Número total de visualizações de página

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Da série ´espuma dos dias´


Não entendo a indignação que vai por aí por causa do pesar pela morte de Fidel Castro votado na AR. A meus olhos, em especial o PCP mostrou uma enorme congruência com o seu ideário político. Tal como para mim demonstram absoluta coerência os dirigentes comunistas quando abertamente elogiam o regime e o líder da Coreia do Norte. Nada de extraordinário ocorreu, portanto. Mas por outro lado, os que na AR acompanharam o PCP no pesar, seja na forma em que o PCP propôs o voto ou noutras formulações mais na ferradura, não criam convicção capaz de apagar o juízo que a História fará do personagem. No tribunal da História, um torcionário não deixa de o ser porque alguns se manifestam penalizados pelo seu desaparecimento. Continuará a sê-lo porque existem provas concludentes de atentados por si perpetrados contra os mais elementares direitos da humanidade. Proclamações como as que foram feitas no parlamento podem ter efeito branqueador, mas felizmente momentâneo e intrinsecamente insignificante.

25 comentários:

opjj disse...

Num concerto dos Carreira, conheci uma senhora que tinha ido a CUBA fazer uma operação ás cataratas por conta duma Câmara do Algarve. Disse-me esta Senhora que o médico que a operou não tinha dinheiro para comprar bonecas para as suas duas filhas, pelo que lhe enviou duas bonecas. Mais, que o convidou para vir para Portugal oferecendo-lhe casa e que este recusou porque lhe era vedada tal possibilidade.

Bartolomeu disse...

É lamentável que os deputados da AR não aprovem um voto de pesar pelas vítimas dos interesses económicos das multi nacionais, aquelas intocáveis e prosperas empresas que produzem e vendem tabaco, as que se dedicam à produção e venda de produtos químicos que compõem as rações dadas aos animais para consumo humano, com o fim de os engordar e fazer atingir o tamanho e peso de forma acelerada, as que se dedicam à produção e venda de produtos químicos para uso agrícola e mais um batalhão de outras que causam poluição ambiental que destrói a fauna e a flora, causa doenças graves e consequentemente, a morte.
É lamentável que os deputados da AR não aprovem legislação que impeça estas empresas de continuar a arrogar-se o direito de dispor da vida e da morte impunemente.
É lamentável que tenhamos de esperar pelo julgamento da História...

Pinho Cardão disse...

Caro Ferreira de Almeida:
Mais uma vez, de acordo. O homem foi um torcionário, um tirano, um assassino, um ditador. Perante os cidadãos do seu país, e com Che Guevara, tinha o lema: na dúvida ( de acompanharem ou não a sua revolução), mata-se.
De facto, a esquerda torna tudo branco.

Caro Bartolomeu:
Por exclusão de partes, concluo que os charutos fazem bem à saúde e que as empresas públicas cubanas que se dedicam ao produto são benfeitoras da humanidade. Conclusão errada?

Alberto Sampaio disse...

Caro Bartolomeu,

as pessoas devem informar-se e ser informadas. Devemos procurar o melhor para a saúde, sim. Mas note que a esperança de vida tem vindo a aumentar, apesar dos pesticidas, etc. Como já deve ter notado, sou completamente contra a ideia de o estado ser o nosso "pai" ou "educador". Aliás, com a crítica que faz julgo que considera esses politicos incapazes de tal. É por os achar incapazes de tal, que defendo que o parlamento devia ter menos gente, que a fórmula eleitoral devia ser revista, que o estado devia ser mais pequeno, etc. Se me permite ainda julgo que se o estado fosse mais pequeno e muito menos interventivo não perderíamos tanto tempo a discutir o que ele anda a fazer e, isto é interessante, estaríamos muito mais informados sobre o que ele faz, visto fazer menos. Assim, está sempre a fazer o que não lhe pedimos e a criar clientelas.

Caro Ferreira de Almeida,
O parlamento apenas se envergonhou a ele próprio e os media que não criticaram igualmente.


