Número total de visualizações de página

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Santa Apolónia



Rumei em direção a Braga para rever o que já tinha esquecido. Entrei na velha sé e fiquei novamente deslumbrado. Num dos altares laterais, três imagens, que descansavam ao pé de um Sagrado Coração de Jesus, chamaram-me a atenção, uma Rainha Santa, empunhando uma rosa, um São Brás e uma lindíssima Santa Apolónia. As três estatuetas despertaram-me lembranças e algumas emoções. A primeira é a santa padroeira do pessoal feminino da casa, já lá vem de trás a eito. O São Brás comemora-se no dia em que a minha mãe fazia anos e era o seu santo preferido. Volta e não volta apelava ao santo, sobretudo quando adoecia da garganta e dos ouvidos, coisas frequentes da minha infância. Fiquei a conhecê-lo desde muito cedo. Além disso comecei a simpatizar com ele por causa do meu colega de carteira, que se chamava Brás, e sofria de escrófulas horríveis no pescoço que exalavam um pus cremoso e mal cheiroso. Ainda lhe cheguei a perguntar se a mãe não ia em peregrinação ao São Brás por causa disso. Mais tarde é que compreendi a razão, sofria de tuberculose ganglionar. A terceira santa associei-a sempre a Lisboa, à estação dos caminhos de ferro. Adorava ir a Lisboa, ou melhor, o meu pai dizia que ia a Lisboa e eu dizia que ia a Santa Apolónia. Adorava fazer a longa viagem, de muitas horas, e desembarcar naquela gare cheia de movimento e de rituais enquadrados pela beleza arquitectónica que o fumo das locomotivas não conseguia esconder. Por outro lado, para mim era o fim da linha. E ficava satisfeito por saber que a linha terminava ali! Esta estação sempre me seduziu, embora o comportamento dos taxistas me incomodasse. Invariavelmente o chauffeur perguntava, vêm da província? A forma como fazia a pergunta irritava-me solenemente. Até que uma das vezes, já era um terço espigadote, lhe retruquei, não, não vimos da província, vimos de Santa Comba Dão. Sabe onde fica? Quando lhe disse de onde vinha, o senhor encolheu-se, fez o sinal de descobrir a cabeça, que, entretanto, baixara, e disse, vêm da terra do Senhor Presidente do Conselho? Sim, desse provinciano. Provinciano não, o Senhor Presidente não é provinciano Disse com uma voz reverente o taxista. Então se ele não é provinciano, por que razão devemos ser nós? Uma canelada à maneira obrigou-me a interromper o diálogo. E o senhor chauffeur, com sotaque e tiques à lisboeta, a querer substituir as origens rurais, levou-nos num ápice ao destino. 
Hoje, continuo a gostar da estação de Santa Apolónia, sobretudo quando regresso a casa, mas nem por isso deixo de pensar os muitos episódios que ali vi e vivi. Se soubesse na altura que a Santa Apolónia é a protetora dos dentistas, talvez não ficasse muito contente com o seu nome, já que fui um desgraçado com os dentes e com as torturas tipo inquisição a que fui sujeito. Um trauma que não esqueço. 
Ao sair da Sé tropecei num mendigo ajoelhado, e com notórias dificuldades físicas, a tocar o hino de alegria com uma flauta. Apesar da simplicidade o quadro emocionou-me. Tocar o hino de alegria num país triste e ainda por cima por um ser humano que deve desconhecer o significado dessa palavra mais triste fiquei.
Nas lojas em redor a santaria já não é o que era. Pobre, feia e sem qualidade a contrastar com as velhas obras. Um pobreza triste. Mesmo assim, numa vitrina de uma loja vi uma bela Santa Apolónia. Muito diferente das demais, diferente na matéria, madeira almofadada, e no trabalho artístico. Aquilo sim, era verdadeira arte sacra. Perguntei o preço. Obviamente proporcional à qualidade. É a última peça de madeira e a última que o artista fez. Pois, o preço... O senhor olhou-me e viu o meu interesse na peça. Fez um desconto imprevisível e eu nem hesitei. Acabei por adquirir uma Santa Apolónia capaz de fazer inveja à que está na Sé de Braga. Pensei, é a minha loucura de verão. No regresso, o mendigo continuava a tocar a flauta penosamente. Compensei-o. Olhou e disse palavras simpáticas e profundas, mas mais profundas do que as palavras foi o seu olhar, claro, brilhante, intenso a irradiar um pouco de felicidade. Terminou a sua atuação naquele momento. A Santa Apolónia, embrulhada à maneira, não viu, mas ouviu e sentiu.
Como hoje é o dia de anos do meu filho mais novo, que é médico-dentista, ficou desde já destinada a santa, mas só a leva depois de eu desaparecer....   

