Número total de visualizações de página

terça-feira, 7 de junho de 2016

Investimento americano, investimento aos molhos

Mário Centeno, em Nova York, pediu mais investimento americano em Portugal: excelentes infraestruturas físicas, telecomunicações modernas, recursos humanos muito qualificados (aqui, em contra-círculo ao que a geringonça internamente propala...) justificam a vinda.
Teve, no entanto, uma falha muito grave: é que se esqueceu de mencionar o carinho com que os seus "parceiros" no governo, Bloco e Partido Comunista tratam o capitalismo monopolista explorador, nomeadamente o americano, e o enlevo que mostram quando se referem aos Estados Unidos...
Não fora isso, e seria investimento americano aos molhos!...

12 comentários:

Zuricher disse...

Um mérito não pode negar-se a Mário Centeno, a enorme capacidade de encaixe para andar pelo mundo fora a fazer esses papelões. Só alguém com uma enorme capacidade de encaixe consegue fazer essas coisas.

JM Ferreira de Almeida disse...

Em suma, esqueceu-se de mencionar as duas asas que a vaca possui. Assim, de facto, o bicho não levanta voo...

Fernando Vouga disse...

Quem não tem vergonha...

Alberto Sampaio disse...

Caro Zuricher,
eu diria antes sem pingo de carácter. Pelo que já disse e desdisse é falho de carácter. Infelizmente, há muitos assim na política.

Carlos Sério disse...

Creio que Coelho ainda não aprendeu uma coisa muito simples – o capital não tem pátria. E pouco lhe interessa se o governo é dos “democratas ou dos republicanos”. O que lhe interessa verdadeiramente é saber se lhe dão óptimas, boas ou más condições para que possa acumular.
Como dizia o Banqueiro M.A. Rothschild “Dêem-me o controlo do dinheiro e não me importará quem faça as leis”.
E, ninguém pode afirmar que Mário Centeno não ofereça melhores condições ao capital, que Maria Luiz. Menos conflitos sociais desde logo, (terminou com um conflito no porto de Lisboa com os estivadores que já durava à quatro anos) e seguramente benefícios fiscais semelhantes aos oferecidos por Maria Luiz.
Não passam de simples desejos de Coelho, reveladores do seu grande provincianismo, essa história de que o governo português tem apoio parlamentar dos comunistas e assim o medo dos investidores, como se o papão comunista metesse algum medo ao capital do século XXI.

João Pires da Cruz disse...

Como escreveu o Rui Mendes Ferreira ho FB, Portugal é um país de futuro para os investidores depois de:

1. Reversão da privatização da TAP.
2. Reversão da privatização e concessão de empresas de transportes urbanos. Os investidores estrangeiros foram para tribunal.
3. Congelamento da descida do IRC para as empresas, e reversão do acordo anteriormente celebrado entre o PS de António José Seguro, e o anterior governo, violando todas as expectativas dos investidores estrangeiros.
4. Novo acordo no porto de Lisboa que dá poder aos sindicatos dos estivadores e limita a operação de empresas privadas, violando as expectativas do investidor turco que comprou recentemente uma operadora portuária.
5. Aumento do salário mínimo, muito para além da inflacção, do aumento de produtividade, e do crescimento da ecoonomia, e cedência total de poder aos sindicatos.
6. Orçamento de Estado elaborado com previsões macroeconômicas completamente irrealistas.
7) Orçamento despesista, promovendo o continúo aumento da dívida pública, afastando por essa via, os fundos estrangeiros que investem em dívida portuguesa.
7. Leis feitas à medida para atribuir um banco privado a um dos seus acionistas.
8. Reversão da lei das 40 horas de trabalho no sector público, aumentado por essa via, o quadro de pessoal, e despesas salariais no sector público.
9. Aumento do número de feriados.(+4)
10. Terminar contratos a meio.
11. Aumentos brutais de impostos sobre as empresas.
12. Custos de energia, dos mais caros de TODA a Europa.
13. Aumento brutal dos impostos sobre combustíveis.
14. Entrega total do controlo da educação e do sector dos transportes públicos, aos sindicatos afectos à CGTP, que como bem sabemos, é uma simples extensão do PCP.

Medidas que o governo está a planear:
1. Renegociação da dívida
2. Reversão da lei das rendas anteriormente implementada.
3. Regulação (leia-se penalização) do alojamento local
4. Limitações várias à actividade financeira
5. Financiamento da Segurança Social com lucros das empresas
8. Nacionalização de bancos
8. Injecção de 4MM na CGD
9. Regressos dos 25 dias de férias
10. Aumentar TSU nos contratos a prazo
11. Taxar o Google e outras multinacionais
12. Tornar o IMI progressivo
13. Taxar mais valias
14. Imposto sucessório e sobre doações.
15. Aumento das taxas de IMI, para quem possui mais que uma casa (e depois ainda dizem, sem um minimo de vergonha e sem rir, que pretendem incentivar a dinamização da contrução civil, e o investimento no mercado de arrendamento)

Medidas que os parceiros do governo querem que o governo tome:
1. Sair do Euro
2. Sair da UE
3. Taxar os ricos
4. Não pagar a dívida
5. Nacionalizar toda a banca.
6. Acabar com os contratos com privados na Saúde (sector onde várias empresas estrangeiras investiram recentemente)
7. Fim dos vistos gold e de benefícios fiscais para reformados estrangeiros.


Pinho Cardão disse...

Pois é, caro João Pires da Cruz, com tal panorama só mesmo o Mário Centeno e o Carlos Sério é que acreditam que possa haver aumento do investimento ou, mesmo, investimento. Claro que o António Costa nunca acreditou, mas o objectivo dele foi sempre outro.
Depois da teoria do motor do crescimento a partir do consumo,e da legislação do trabalho que o Centeno engendrou num power-point, mas que os amigos da geringonça logo espatifaram, só mesmo em desespero é que se vai a casa do "inimigo" americano pedir apoio. Penso eu de que...

Caro Ferreira de Almeida:
Sim, esquecimento mortal...

Pinho Cardão disse...

Caro Zuricher, Fernando Vouga e Alberto Sampaio:
Pois é. Também Teixeira dos Santos teve capacidade de encaixe e depois deu o que deu: teve que chamar a troyca para desencravar tanto encaixe. Oxalá não aconteça o mesmo com este. Mas não estou muito crente que políticas públicas erradas, como é manifestamente o caso, produzam efeitos benéficos. Aliás, já se está a ver que não.

Carlos Sério disse...

Pois é, essa lógica de tornar miseráveis ao trabalhadores (menos salário, mais horas de trabalho, trabalho precário, trabalho sem contratos, liberdade á especulação financeira, mais impostos sobre o trabalho e menos impostos sobre o capital, ...) é que atrai investimento e proporciona crescimento económico. É a receita da austeridade para sair da austeridade ou da austeridade sem fim, isto é, " a economia do país fica melhor mas as famílias portuguesas ficam piores".
Uma verdadeira política "social-democrata sempre".

E, vai um pano encharcado...

Alberto Sampaio disse...

A bancarrota do ps não tem fim.

Pinho Cardão disse...

Bom, mas ao que as estatísticas dizem, a situação é:
-mais desemprego
-menos investimento, o que significa ainda mais desemprego no futuro.
O resto...o resto são palavras, mas essas não pagam ordenados, nem enchem as barrigas. Só iludem.

João Pires da Cruz disse...

Não enchem barrigas?? Já viu aqueles conselhos de ministros? O que não falta ali é barrigas!