Número total de visualizações de página

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Desabafo de um PIN...

É a quinta diligência que realizo hoje. Em quatro delas (duas junto de entidades privadas), os meus interlocutores borrifaram-se para o meu nome e só quiseram saber do meu número de contribuinte. 
A isto está cada vez mais reduzida a minha identidade: a um PIN. 
Sou o PIN que me atribuíram.
A minha cidadania, essa sinto-a cada vez mais dependente da minha condição de contribuinte. Em quase todos os atos do meu quotidiano, vejo-me obrigado a pensar no interesse do fisco, nalguns casos mesmo antes de pensar nos meus interesses. 
Já agora aproveito o desabafo para perguntar se alguém por aí me sugere um significado para o enigmático n.º 5 do art.º 35.º da Constituição que diz que "é proibida a atribuição de um número nacional único aos cidadãos". 

Antecipadamente grato.

4 comentários:

Bartolomeu disse...

Tudo começou com a criação do CU, caro Dr. José Mário, onde se concentram em letrinhas para visão de águia ou de condor, todas as PIN'adelas que identificam o cidadão. Espero que esteja para breve a utilização da tecnologia de leitura da iris... só para ter alguma coisa para onde espreitar...

Pinho Cardão disse...

Meu caro Ferreira de Almeida, se há uns tantos cidadãos, poucos, cuja obrigação declarada é pagar impostos e uns tantos (muitos, todos os restantes) cujo direito constitucional é recebê-los, e se existe um governo que os estende e até lhes dá uma coloração verde para disfarçar o vermelho do esbulho, torna-se perfeitamente natural que assim seja. É o retrato exacto do país.
Por exemplo, na Suécia, o número de referência é o da Segurança Social. Lá, o que conta é o que o Estado redistribui; cá, o que conta é o que o Estado arrecada.

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

José Mário
Estamos todos transformados em PIN informáticos. Quando a máquina não identifica o PIN a resposta pronta é que a máquina tem razão, ainda que esteja avariada. É assim, já me tenho confrontado com situações caricatas.

Suzana Toscano disse...

Hummm, pergunta difícil, caro Zé Mário, um dia destes se não soubermos de cor o PIN apanhamos uma multa...! Ou uma coima, como dizem as notificações quase diárias da AT.