7 comentários:

Bartolomeu disse...

A Santa Apolónia, padroeira dos dentistas, não devem faltar devotos, evocando a Sua proteção.
Já no que respeita aos assuntos de fertilidade e de gravidez, santos com poder de interceder, devem estar todos na fila para o fundo de desemprego. Se esses santos fossem empresas... ou bancos, estariam com uma cotação no vermelho e com poucas ou nenhumas perspetivas de virem a recuperar posições.
Quanto ao destino da imagem que o caro Professor adquiriu, parece-me que a condição de transmissão que lhe impôs, a impedirá de chegar um dia à posse do seu filho. É que, o Senhor não irá desaparecer, pelo menos, enquanto ele viver. Posso garantir-lho.

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Caro Professor Massano Cardoso
Não sabia que a Santa Apolónia era a padroeira dos dentistas. Os doentes com dores de dentes também precisavam de uma santa padroeira, se precisavam! Felizmente, tenho uma boca razoável. Mas quando tenho que ir ao higienista fazer a limpeza de rotina à boca entro em stress e não durmo.
A estação dos caminhos de ferro é a parte boa. Ainda hoje gosto de nela entrar e recordar os tempos em que viaja de comboio em pequenita com os meus pais e os meus irmãos. Era um ritual, hoje, à distância, comparo uma viagem de comboio naqueles tempos a uma partida para um país do outro lado do mundo!

eirinhas disse...

Em primeiro lugar,quero dizer ao Senhor Doutor que gosto muito de ler os seus textos.
Não fazia ideia nenhuma da sua pessoa mas,hoje,tive o cuidado de ir ao Google consultar alguma coisa da sua vida.Curiosidade,apenas.
Como gosto de o ler,hoje,também gostei daquela estória do taxista de Santa Apolónia, a qual me trouxe à lembrança uma passagem a que assti,há já muitos anos,com os taxistas daquela estação de caminhos de ferro.
Era um domingo à tarde.Havia jogo no Benfica.Eu estava no passeio,junto à grande praça de táxis que se estendia por ali abaixo,a apreciar o panorama.E apercebi-me que os taxistas, que iam chegando para receberem os passageiros vindos do Norte no comboio das 17H00,em vez de pararem junto à frente-lado da Estação,não senhor,iam lá para o fundo,na mira de deixarem sair aqueles passageiros mais leves,isto é,os sem bagagem.
Entretanto,acaba o jogo do Benfica e,eis senão quando,aparece um bando de outros taxistas, acabados de levar os benfiquistas a casa,que começa,com permissão do sinaleiro,a ocupar os espaços deixados na frente,de tal modo,que os de lá debaixo nunca mais se puderam chegar à frente.Eles bem buzinavam,mas o sinaleiro fazia ouvidos de mercador e lá foram todos os passageiros,leves e pesados sem que os ditos conseguissem algum.

MM disse...

Que bom ter o Prof Massano de volta! Ja tinha saudades de o ler e aprender com o que escreve. Bom regresso ao 4R!

Diogo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diogo disse...

Caro Dr.

Tenho lido nos jornais, por diversas vezes, que precisamos de jornalistas profissionais para nos transmitir informação de todo o tipo. Discordo, além de saber que mais de 99% dos profissionais estão a soldo de alguém, penso que a população está melhor informada (graças a este milagre que é a Internet), graças à informação que provém da própria população.

No seu caso, menos informativo e mais narrativo, arriscar-me-ia em publicar um livro. É uma pena (e um desperdício) estes textos estarem confinados a um blogue.

Salvador Massano Cardoso disse...

Um abraço...