Bartolomeu disse...

Essa conclusão é no mínimo absurda, caro Dr. Pinho Cardão.
Creio que terá percebido perfeitamente o alcance do meu comentário em que não menciono qualquer exclusão. Desde que seja atentatório da saúde pública e do ambiente, venha de onde vier, é mau e precisa ser eliminado.

Bartolomeu disse...

Caro Sampaio, a estatísticas do INE dizem isso, que a esperança de vida aumentou exponencialmente, estamos a chegar ao limiar da imortalidade.
As farmacêuticas estão a aumentar os lucros. Os laboratórios produzem vírus, infectam populações e vendem os medicamentos que os tratam.
Parece-me que as ditaduras não são um exclusivo dos personagens que a História registou ao longo dos séculos...

Freire de Andrade disse...

Caro Bartolomeu,
Como concluiu que "Os laboratórios produzem vírus, infectam populações"? Que laboratórios são esses? São os governos e as agências de supervisão de saúde, como a FDA nos EUA, a EMA na Europa e o INFARMED em Portugal, coniventes com esse crime?
Só mais observações de pormenor: Sabe o que é um aumento exponencial? Claro que a História registou ao longo dos séculos muitos regimes além de ditaduras: registou também democracias.

Bartolomeu disse...

Caro Freire,
Por exemplo: a OMS e outras organizações internacionais que se preocupam com as questões ambientais, denunciaram já inúmeras vezes esses atentados que referi.
Um aumento exponencial, é um aumento em grande escala, de elevado expoente, o qual nos querem fazer aceitar como sendo um milagre da ciência em Portugal, com base nas estatísticas do INE.
Há mais alguma questão que me queira colocar?
Terei todo o gosto em elucida-lo e contribuir para que a sua sensibilidade acerca do que se passa no mundo, se apure um pouco mais.
Ao seu dispor.

Fernando Vouga disse...

Caro Zé Mário

Mais palavras para quê? Está cheio de razão.

Suzana Toscano disse...

Cheio de razão. Mas não deixa de ser um exercício esclarecedor ver como há coisas que a "esquerda" branqueia sem hesitar, mesmo a geração mais nova, que já não devia ter dificuldade em livrar -se destes ícones da geração "revolucionária" do passado.

Bartolomeu disse...

Cara Dra. Suzana, relativamente aos ícones e... ás gerações mais novas, de uma forma mais expandida, ou seja, menos concentrada, menos focada numa só figura; tenho uma outra opinião.
Os personagens que se tornaram icónicos para as gerações ao longo do tempo, correspondiam aos anseios dessas gerações e, motivaram ideais de vária ordem.
Actualmente, os ideais morreram, até as utopias que muitas vezes lhes davam origem, morreram com eles.
As gerações mais novas, vivem hoje para o dia-a-dia e para o prazer imediato, não perspectivam o futuro, não os move qualquer ideal comum, liderado por um ícone.
Por este motivo, penso: as reformas sociais não são feitas, os paradigmas, se existem, têm uma forma indecifrável, contornos indefinidos, não motivam.
Mesmo correndo o risco de (como se verificou em muitos casos) os ícones que os ideais geraram venham depois a transformar-se em ditadores - situação recorrente e decorrente do poder que passam a deter - a sua existência acaba por ter um efeito benéfico a nível das sociedades, gera uma dinâmica que dá lugar a movimentos sociais e intelectuais, tira as pessoas do amorfismo e fá-las olhar mais para si próprias e para os outros.
Sociedades perfeitas não existem no nosso planeta mas, existindo ícones, existindo ideais, existe também o sonho de as construir e alcançar.
Conhecemos perfeitamente as atrocidades que Fidel cometeu contra o povo cubano, as arbitrariedades e a opressão.
Mas hoje, após a sua morte, assistimos nas televisões ás manifestações de pesar que os cubanos nas várias cidades por onde o cortejo fúnebre vai passando, lhe rendem.
Esta realidade faz-nos confrontar a nós próprios com a realidade que vivemos após a "revolução dos cravos". Quantos portugueses viveram a utopia de que a partir daquele dia passariam a viver em liberdade, a poder expressar-se livremente, a poder votar livremente, a poder informar-se livremente, quantos portugueses acreditaram na justiça de direitos iguais, da repartição da riqueza, do acesso ao ensino para todos, e quantos portugueses se foram desiludindo de alcançar esses ideais quando perceberam que a liberdade afinal era uma utopia e que a ditadura fascista se transformou numa ditadura liberal?

