Número total de visualizações de página

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Governar em modo de aposta em casino

Uns apostam no totoloto, outros na lotaria, há muito por onde escolher da enorme lista de jogos de sorte e azar. Os mais temerários apostam na roleta do casino. A probabilidade de ganho é diminuta, muitos endividam-se, poucos enriquecem.  
À falta de estratégia, que exige pensar e dá trabalho, o governo PS, numa pitoresca aplicação prática da lei do menor esforço, resolveu também apostar, apostar no crescimento, esperando que do simples lançar dos dados resultasse ganho abundante e riqueza generalizada. 
Faz um ano em que a publicitação da aposta atingiu o auge, aliás sem convencer os portugueses.  
Passado um ano, continuam a apostar, mas o crescimento que se verificou, e em abundância, foi na dívida. No jogo, o azar é nosso, que eles andam felizes, governando o país em modo de aposta em casino.

5 comentários:

Terry Malloy disse...

É preciso delimitar adequadamente o conceito de "nosso" azar. Se a economia cresce menos de 1%, mas a dívida cresce mais de 5% (e ainda só lá vão 9 meses de 2016...), penso que o país não tem azar nenhum, pois aí está, cantando e rindo, cheio de afectos.
Não tem azar. Tem o que merece, como dizia o Sena.

Carlos Sério disse...

Uns apostam no totoloto. Outros apostam na desgraça, metem medo às pessoas, andam de noite nas ruas vestidos de lençóis brancos a bracejar, aos urros indecifráveis de difícil percepção, ameaçando com o Diabo e o fim do mundo. A estratégia do medo sempre foi a sua prática e o seu seguro. Para eles, em linguagem PàFiana, “as pessoas devem viver pior para que a economia (quer dizer os ricos e super-ricos, prá aí uns 3% dos portugueses) viva melhor”.

A sua estratégia é de uma linearidade infantil – cortes nas pensões, salários e aumento de impostos sobre o trabalho e o resto é deixar que os “mercados” funcionem por si. E, se os mercados se mostrarem avessos e descontrolados, mais cortes é a receita. 600.000 de cortes nas pensões para 2016 e o resto que se adivinha.
Pouco lhes importa que as pessoas vivam um pouco melhor agora, que o emprego esteja a crescer, que o desemprego esteja a descer, que o Défice esteja abaixo dos 3%, que as vendas na Construção e a Retalho estejam em aumento sustentado, que o Saldo Primário registe excedentes, que os indicadores económicos estejam a subir, não, nada disto vale, para eles agarram-se que nem lapas ao Crescimento Economico que não é o projectado de 1,8% mas de apenas 1,2%.
Valha-lhes Deus e o Diabo.


Alberto Sampaio disse...

Qualquer dia já não vale a pena comentar o que este governo faz porque é descer ao nível da porcaria e fica-se deprimido com tanta asneira governativa.
Ainda por cima temos as pessoas pouco sérias que consideram que continuar a crescer abaixo da média é bom, ou que se se crescer num ano um pouco mais (quando não se cresceu realmente durante alguns 15 ou 20) basta para celebrar vitória e voltar a enganar os Portugueses dando-lhes uma cenourinha.

Por falar nisso, ainda não vi o ps, o bloco e o pcp a falarem sobre as eleições no Brasil. Devem estar engasgados, afinal os Petralhas estão em queda. Adivinha: Porque é que a corrupção no exercício do poder anda à volta da esquerda? Porque um estado gordo tem mais para roubar.

Pinho Cardão disse...

Claro, um Estado gordo e burocrático é um paraíso para a corrupção.

Gaudêncio Figueira disse...

Um Estado assente nestes pés de barro não vai longe.
http://paraisoehades.blogspot.pt/2016/10/vem-ai-bosnia-aparasitagem-da-nossa.html