Número total de visualizações de páginas

quarta-feira, 21 de março de 2007

Caparica

Porque é que ninguém diz ou escreve que os parques de campismo não fazem sentido na orla costeira, seja qual for o ponto de vista, e muito menos ali , na Caparica?
Porque é que ninguém tem coragem para dizer ou escrever que se estão a atirar milhões de euros ao mar sem proveito nem futuro?
Porque é que ninguém pergunta porque é que não se reformulam as prioridades de planeamento do Polis da Costa da Caparica de modo a retirar dali, de imediato, os "campistas" e toda aquela barracaria, reconstituindo o cordão dunar e as valas de escoamento natural antes de qualquer intervenção mais pesada?
Porque é que ninguém questiona sobre o que é feito dos projectos de reformulação dos esporões da Costa da Caparica?

Oxalá não chegue o dia em que, por causa de algum acontecimento fatídico, haja também que perguntar onde param os responsáveis pela ausência de qualquer intervenção séria - e não paliativa, para ilusão da opinião pública - na dezena de locais ao longo da costa onde o risco para pessoas e bens é bem maior do que em S. João da Caparica...

9 comentários:

fatinha disse...

Concordo com o que escreve e acrescento ainda, que para além dos parques de campismo há uma infinidade de construção clandestina, que cresce como cogumelos, sem o mínimo de condições. Aquela zona de S.João da Caparica é uma vergonha para a autarquia de Almada.
Não concordo que se gaste o dinheiro dos meus impostos naquela "imundice".

Anthrax disse...

Mais uma pergunta:

Porque é que agora toda a gente diz "Costa de Caparica" em vez de "Costa da Caparica"?

Será que é mais «in»?

Ok, afinal eram 2 perguntas.

Carlos Sério disse...

Mas afinal, o que terá provocado o desequilíbrio para tão nefasto acontecimento? Quando, há alguns anos atrás, obras costeiras na Trafaria, tiveram como consequência a extinção do areal do Bugio, (uma ilha natural de areia com cerca de mil metros de diâmetro na maré vazia e cerca de trezentos na maré cheia), ninguém se preocupou com os efeitos daí resultantes. Uma única voz, o engenheiro Macário Correia, justiça lhe seja feita, se levantou então contra este atentado ambiental. Nenhum governante, autarca, ou qualquer outro poder instituído se insurgiu ou levantou sequer quaisquer dúvidas sobre a justeza de tais obras, responsáveis pelo que está a acontecer agora na Costa da Caparica.

Todos nós iremos suportar os custos dos trabalhos que decorrem e venham a decorrer, uma vez mais sacrificados pelos interesses privados de alguns e pelo desleixo e incompetência dos governantes.

Carlos Monteiro disse...

Vai mar, força!...

Tonibler disse...

Quando ouvi que a Caparica estava ameaçada pelas "Marés Vivas" pensei que ia ser inundada por louras peitudas de fato de banho vermelho a correr na areia.

Afinal....bah!

Pedro Sérgio disse...

Infelizmente,a revolta e o desagrado têm que começar por algum lado,pela nossa Costa.Temos que ter mais respeito pela Natureza.

Anthrax disse...

Isso é que era fantástico amigo Tóni!...

Se bem que, a correr na praia parece que - de momento - seria um pouco difícil mas, naqueles barquinhos amarelos ou nuns jet-skis, isso é que era bonito...

Pedro Sérgio disse...

Pratico um desporto baseado na Natureza, que a vela, aliás e principalmente, Windsurf, aquele desporto que era tratado numa telenovela portuguesa do anos 80, pelos "meninos do rio".O sitio que pratico é na Lagoa de Albufeira - Meco e espero que o Mar não o destrua.Que não merece!

Pedro Sérgio (Palmela)

Carlos Monteiro disse...

Ó Mar ó Mar, glugluglu, força!...