Número total de visualizações de página

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Grécia de volta à recessão...e a "banha da cobra" do Syriza


1. A informação hoje divulgada quanto ao desempenho das economias europeias no 1º trimestre de 2015 mostra, em claro contraste face a uma melhoria generalizada, a economia da Grécia de volta à recessão, após dois trimestres sucessivos de variação negativa do PIB (em cadeia).

2. Ao mesmo tempo, vai -se sabendo que as finanças públicas gregas têm vindo a evidenciar forte deterioração, sendo mesmo expectável que o saldo orçamental primário, positivo em 2014 pela primeira vez, se venha converter em negativo em 2015, tornando cada mais difícil a almejada redução do nível da dívida pública grega (a atingir cerca de 180% do PIB) e dificultando a viabilidade de um acordo com os seus credores…

3….sendo certo que este agravamento das finanças públicas se deve à quebra acentuada da receita fiscal (os gregos estão a fugir ao fisco como há muito não se veria) e aos esforços no sentido do descontrolo da despesa, que parecem estar a resultar…

4. A situação do tesouro público, por sua vez, como tem sido notícia quase diariamente, abeira-se da exaustão completa – a situação de cofres vazios parece ser uma realidade cada vez mais “dura”, os responsáveis gregos aguardam a todo o momento algum adiantamento do Eurogrupo, no pressuposto realista de que este aceite como contrapartida umas tiradas de mau gosto do “velho” Varoufakis…

5. As notícias que chegam de Atenas nos últimos dias dão conta de uma coligação governamental perfeitamente à deriva, incapaz de consensualizar um rumo para a sua política económica – supostamente os radicais  opõem-se ferozmente a qualquer acordo viável com o Eurogrupo, parecem preferir lançar o País na ruína económica e financeira e num provável caos social e político…

6. Quando me recordo das promessas do Syriza, no sentido de construir uma economia mais próspera e mais justa, rejeitando os horrores da austeridade e as práticas neo-liberais, fico com a noção de que tudo não passou da venda da mais vulgar “banha da cobra”…

7. Vulgar, certamente, mas vendida a um preço que os gregos nunca imaginariam fosse tão elevado…

12 comentários:

Zuricher disse...

Qualquer pessoa com um rudimentar conhecimento de história sabe que era banha da cobra. Os eleitores Gregos votaram esta gente para o governo. Pois muito bem, albarda-se o burro à vontade do dono... sendo muito certo que quando o burro morrer que não se queixe o dono.

No fim acaba por bater tudo no mesmo: comunismo, a destruir países e sociedades desde 1917.

Carlos Sério disse...

Chegou a hora de findarmos a enrolação anestesiante das “negociações indo bem” e dos "acordos a caminho".

Chegou a hora de acabar com as sonháticas referências às "soluções mutuamente vantajosas" e aos "parceiros" com quem somos supostamente “proprietários conjuntos da União Europeia”.

Chegou a hora de revelar à opinião publica grega e internacional os dados que exporiam a implacável guerra travada contra o governo grego.

Sobretudo, finalmente chegou a hora de preparar-se política, técnica e culturalmente para a única solução honrada: despedir-se da intransigência neoliberal.

Chegou a hora de tornar concreto o conteúdo e explicar a viabilidade da proposta alternativa, começando com a iniciativa dupla de uma suspensão de pagamentos aos credores e a nacionalização dos bancos e progredir, se necessário, à escolha de uma moeda nacional, aprovada pelo público por meio de um referendo popular.

Chegou a hora de propostas sérias e resolutas. Desastre e redenção encontram-se lado a lado.

Chegou a hora de reagir.
_____

Stathis Kouvelakis ensina teoria política no King’s College de Londres. Pertence ao comitê central do Syriza.

Carlos Sério disse...

Em Portugal o défice orçamental atingiu o valor de 4,5% do PIB em 2014 com um saldo primário de 0,3% do PIB. (Proposta ORÇ.2015)
O défice orçamental da Grécia atingiu os 3,5% do PIB em 2014, com um saldo primário positivo de 0,4% do PIB.

A Grécia terá este ano e no próximo o melhor saldo orçamental da Europa, devendo registar um excedente público de 1,1% em 2015 e de 1,6% do produto interno bruto (PIB) em 2016. Melhor do que a Alemanha, inclusive. E em termos de crescimento, terá um dos melhores ritmos de retoma real da Europa este ano e o maior em 2016, indica a Comissão Europeia. Problema: a dívida pública de 170% do PIB. (http://www.dinheirovivo.pt/Economia/interior.aspx?content_id=4384488)

João Pires da Cruz disse...

