Número total de visualizações de página

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

O PM vive num país imaginário...


  1. A frase que serve de título a este Post terá sido proferida esta manhã, pelo amável e simpático líder da bancada do PS, na sessão de abertura do debate da proposta de lei de OE/2015, referindo-se a declarações do PM, na apresentação da mesma proposta de lei, acerca dos caminhos da política económica em Portugal…
  2.  Acontece que também hoje, por curiosa coincidência, acaba de ser divulgada informação estatística sobre o estado da confiança dos consumidores em Portugal: mantém sentido ascendente e atinge mesmo o valor mais elevado em 12 anos…
  3. Do mesmo modo, o optimismo dos empresários está em alta, atingindo o valor mais elevado desde 2008…
  4. Embora pessoalmente bem MENOS optimista do que é revelado nestes inquéritos acerca do estado de alma dos portugueses, particulares e empresas, interrogo-me quanto ao sentido da afirmação do líder da bancada do PS…
  5. …Pretenderia ele dar voz a um sentimento generalizado de pessimismo que, na sua análise, ardorosamente sustentada, grassa por este País? E que o PM deveria ter em conta quando avalia a actual situação e as perspectivas para 2015?
  6. Mas, com a informação estatística agora divulgada, não teremos de concluir pela inversa, ou seja que é o simpático líder da bancada PS quem vive mergulhado num país imaginário, ignorando o país real à sua volta?
  7. Mas também sinto dificuldade em compreender, confesso, a declaração do PM segundo a qual o ano 2015 será um ano de “viragem”: assumindo a veracidade destas estatísticas, uma “viragem” só se for no sentido de menor optimismo/maior pessimismo…será mesmo isso que tem em mente?

7 comentários:

Bartolomeu disse...

Parece-me que a conclusão do seu post, caro Dr Tavares Moreira, confirma que realmente não só o PM como todo o governo, vivem um e num país imaginário.
Tirando o D. Feijão, o Fuso e mais dois ou três que pertençam à mesma escala, não se encontra noutro lado nem em qualquer ramo do comércio, uma afluência que justifique em termos de repercussão no consumo, essa "apregoada confiança".
Uma coisa é perguntarem-me se confio no merceeiro da esquina e outra completamente diferente é eu ter condições económicas para adquirir no merceeiro em quem tanta confiança deposito, os bens que me são necessários. Dou-lhe 3 exemplos práticos: aqui onde vivo (e o Senhor sabe onde é) 2 médicos com consultório particular, muito queridos da população, pessoas de comprovada competência, filhos da terra, em quem todos confiam, há escassos anos só marcavam consultas para mais de 15 dias. Estavam sempre com a agenda a abarrotar. Hoje, se telefonarmos para o consultório às 8,30h temos consulta dali a meia hora. No entanto, a confiança mantem-se, a competência também, o preço da consulta é que é o buzilis. Outro exemplo é o da loja na rua principal que vende desde o parafuso até à mais moderna ferramenta elétrica. Nesta loja atende uma família completa, 5 elementos. Dois anos atrás, cheguei a ter de esperar 45 minutos até que chegasse a minha vez para ser atendido. Hoje, entro na mesma loja e por vezes não encontro um único cliente. Contudo, mantenho a confiança nas pessoas que estão ao balcão e penso que os antigos clientes também.
Não consigo ajuda-lo a interpretar o sentido da afirmação do líder da bancada PS, talvez esta confusão dos caças russos no espaço aéreo português o tenha deixado desconfiado, ou... esperançoso...

Luis Moreira disse...

A confiança é do merceeiro e dos dois médicos não é dos clientes, Bartolomeu. Estão convencidos ( sei lá, porque os clientes agora já lhes pagam, por exemplo ) que as coisas estão a melhorar

luis barreiro disse...

Caro Bartolomeu, aos 2 exemplos de confiança que descreveu quero acrescentar a minha humilde opinião de pequeno empresário de comes e bebes.
Os valores de facturação da maior parte das empresas portuguesas, são menores actualmente, do que os valores de á 4 anos atrás.
O entendimento que as pessoas tinham nestes últimos anos de como estariam financeiramente 1 ano depois, foi sempre com a certeza que iam estar pior.
A diferença actual, é que os níveis de confiança melhoraram não para níveis de á 4 anos atrás; mas melhoraram em relação ao ano anterior. E isto é muito importante para a economia. É talvez dos indicadores mais importantes.

