Número total de visualizações de página

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Uma grande mistela

A avaliar pelas declarações dos líderes partidários do PSD, CDS e PCP que recusam os termos, pressupostos e medidas do Plano de Estabilidade, este seria rejeitado no Parlamento, caso houvesse votação. O Bloco é ambíguo sobre a matéria, pelo que, tanto quanto é natural concluir, só o PS o aprovaria.
O Plano de Estabilidade é o grande marco que baliza a acção política do governo, no domínio das finanças públicas, das políticas orçamental e fiscal, com todas as consequências na actividade económica e nas opções dos cidadãos e das empresas. Pois é este documento que o Governo não quer ver votado, para não mostrar uma derrota estrondosa. 
De facto, por mais boa vontade que se possa ter na sua análise, aquilo é uma mistela feita para agradar a todos, acabando por não agradar a ninguém. Os sistemas ecléticos incorporam sempre contradições graves e acabam por não ter lógica nem coerência. Que nenhuma habilidade do líder ou retórica política conseguem esconder. 
Este Plano de Estabilidade só evidencia a instabilidade da política governamental.

3 comentários:

Diogo disse...

Este «Plano de Estabilidade» não se distinguiria em praticamente nada de um plano que tivesse sido congeminado por um PAF (PSD + cds). Donde, o plano agrada ao «Arco da Governação» - (PS + PSD + cds). Tudo o resto é retórica...

Alberto Sampaio disse...

Tudo a ser preparado para as próximas eleições. Não desagradar a ninguém. Estratégia para o País e uma governação clara não existem na realidade. O bloco e o pcp não querem ser os maus da fita. O be vai tentar continuar com as suas "reformas" e a tentar crescer, ou a não perder votos para o ps.

Portanto, costa tem 4 anos para conseguir subir nas sondagens, porque é disso que se trata.

Pinho Cardão disse...

Claro!