%)

Tavares Moreira disse...

Caro Luís Franco,

Uma boa pergunta, á qual, todavia, não estou em condições de responder; pode aliás suceder que se encontrem, tão somente, ao serviço deles próprios...
Mas confesso não saber.

João Pires da Cruz disse...

Realmente, como se pode aceitar um sindicato que esteja ao serviço dos seus associados e não a lutar contra as políticas austeritaristas...

Boas notícias e interessante esse efeito de hedging que as relações comerciais com Angola têm relativamente ao preço do petróleo.

Há uma coisa que ainda não percebi quanto ao investimento público para gerar emprego. Os desempregados têm alvarás de construção, é?

Pinho Cardão disse...

Caro Carlos Sério:
Pois é. Dados não faltam.
Vendas da Cimpor para o mercado português, 1º trimestre de 2015: mais cerca de 5%, em relação ao período homólogo. Este valor já aumentou em Abril.
E creio que tudo vai dar ao PIB, que aumenta, e ao desemprego, que vai diminuindo. Ou não?
Ficamos satisfeitos? Não. Mas não podemos ser assim negativistas como o meu amigo.

Tavares Moreira disse...

Caro Pires da Cruz,

O caso de Angola é típico das economias que se encontram dependentes da exportação de um só produto: a exportação de ramas de petróleo vale cerca de 97% das exportações de bens em Angola (embora em % do PIB a actividade petrolífera não represente mais de 40%).
Quando o preço do petróleo cai acentuadamente, como aconteceu a partir do final do 3º trimestre de 2014, as receitas das exportações acompanham essa queda e a venda de divisas ao mercado (bancos), por parte do BNA (quase monopolista na compra) é muito menor, do que resulta uma escassez de divisas para liquidar importações...
A recuperação do preço do petróleo a partir de Março em especial já permitiu alguma melhoria, mas ainda insuficiente para atingir, por exemplo, um nível de compras a Portugal idêntico ao registado em 2014.
Mas é provável que se verifique uma atenuação da queda ao longo dos próximos meses, assim o preço do petróleo se aguente aos níveis do presente.

Caro Pinho Cardão,

Essa paciente pedagogia, que hoje poderia ser reforçada com as notícias da variação do PIB no 1º trimestre de 2015, faz recordar a velha expressão "malhar em ferro frio"...