Alberto Sampaio disse...

Caro Bartolomeu,
Tenho de discordar. "Ditadura liberal"? Em Portugal nao existe qualquer partido liberal.
Se o regime fosse liberal, nao haveria impostos e se os houvesse teriam outra dimensao.
Se fosse liberal, a propriedade privada obtida por meios honestos seria possível. Na realidade nao existe. Sou obrigado a pagar uma renda anual ao estado pela minha casa. Como sou obrigado, é muito difícil dizer que a casa é Minha, apesar de ser produto do meu trabalho honesto.
Concordo que vivemos numa espécie de ditadura, mas a do estado. Ou quando muito do estado e dos interesses que serve, ou que o servem, que sao tudo menos liberais.

Compreendo o seu desanimo, mas nao atribua as culpas a quem nao as tem. Quem nos governa nao tem nada de liberal como tentei explicar de forma breve.

Bartolomeu disse...

Caro Sampaio,
Por não existir respeito pela liberdade individual no nosso pais, foi a razão porque acrescentei ditadura ao termo liberal.
Também discordo do pagamento da renda que refere, assim como de muitas outras. E discordo, não por serem impostas, mas por não servirem o propósito de contribuição para o bem social que deu origem ã sua existência.
De resto, não encontro forma de num regime liberal, os impostos poderem ser abolidos; sobretudo porque, como já referi, não existem sociedades perfeitas.

Rui Fonseca disse...


De um amigo às direitas, mas de esquerda, recebi um e-mail que,
para desafio da pachorra dos vossos comentários discordantes, transcrevo sem tirar nem pôr:

"O mundo perde o mais sábio de todos.
Não é qualquer um com 20 homens a desafiar o império americano.
Não é qualquer um que elimina o analfabetismo em um ano.
Não é qualquer um que baixa a mortalidade infantil de 42 % para 4 %.
Não é qualquer um que faz mais de 130 mil médicos, garantindo 1 médico por cada 130 pessoas, com o maior índice de médicos per capita do mundo.
Não é qualquer um que cria a maior faculdade de medicina do mundo, graduando 1500 médicos estrangeiros por ano, com 25.000 médicos formados de 84 nações.
Não é qualquer um que envia mais de 30 mil médicos para trabalhar em mais de 68 países do mundo somando cerca de 600.000 Missões.
Não é qualquer um que consegue ser a única nação latino-Americana sem desnutrição infantil.
Não é qualquer um que consegue ser o único país da América Latina sem problema de drogas.
Não é qualquer um que consegue 100 % de escolarização.
Não é qualquer um que pode circular no seu país sem ver uma criança a dormir na rua.
Não é qualquer um que consegue ser o único país do mundo que cumpre a sustentabilidade ecológica.
Não é qualquer um que faça com que a sua população tenha 79 anos de esperança de vida ao nascer.
Não é qualquer um que cria vacinas contra o câncer.
Não é qualquer um que consegue ter a maior quantidade de medalhas olímpicas da América Latina.
Não é qualquer um que sobrevive a mais de 600 atentados contra sua vida e a 11 presidentes americanos tentando derrubá-lo.
Não é qualquer um que sobrevive a 50 anos de bloqueio e guerra económica.
Não é qualquer um que chega aos 90 anos, com tanto protagonismo na história mundial.
Amado por milhões. Incompreendido por outros quantos. O que não pode fazer ninguém, é ignorá-lo."

