Número total de visualizações de página

sexta-feira, 24 de junho de 2016

BREXIT, the day after...

A Europa enfrenta três grandes problemas, a bem dizer crises: do Euro, dos Refugiados e da Segurança.  Problemas a que a Europa não está a conseguir dar uma resposta satisfatória. A crise é política.

O BREXIT vencedor vai, na minha perspectiva, aumentar a já de si elevada incerteza sobre o futuro da Europa, a incerteza política vai-se acentuar e deixar a Europa ainda mais fragilizada. Tudo o que a Europa não precisa. A ameaça ou a certeza de referendos sobre a permanência na União Europeia de países insuspeitos ou que aguardavam para ver o resultado do referendo britânico vai conduzir a Europa a tempos muito difíceis e de resultados imprevisíveis.
A demagogia e o aproveitamento políticos e os interesses partidários e políticos regionais ganharão força, tirando partido do descontentamento das populações e utilizando argumentos que não têm que necessariamente coincidir com os problemas que efectivamente preocupam os europeus.
Não sou capaz de prever o que poderá suceder. Há muito tempo que falta à Europa um desígnio que mobilize os seus cidadãos, um projecto em que acreditem, que lhes mereça confiança apesar das dificuldades. Falta liderança política. A crise de confiança, juntamente com a crise económica, está a erodir o projecto da Europa que nos trouxe esperança, paz e prosperidade. E agora? É agora que iremos redundar a Europa?

8 comentários:

Zuricher disse...

Cara Margarida, permita-me discordar do seu primeiro parágrafo. A Europa não tem crises do Euro, dos refugiados, da segurança e da política. A União Europeia tem um erro de base e que deu origem a todas essas crises: a utopia de querer amalgamar em soluções identicas sociedades tão diversas. Como já por várias vezes aqui tenho dito, nunca, desde o início, nunca acreditei na possibilidade da UE vingar e na altura dizia que era coisa para durar até 2012-2015. E, sabe, não tenho a certeza de ter falhado no que previ dada a disfuncionalidade do mamute nos últimos anos. Embora exista formalmente não sei se ainda existe na realidade, nas emoções e no coração das sociedades. Há longo tempo que me parece estar apenas à espera que alguém lhe passe o certificado de óbito. Agora, parece-me que esse certificado de óbito está cada vez mais próximo de ser passado, pelo menos de facto. Talvez o intervalo 2012-2015 não tenha falhado por muito e esteja dentro do intervalo de erro normal nas previsões feitas mais de uma dúzia de anos antes. Há um comentador aqui, o Cruz, que há uns 15 anos escrevia num forum onde eu também escrevia. Talvez ele se lembre do que eu então ali escrevia.

Esta votação, embora me tenha surpreendido dadas as sondagens dos últimos dias, não me surpreende numa visão mais geral. Vamos ver agora o que acontece noutros países, principalmente Dinamarca (que sempre esteve com um pé dentro e outro fora), Holanda e Suécia.

A questão financeira que está a ocupar as manchetes do dia não me preocupa particularmente. Penso que será um caso de «Black Friday» agora mas à qual daqui a uns meses, um par de anos no máximo, se chamará «White Friday» como sucedeu com a Black Wednesday, tão vilipendiada na altura, mas que hoje é creditada como o evento que permitiu acabar a longa estagnação em que o Reino Unido estava há bastante tempo. Talvez o que aconteceu ontem seja o reset necessário a um renascer económico de vários países Europeus.

Zuricher disse...

P.S.: Espero que o Sr. Juncker tenha uma equipa médica a acompanha-lo nos próximos dias. Isto é demais para o que a arrogância do senhor pode suportar.

Bartolomeu disse...

