Número total de visualizações de página

terça-feira, 5 de abril de 2016

PNR: muito marketing, nula substância

O Programa Nacional de Reformas apresentado à boa maneira socrática, com pompa e circunstância, e muito marketing, nem chega a um Programa Nacional de Intenções, como alguém o apelidou
Não reduz a despesa pública, que empresas e particulares têm que pagar, reduzindo investimento produtivo e consumo racional. E até a aumenta.
Não incentiva a competitividade das empresas, antes a retrai, pelo aumento de impostos. Nada quanto a incentivos a despesas com inovação e desenvolvimento empresarial ou  a apoio às exportações.
Não estimula a poupança, geradora de investimento, pelo contrário as medidas vão na sua redução. Não tem horizonte, não procura reformas que propiciem o crescimento, é um programa para agradar a eleitores curtos de vista, um programa eleitoralista de curto prazo.
E ainda pensa que é através da despesa pública, do défice e da dívida que faz crescer a economia. 
Um paradigma do “novo tempo”de muito marketing e nula substância útil. 

1 comentário:

skeptikos disse...

O Costa comporta-se como um autêntico "presidente da junta" a arranjar trabalho para os amigos, pelo que vai "reformar" de vez a SS. O PSD/PPC só têm de ficar quietinhos e esperar pelo estoiro. :) Estoiro esse que seremos todos nós a pagar caro, daqui a uns 10/15 anos quando não houver nada de nada de reformas mas, isso ninguém quer saber agora, pois como não há dinheiro para auto-estradas e aeroportos e outras obras megalómanas, saca-se dinheiro à SS, para sustentar empreiteiros e afins que o mantém no poleiro!