Alberto Sampaio disse...

Caro Rui Fonseca,
o problema é ser apenas propaganda, misturada com mentiras óbvias. Ficámos a saber o nível de permissividade de um comunista à propaganda dos seus líderes. Isso é que é impressionante.
Se alguém quiser ter a maçada de se informar, ficará a saber o que era Cuba antes do assassino. Era governada por outro assassino, mas era muito mais desenvolvida.
Hoje, sabemos que é um País com mais miséria do que a que existia antes do socialismo/comunismo.

Alberto Sampaio disse...

Caro Bartolomeu,
Talvez lhe interesse ;-)
http://sicnoticias.sapo.pt/opiniao/2016-12-01-Golpe-do-regime-na-Caixa-Geral-de-Depositos

Rui Fonseca disse...


Obrigado Alberto Sampaio pelo seu comentário.
Mas, para minha elucidação, e poder também iluminar o amigo que me enviou o texto, pode o Alberto Sampaio dizer-me, sff., o que é que é mentira na lista de sucessos do ditador Fidel.

Alberto Sampaio disse...

Caro Rui Fonseca,
a questao é: Quais dessas sao verdade? Eu ajudo. Medalhas nos jogos Olímpicos.

Alberto Sampaio disse...

Caro Rui Fonseca, Na lista também falta referir outro feito: participou na matança de um milhao de Angolanos.

rui f. disse...



Obrigado Alberto Sampaio.

Contudo, eu tinha-lhe pedido o que era mentira. Posso deduzir que, da lista, salvo as medalhas olímpicas, o resto é mentira?

Alberto Sampaio disse...

A grande mentira é considerar que Cuba era um País atrasado antes da Revoluçao. A partir daí tudo o que se di que alcançou é mentira. Cuba antes da revoluçao era considerado o País mais desenvolvido da América. Um dos casos era a mortalidade infantil, abaixo das restantes. A propaganda comunista disse que era o contrário e ficou resolvido.... Quanto ao embargo (que era apenas dos EUA, note a contradiçao. O embargo era bom ou mau? Nao dizem que o País nao tem droga? Entao podem agradecer aos EUA. Outro, se é tao bom porque é que tantos (perto de um milhao?) deixou a ilha? Quer dizer que havia 1 milhao de capitalistas exploradores? Entao era o País mais rico do mundo, etc., etc..

Alberto Sampaio disse...

Caro Rui Fonseca,
para terminar o assunto. Vamos supor que isso era verdade, sabemos que nao é, Fidel nao deixaria de ser assassino e opressor. Isso ele será sempre, acredite-se ou nao nos avanços.
Já agora uma diferença entre hitler e fidel. O primeiro recebeu votos em eleiçoes lires e o outro nao (mas esteve no poder quase 60 anos) ;-)

Alberto Sampaio disse...

Caro Rui Fonseca, também pode dar a ler ao seu amigo esta carta.
http://www.theclinic.cl/2010/06/26/carta-de-un-cubano-en-chile/
ou o link acerca da fortuna do bandido que coloquei noutro post

Alberto Sampaio disse...

Ou ainda melhor o que fidel disse acerca do comunismo em 59 (nao tenho a fonte):

"El comunismo es una dictadura de clase, y yo he luchado toda mi vida contra las dictaduras. Por eso no soy comunista. El comunismo predica el odio de clases, la lucha de clases, y yo estoy contra de eso. No se puede confiar en los comunistas".

Como nao conseguiu o apoio dos EUA virou-se para a uniao sovietica. Ironias do destino, seria adorado por milhoes.
Outra ironia é o guevara que alimenta a industria capitalista.

Alberto Sampaio disse...

Para quem nao gostar de hitler sugiro uma historia com humor:

http://c-ponto.blogspot.pt/2016/12/achtung-baby.html