Tavares Moreira disse...

Caro Bartolomeu,

Servindo-me da nossa "velha" amizade e beneficiando da sua consabida tolerância democrática, atrevo-me a dirigir-lhe um (talvez) inesperado desafio: o meu ilustre Amigo acampar à porta das instalações do INE, proclamando "urbi et orbe", que se encontra em regime de greve da fome até que aqueles cavalheiros resolvam suspender estas desconsoladoras e incómodas estatísticas...
Depois, com a colaboração de alguns amigos (eu estou ao dispor, desde já), envergando uma farta barba postiça e uns óculos escuros bem largos, daria umas escapadelas, pela "calada" do almoço, até ao D. Feijão, que até fica bem próximo, para assim poder aguentar alguns dias dessa dura greve, até que os INE's cedessem e cessassem esta actividade de produção estatística manifestamente anti-patriótica...
Vamos a isso, meu Caro?

Bartolomeu disse...

Estimados comentadores, não tenhamos a menor dúvida em considerar que a confiança não é algo suposto mas sim, algo efetivo, concreto, multidisciplinar e dinâmico. A confiança é algo que tem de surgir inequivocamente de todos e ser capaz de abranger todos. Só assim, é possível entende-la, segui-la e fortalece-la. tornando-a inequívoca e transparente, confiável, em suma.

Bartolomeu disse...

Estimado Dr. Tavares Moreira, "velho" Amigo. Sabe muito bem que a grande estima que lhe dedico, é fruto de uma antiga compreensão e identificação de princípios, mais que da conjunção de opiniões. É evidente que em variadas e felizes ocasiões concordei, não só com as superiores opiniões e análises que ao longo dos diferentes tempos políticos, aqui foi deixando expressos. Devo ainda declarar-me devedor perante a sua pessoa, pelo tanto que aprendi nos seus inestimáveis textos. Não sinto a menor dificuldade em declarar-me seu humilde pupilo em qualquer matéria que o estimado Amigo tenha a bondade de expor nos seus textos. O facto de em alguns contextos, os pontos de vista do pupilo divergirem dos do mestre, não fica a dever-se ao surgimento de uma precoce prosápia, ou sentimento de "sabixonice" bacoca mas sim, e meramente à diferença do ângulo de visão. O meu estimado Amigo, analisa e avalia as questões de um plano diferente do meu; tentando estabelecer uma comparação, diria que o meu estimado Amigo olha a cidade desde as vidraças da "Taverna" do El Cortinglés, o que lhe permite obter uma visão geral dos telhados dos edifícios; eu, tento ver a cidade, do lado de dentro, entrando nesses mesmos edifícios, escutando o respirar de quem lá vive, de quem lá trabalha, de quem sofre cada dia mais profundamente com a falte de emprego, com a falta de dinheiro para comprar alimentos, com a falta de dinheiro para comprar medicamentos. Na realidade, estimado Amigo Tavares Moreira, oiço os lamentos dos que sofrem e não conseguem escutar ou poisar a vista em algo que lhes transmita um ténue sinal de confiança em algo ou em alguém.
Estatísticas, meu Estimado Amigo... (Com todo o respeito que lhe devo e toda a amizade que sinceramente lhe dedico) não servem sequer para esses desesperançados e descrentes limparem o cu ao papel onde são impressas.

Tavares Moreira disse...

Caro Bartolomeu,

Respeito imensamente os seus nobres sentimentos de solidariedade, expressos neste seu pungente comentário.
Tal como o grande Dante Alighieri, o meu amigo entende dever proclamar: "A dor alheia é a minha dor".
E isso só lhe fica bem!
Mas o meu ilustre amigo também não ignorará que este é um tema em que fazer demagogia é muito fácil e tentador, sobretudo quando se pretende resolver problemas sociais com o dinheiro dos outros...e outros neste caso já tão castigados com impostos!
Abraço amigo.