Número total de visualizações de página

sábado, 3 de maio de 2014

Espiral recessiva entrou em recessão? Será possível?...

1. Os estimados Crescimentistas, tanto da ala "soft" como das alas "hard", têm incansavelmente denunciado os malefícios das políticas "neoliberais" que, na sua perspectiva, têm imposto ao País sacrifícios perfeitamente desnecessários...e, em especial, uma espiral recessiva, de duração indefinida enquanto as ditas políticas não forem erradicadas.
2. Trata-se de uma espiral recessiva muito peculiar, tão peculiar que a partir do 2º trimestre de 2013 passou a traduzir-se em variações trimestrais positivas do PIB e, no 4º trimestre, por uma variação positiva não só trimestral mas também em termos homólogos, de 1,7%...e, no 1º trimestre de 2014, parece ser razoável antecipar uma nova variação positiva, em termos trimestrais e homólogos, neste último caso com uma expressão talvez não inferior à do 4º trimestre de 2013...
3. Indicadores de actividade mais recentes, já do 2º trimestre de 2014, parecem confirmar esta característica peculiar da espiral recessiva e das nefastas consequências das políticas "neoliberais": ontem mesmo foi notícia o aumento (homólogo) de 54%, em Abril, das vendas de veículos automóveis, com destaque para o aumento de 65,5% nas vendas de veículos comerciais ligeiros...
4...e, nos primeiros 4 meses do ano, as vendas de automóveis terão crescido 46,4% em relação ao período homólogo de 2013.
5. Também em Abril se verificaram novas melhorias nos indicadores de confiança dos consumidores e do clima de negócios...
6. Os tempos não andam nada propícios para a temível espiral recessiva, apesar das malfadadas opções "neoliberais" persistirem, teimosamente, em dominar a política económica como foi eloquentemente destacado em inflamados discursos no 25 de Abril...
7. Há qualquer coisa que não está a bater certo em tudo isto...ou será que de tanto perorarem sobre a espiral recessiva, até esta sucumbiu às políticas "neoliberais" e acabou por entrar em recessão?

15 comentários:

luis barreiro disse...

Muitos eleitores mamam á custa da espiral recessiva.
E o problema é que lisboa mama á custa da espiral recessiva, e o resto do país emigra ou adapta-se à realidade.

João Pires da Cruz disse...

Esmolas, caro Tavares Moreira. São esmolas.. Ou é o ouro vendido, as pessoas estão a penhorar o ouro.... Ou é o petróleo, na realidade não é exportação é apenas refinação e as importações também crescem... São as remessas dos emigrantes, toda uma geração condenada à mala de cartão numa terra de esperança... E é melhor parar senão ainda me fazem comentador de TV.

Tavares Moreira disse...

Caro luis barreiro,

E trata-se de um mamar doce, que apesar de doce proporciona um elevado "dividend yield"...
E sempre à custa dos que não encontram eco na comunicação social, evidentemente!

caro João Pires da Cruz,

Há muito que o senhor deveria ter sido promovido a comentador num canal de TV de grande audiência...são necessárias vozes que remem contra a maré da falta de senso dominante!
Mas esperamos ter o privilégio de escutar o seu comentário ao vivo no próximo dia 9, no Dom Feijão, sob a batuta do Sec. Geral Bartolomeu (cujo silêncio estou estranhando, que se passará?)

Pedro Almeida disse...

Eles andam tão desorientados que frequentemente já classificam o Governo de "neoliberal" e de "fascista" ou "fascizante", como se fossem termos conciliáveis...Enfim, tudo serve...Mas de facto, a "espiral recessiva" foi por água abaixo e suas excelências parecem umas baratas tontas.

Tavares Moreira disse...

Caro Pedro de Almeida,

Não terá sucedido que eles próprios - os admiráveis Crescimentistas de vários matizes - entraram em espiral recessiva de ideias, profunda, endémica e incurável?
O seu discurso em estilo cata-vento, utilizando palavras num registo estocástico, sem nexo aparente, sugere que algo desse género poderá ter sucedido...

