Número total de visualizações de página

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

É mentira, face ao Orçamento, a diminuição da carga fiscal

Algum dos membros do governo todos os dias, Mário Centeno quase todos os dias, e ainda hoje  António Costa, afirmam publicamente que a carga fiscal diminui em 2017. 
Mas, a avaliar pelo documento formal que eles produziram e apresentaram, o OE para 2017, é preciso dizer, em nome da decência, que tal não é verdade.
De facto, segundo o próprio OE para 2017 (Quadro III.4.1-Contas da Administração Pública, Contabilidade Nacional, página 46 do Relatório), a soma da receita fiscal com as contribuições sociais atinge o valor de 36,6% do PIB, tanto em 2016 como em 2017. Para já não falar na “outra receita corrente”, onde se incluem pagamentos por utilização de serviços públicos, que apresenta um aumento de 600 milhões de euros, passando de 2,4% para 2,7% do PIB.  Para além de pagarmos a existência de serviços públicos nos impostos, pagamos ainda quando precisamos de os utilizar. Mas isto não é imposto, é pagamento de serviço!... 
Bom, e é preciso que o PIB cumpra o crescimento nominal previsto de 3%, algo a suscitar a maior das desconfianças, face ao total falhanço das estimativas da geringonça para 2016.

8 comentários:

Alberto Sampaio disse...

Caro Pinho Cardão,
É uma vergonha!
Se a UE não obrigasse a prestar contas, hoje já seria o famoso "regabofe socialista".

murphy V. disse...

Outra aldrabice que vejo Costa, e restante trupe, repetirem incessantemente refere-se ao crescimento do investimento: qualquer pessoa (com o mínimo de bom senso) sabe quantos anos são necessários neste país, desde o momento em que se decide um investimento e esse mesmo investimento chegue ao terreno! O investimento em curso atualmente deve-se a decisões tomadas há 2 - 3 anos atras.
E ainda se gabam de serem os responsáveis pelo impacto dessa atividade no emprego!
O impacto das políticas da geringonca no investimento, só se farão sentir dentro de 2, 3 anos! O imposto que faz falta é para tanto chico espertismo

Manuel Silva disse...

Senhor murphy V.
Vamos ver se nos entendemos:
Afinal, os seus correligionários políticos falam da brutal quebra do investimento.
O senhor critica o Costa pela (na sua opinião) indevida apropriação do aumento do investimento.
Dado que o mesmo não pode ter aumentado e diminuído simultaneamente durante os 11 meses da acção deste governo, fico perplexo: em quem devo acreditar?


murphy V. disse...

Senhor Manuel, vamos desfazer essa perplexidade:
Investimento = Inv público + Inv privado

O investimento privado, cresceu face a 2015. E é sobre este que considero existir aproveitamento político pelo motivo indicado no comentário acima.

O investimento público - e este depende do OE e, por isso, do Governo - é que atingiu mínimos históricos. A meio do ano esta rúbrica estava mais de 200 milhões de € abaixo do executado em 2015.
Recordo que PS, PCP e BE acusavam o anterior governo de um baixíssimo investimento público e que, sem esse investimento, não poderia haver crescimento e emprego...

Enfim, outros tempos!

Manuel Silva disse...

Senhor murphy V.
E quanto havia sido executado pelo anterior governo do anterior Quadro Comunitário?
400 milhões.
Uma pipa de massa como alavanca para o investimento privado (e público também).

murphy V. disse...

Bem visto Manuel,

Talvez Costa se tente apropriar dos números positivos relativamente ao investimento privado, precisamente, para fazer esquecer a incompetência do seu governo na gestão dos fundos comunitários no último ano. Porque foram cancelados alguns investimentos que estavam previstos, inclusivamente de concursos lançados?
http://www.tamegasousa.pt/penafiel-critica-governo-por-ter-adiado-adjudicacao-do-ic35-para-2017-2/


Entretanto, deduzo que a sua perplexidade inicial tenha ficado esclarecida.

Carlos Sério disse...


ALDRABICE É A PROPAGANDA DA DIREITA NEOLIBERAL QUE VAI HAVER AUMENTO DE IMPOSTOS

“A medida que se utiliza para medir a carga fiscal tem como base o PIB, e calcula-se a percentagem que as receitas fiscais representam em relação ao PIB.
A carga fiscal, medida em percentagem do PIB, não aumenta em Portugal em 2017, até diminui embora de uma forma irrisória (o peso dos impostos diminui, entre 2016 e 2017, de 25,01% para 24,96% do PIB)

Mesmo uma análise mais fina confirma que, em 2017, verificar-se-á uma redução,
Entre 2016 e 2017, o peso dos impostos diretos (IRS e IRC), medido em percentagem do PIB, diminuirá em 1,4%, e o peso dos impostos indiretos (imposto sobre os combustíveis, IVA, sobre veículos, sobre o tabaco, impostos de selo, etc.) diminuirá também, em percentagem do PIB, 2,1%. E tenha-se presente que o aumento de 0,3% na receita de IRS é causado pela reposição da totalidade dos cortes das remunerações dos trabalhadores da Função Pública, cortes esses que depois pagam IRS”.

Alberto Sampaio disse...

Os números do governo que dizem não haver aumento são fantasiosos, ou muito duvidosos. Baseiam-se em crescimento esperado, inflação e mais não sei o quê. Basta fazer estimativas mal feitas, como é costume, e tudo bate certo. É a folha de cálculo. A realidade é outra.