Número total de visualizações de páginas

quarta-feira, 19 de abril de 2006

E não se consegue exterminá-los?

Nem de propósito, a Assembleia da República levou ontem a efeito um Colóquio subordinado ao tema Ética e Política.
Segundo ouvi na rádio, estiveram presentes, por junto, 12 deputados, o que me levou a pensar que os outros 213 ou ligam pouco à ética, e estamos mal servidos, ou ligam pouco à política, e erraram a profissão ou, pura e simplesmente, ignoram uma coisa e outra, e então estamos entregues aos bichos, como aliás supunha!...
Mas, entre os Deputados que participaram, um houve que disse, em tom grandiloquente e emocionado, que as faltas dos Deputados na quarta-feira antes da Páscoa não teriam acontecido se a Assembleia tivesse encerrado, como devia!...
Afirmação verdadeiramente espantosa, para mais vinda de alguém que é Vice-Presidente da Assembleia, não de um qualquer bairro ou freguesia, mas da Assembleia da República, ela mesma.
Boa maneira de resolver os problemas!...
A seguir este exemplo, as empresas deviam fechar, e estava resolvido o problema do absentismo, o IC 19 devia encerrar, e estava resolvido o problema das filas de trânsito, etc, etc.
Bem servido está o povo com estes representantes!...

10 comentários:

Massano Cardoso disse...

É o consegues! Não se esqueça, caro Pinho Cardão, que na AR pairam, infelizmente, muitos exterminadores. E de gabarito.
Mas a este propósito gostaria de realçar e felicitar todos os deputados que estiveram no Parlamento e não abandonaram o navio. Afinal, também há deputados respeitadores e cumpridores das suas obrigações. Relativamente a estes nem uma palavra de apreço. Poderão argumentar: não fizeram mais do que a sua obrigação! É verdade que sim. Mas quem cumpre deve ser respeitado e não nos fica mal identificar-nos com esses representantes do povo. Não são ainda a maioria, mas um dia serão...

António Viriato disse...

Há, de facto, comentários de Deputados verdadeiramente desconcertantes, os comentários... e eles, os Deputados, também, diria. Como o daquele que culpou a actual Maioria de não ter assegurado o necessário quórum, como a anterior sempre acautelara.Com intervenções destas, o PSD não ganhará tão depressa a credibilidade tão desejada...

O Reformista disse...

É chocante que quem falou de tão aLto sobre as férias judiciais agora queira para si férias da Páscoa.
Um dos problemas é o facto do parlamento se ter tornado uma casa fechada isolada da sociedade.
Os circulos uninominais , como têm sido propostos irão agravar mais o problema em vez de o resolver ( os deputados dirão que só têm de responder perante os "seus" eleitores.
Por outro lado é justo reconhecer que ser deputado não é uma situação profissional comum uma vez que obriga a viver deslocado com sacrifícios pessoais e familiares.
No meu livro (cada vez mais próximo de sair)alerto para todas estas questões e porponho soluções.

Virus disse...

Brilhante ideia... e para acabar com o problema da fuga aos impostos o melhor é acabar com a DGCI e o Ministério das Finanças...

Pinho Cardão disse...

Meus Caros:
Dizia um ilustre Presidente do Conselho de Administração de uma empresa a que pertenci que "todos temos direito a um momento de burrice...".
Claro que cada um dos deputados, individualmente considerado, também tem esse direito; como tal, até posso desculpar o deslize individual do deputado que sugeriu o encerramento da Assembleia na Páscoa( que é um deputado trabalhador e correcto) para evitar as faltas, mas já não é desculpável a falta colectiva.

Anthrax disse...

Dizia um professor meu que: «A estupidez é um direito, não uma obrigação» e isto vai um pouco no seguimento do «todos temos direito a um momento de burrice».

A questão é que ainda que tenhamos direito, tanto à estupidez como à burrice, o exercício do mesmo depende da relevância da função que se ocupa.

Também se costuma dizer que o exemplo vem de cima. Logo, com exemplos destes quem são eles para exigir, decidir ou legislar sobre o que quer que seja? Os fiéis resistentes que não se baldaram como os outros, estão - de facto - de parabéns. Mas a criatura que emitiu esse comentário infeliz demonstrou uma grande fragilidade de carácter.

Eu sei que o comentário dá vontade de gozar por tão ridículo que é, mas hoje estou sentimentalista e achei verdadeiramente triste termos de ser governados por "defs" como este.

trainzeiro disse...

Os que votaram a favor do Regimento da AR são os verdadeiros culpados de tudo o que lá se passa.
Mas o que votaram contra não denunciaram convenientemente para o povo soubesse da pouca vergonha.
Ai Camilo, tens de escrever tudo outra vez?

Carlos Monteiro disse...

Tenho uma ideia que enquanto lhes pagarem salários, eles continuarão a comportar-se como assalariados.

João Melo disse...

os outros 218 deputados caro pinho cardão..são 230 deputados...

Pinho Cardão disse...

É verdade...são mais cinco!...