Bartolomeu disse...

"Behind the Masks..."!!!

Antonio Cristovao disse...

A baixa na cotação dos politicos e afins não admira se revendo todos os prognosticos dos "politicos" de serviço nos lembrarmos de todos os vaticinios tenebrosos que sucessivamente foram descartados:
não passamos a proxima avaliação; vamosprecisar dum segundo resgate de certeza; no minimo vamos ter um programa cautelar; é indespensavel programa cautelar no minimo; a Ue obriga a programa cautelar ; a UE obriga a saida limpa... enfim brincar com a paciencia dos eleitores tem custos ; um que eu ja vejo na minha terra é uma abstenção de 63,8% e dos que votam dizem : que se ha-de fazer não aparecem melhores temos que votar nestes!!!

Tavares Moreira disse...

Caro Bartolomeu,

Com que então, "playing the phantom of the opera"?

Caro Antonio Cristóvão,

Quanto a votações, não me pronuncio...mas em relação à capacidade de prognosticar, nesta área, dos nossos opinion makers estamos realmente entendidos...

Bartolomeu disse...

No plural, estimado Amigo, no plural!

Tavares Moreira disse...

No plral, caro Bartolomeu, significa "the phantoms of the opera" ou "the phantoms of Dom Feijão"...neste último caso se viermos a concluir, deploravelmente, pela ausência de inscrições para o repasto do próximo dia 9, para além das nossas voluntariosas mas modestíssimas pessoas?

João Pires da Cruz disse...

Eu estou inscrito.

Bartolomeu disse...

;))))
"Os Fantasmas no Dom Feijão"
Eis um título excelente para uma ópera!
;))))
Quando era mocinho, gostava de fazer longos passeios de mota (ainda gosto). Num desses passeios, parei numa terriola onde estava a decorrer um bailarico. Foi na época de férias e a localidade estava a abarrotar de faustosos emigrantes, acompanhados das suas trigueiras filhinhas; em redor, a rapaziada lá da terra, salivava de olhar para as "abec". Aqui o "cromo", nestas ocasiões, não se fazia rogado, convidava as garinas para a dançadela e pronto, era o que Deus quisesse (geralmente queria).
Quando abandonei o local, seriam 4 horas, e voltei à estrada, comecei a ser "escoltado" por um grupo de salivantes-especados-ululantes, montados nas suas pasteleiras. Deixei-os ir durante uns minutos a julgar que me assustavam e quando me fartei, enrolei punho e xau, xau, que tenho mais que fazer.
Agora a propósito desta recordação, se no dia 9 estiver bom tempo, vou na minha mota ao almoço, além de ser mais fácil estacionar, sempre faço alguma "pirraça" ao nosso Amigo, Dr. Pinho Cardão... a mota é encarnada.
;)))))

Bartolomeu disse...

PS: A mota é encarnada, mas não tem o "33" tatuado...
;)))))

Tavares Moreira disse...

Caro Bartolomeu,

Com a suspensão dos direitos humanos em Portugal, hoje anunciada, "urbe te orbi" por um ex-PR, será que temos condições para a realização do almoço do próximo dia 9?
Não correremos o risco, se formos identificados pelas milícias encarregadas da dita suspensão como perigosos quarto-republicanos, de sermos detidos para averiguações, por tempo indefinido (e nem nos darem tempo para degustar os excelentes sabores do Dom Feijão)?

Bartolomeu disse...

Se nos encarcerarem no Forte de Peniche, pelo menos temos a garantia de que a fuga é possível.
Só precisamos saber nadar:
As "figuras" não sabem nadar yo
Bantú não sabe nadar yo
K.J.B. não sabe nadar yo
Madnigga não sabe nadar yo
Makkx não sabe nadar yei
De qualquer forma, o Dr. Mário Soares, nessa conferência, apontou várias situações de fome e de pobreza, reais e vergonhosas para Portugal e os Portugueses... já para não falar no governo.