Eu até concordo que os gregos paguem o preço. Podiam ser cultos e educados. Escolherem ser burros e achar que um conjunto de números cuidadosamente escollhidos podem mudar a realidade. Burros sejam. Pobres sejam. E contratem os Boaventuras todos que a europa da fartura criou, para poupar a paciência aos outros.

Bartolomeu disse...

Só não entendo porque motivo o presidente grego ainda não pediu uma audiência privada à nossa presidenta da república, pedindo-lhe que interceda pelos gregos, junto a instâncias divinas. Não esquecer que o próprio presidente, há um ano, fez questão de mencionar esse dom metafísico da mulher, aquando da última avaliação da troika.

Zuricher disse...

Eh lá, isto que o Cruz acaba de dizer é que é uma excelente ideia! Exportar lá aquela coisa de Coimbra toda para a Grécia. Esse lixo vai todo para lá e as pessoas poderão assim viver tranquilamente sem parvos a zanzar por perto e a desestabilizar.

Isso sim, Cruz, é uma ideia com valor! E muito!

Tavares Moreira disse...

Caro Zuricher,

Embora nem todos os membros da coligação governamental grega tenham essa filiação, os que lá estão, mesmo em minoria, parecem ter um poder deletério considerável...de modo que o seu comentário terá por certo uma boa aderência á realidade!

Caro Pires da Cruz,

A exportação que sugere, de "produtos" tóxicos, teria de ser certificada internacionalmente, não sei se seria exequível...a menos que os gregos demonstrassem a utilidade pública urgente de tal colaboração (considerando, nomeadamente, que os bravos do Syriza, que já lá estão, ainda não conseguiram destruir valor em quantidade suficiente para erradicar de vez o neoliberalismo).

Caro Bartolomeu,

Sempre a procurar desviar a atenção do essencial...o meu preclaro amigo evidencia uma necessidade aguda de tratamento FUSIONAL...vamos a isso!

Bartolomeu disse...

Mas, o que entende o meu estimado amigo Dr. Tavares Moreira, no caso em apreço, como sendo o essencial?
-A renegociação da dívida grega?
-Um novo perdão de parte (uma boa parte) da dívida grega?
-Nova encenação e mais uma visita ao presidente russo?
-Ou... um referendo e o possível abandono do euro?
-Ou do euro e da UE?

Tavares Moreira disse...

Caro Bartolomeu,

O essencial é, sem tirar nem por, o que está vertido neste Post.
Amigo abraço.

Bartolomeu disse...

Em suma; tudo aquilo que elenquei.
Agora, outro assunto, se me permite, caro Dr. Tavares Moreira: o nosso comentador Zuricher irá desta vez juntar-se aos quartarepublicanos no Fuso?
Eu, e penso que os demais se sentiriam honrados com a sua aderência. Além de que, gostaria de aproveitar a sua vinda para o convidar a apreciar uma pista de comboios eléctricos "Marklin" que estou há algum tempo a tentar recuperar. A tarefa tem sido árdua e dispendiosa mas, ao contrário da TAP, na minha ótica, merece o empenho. Tenho 8 composições adquiridas em diferentes épocas, todas originais e todas recuperadas mecânicamente, sendo que a mais antiga data de há 65 anos e foi adquirida diretamente na Alemanha; Trata-se do TGV da altura. Penso que o nosso amigo Zuricher iria gostar de ver este brinquedo. ;)

Zuricher disse...

Caro Bartolomeu, teria todo o prazer e a honra de juntar-me a tão distintos comensais seria toda minha. Várias vezes ao assistir às combinações e elogios sobre o Fuso penso que gostaria de participar. Porém, estou a mais de 1000km daí pelo que torna-se fisicamente impossivel a minha presença.

Iria gostar realmente muito de ver os modelos Marklin que está a recuperar. É material de imensa qualidade e que vale bem a pena. Lamentavelmente terá que ficar para um futuro que, espero, será próximo.

Bartolomeu disse...

Caro Zuricher,
Nesse futuro, que esperamos seja próximo, verá talvez a pista em complet a perfeito funcionamento (se o engenho e a arte me assistirem). E oportunidades para nos reunirmos, de preferência, para além da saudável confraternização,o saboroso manjar, não irão faltar. ;)