O último parágrafo deste "post", sintetiza a meu ver, o "antes" e o "agora" do processo que culminou no não britânico á permanência numa Europa que seis países propuseram unir sob um projeto, económico, financeiro, cultural e pacífico, sob o signo da igualdade e fraternidade. Verifica-se que este projeto falhou, os objetivos atingidos desmoronaram-se em função do avanço de interesses que, servindo-se do próprio projeto se serviram, destruindo assim, o sonho europeu. Desde a formação da CEE até aos dias de hoje, muito sucedeu e muito se transformou, na Europa e no Mundo. Seria impossível á Europa, mesmo que o desejasse, manter-se intransigentemente fiel aos princípios iniciais, pelo menos, teve a possibilidade de se manter incorruptível, mas não o fez. como a cara Dra. Margarida refere, deixou de ser alcançável, menos ainda com a chegada maciça de refugiados, com as dívidas dos países e as crises de exportação, de investimento e de empregos. A Europa continuará a ser um continente mas sê-lo-á noutros moldes, com outras regras, sobretudo mais sóbrias socialmente. Vive-se um período histórico em que se confrontam violentamente o capital e o social, dando a sensação de que um irá aniquilar o outro. Penso que não, que se irá concluir sensatamente que teremos de encontrar uma forma de equilibrar forças e que cada um dos lados é a metade da mesma maçã. Do mesmo modo, penso que durante o período em que a Grâ-Bertanha terá de permanecer na UE, serão propostas "exceções" para que não saia definitivamente (mais ou menos como com a Grécia mas, ao contrário).

Alberto Sampaio disse...

Vai continuar tudo mais ou menos na mesma, com excepção do oportunismo político que vai aumentar (o pm já está a trabalhar nisso) pelo menos durante algum tempo.

O brexit reflecte o facto de os britânicos estarem cansados (ou julgarem) de ajudar a sustentar parasitas, como por exemplo os governos de Portugal e da Grécia, e imigrantes ilegais.

Suzana Toscano disse...

Margarida, não me parece que as declarações dos dirigentes europeus sejam de molde a sossegar-nos, optaram por aproveitar este resultado para se descartarem de responsabilidades, "nós" continuaremos unidos a defender os valores europeus, e "eles" que se despachem a sair para acabar com a " incerteza" que se gerou. Não digo que viessem a público mostrar que não foram capazes de fazer melhor, mas ao menos que não parecessem cegos e surdos perante as tensóes que se foram gerando até este ponto.

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Caro Zuricher
Discordar é bom. A sua justificação da "utopia" e outros factores como a dimesão e a rapidez do alargamento criaram grandes dificuldades ao processo de integração e união.
Ainda não é o fim. Podemos chamar fim à complexidade em que a Europa se encontra sem que seja capaz de ter respostas satisfatórias.
Passado o primeiro impacto do resultado BREXIT não me parece que voltemos ao " business as usual"!
Os mercados financeiros voltarão em breve à sua normalidade, com as bolsas de novo a registarem subidas e ganhos.
Caro Bartolomeu
Diria que o projecto está a falhar. A UE não soube resconder à dinâmica que ela própria criou e às expectativas que lançou junto das populações europeias. A inexistência, por exemplo, de uma política fiscal comum ou de uma política externa comum("negócios estrangeiros") foram e são entraves ao desenvolvimento económico e a respostas concretas para defender os interesses da Europa "dentro de portas" e no mundo.
Caro Alberto Sampaio
Tenho dúvidas que vá ficar tudo na mesma. Os oportunismos políticos que refere não permitirão o "business as usual" que em cima mencionei.
Suzana
A reacção é ilucidativa, se ainda dúvidas existissem, sobre o estado da UE. Ou melhor, das instituições europeias que nos governam...

ainda ha disse...

Reparem que a Inglaterra (o reino unido) é a entidade com maior experiência política eficaz na Europa. Segundo lugar para a Rússia.
Ainda não li nada sobre a hipótese de haver manobras inglesas to frame França e Alemanha? Saíssem ou ficassem, "teriam um pé" para negociar tudo o que achassem por bem.
Vejam a esperada satisfação da Rússia com o centro da Europa armadilhado...

«We are europeans but we are not continentals», they said.

A Europa vai mudar, e pela guerra, seguindo a prática opinião de Bismark. A Inglaterra sempre combateu as potências dominantes centro-europeias — França, Castela, Principes Germânicos, até deixarem de ser dominantes.

JM Ferreira de Almeida disse...

Margarida, tenho de há muito, com apontamentos aqui, uma visão deveras pessimista desta Europa, pelo que o resultado do referendo no RU, para além de provar a Cameron como funciona um boomerang, é um desfecho para mim nada surpreendente. Não acrescentaria muito ao que acima escreveu Zuricher. E por uma vez alinho com Pacheco Pereira: pode bem ser que este abalo seja profilático. Mas temo que não. A aristocracia e a burocracia viram-se agora para a Turquia e aceleram o abrir de portas. Mais um alargamento doloroso que, se se consumar, cedo se revelará disparatado.