Número total de visualizações de página

domingo, 23 de fevereiro de 2014

Olhos de amêndoa


Domingo de manhã, período sedutor, tempo de descanso, reina o sol de esperança, um momento curto mas simpático, ainda não senti nenhum sinal de tristeza, tristeza que vai inundar a minha alma mas só lá para o meio da tarde. Aproveitei a tranquilidade da manhã e fui tomar um café. Levei uma revista para ler, sabendo que não iria ler grande coisa, mas apeteceu-me, apetece-me sempre levar qualquer coisa para ler, ou fingir que vou ler. O café soube-me bem, sabe-me sempre bem beber o meu café da manhã. Comecei a ler algo que já tinha começado a ler. Interessa-me muito este assunto, algo relacionado como "destruir a reputação de alguém". A força do poder e dos interesses económicos é verdadeiramente destruidora. Tenho pano para mangas, uma história que me irá permitir conhecer não a natureza humana, mas sobretudo o peso e a capacidade de destruir qualquer ser humano que se aventure na denúncia de crimes e más práticas ambientais e sociais por parte de certas empresas a nível mundial. Entretanto, uma criança, pequenina, acabada de aprender a dar os primeiros passos, irrequieta e indefesa, andava a bambalear-se pelo espaço. O irmão, mais velho, acompanhava-a, pegava-lhe e protegia-a, e a menina de olhos de amêndoa protestava contra os cuidados à sua maneira. Aproximou-se de mim, era mesmo miudinha, e espreitava o que se passava na superfície por debaixo da mesa. Olhava de baixo para cima. Olhou-me e ficou ali, tempos infinitos, sem se mexer, tentando equilibrar-se, já que de tempos a tempos ameaçava cair. Mas não, aguentava-se, exercitando-se no equilíbrio da vida. Um equilíbrio complicado para ela que não tirava os olhos de mim. Fixava-me, baixava os olhinhos, voltava a olhar, não dizia nada, e eu não sabia o que fazer ou dizer. Sorria-lhe e tentava transmitir-lhe confiança. Via que não se afastava nem se assustava com a minha presença. Ficou, contrariando todas as regras de liberdade infantil, a olhar para mim durante muito tempo, a ponto de me perturbar. Tentei imaginar o que é que estaria a pensar. Não consegui imaginar. Consigo "ver e saber" o que se passa na cabeça de muitas pessoas. Não é difícil, é um exercício que pratico há muitos anos, mas perante aquela imobilidade e forma de olhar não consegui ver e nem saber o que a menina de olhos de amêndoa estaria a pensar. Seria tão útil "ver e saber" qual o pensamento de uma criança que recentemente aprendeu a andar. Eu, pela minha parte, dei-lhe a entender que estava a protegê-la, e assim foi. Ao ir-se embora ia batendo com a  cabeça no bico da mesa. Instintivamente coloquei a mão de forma a não se aleijar. Olhou-me novamente e não disse nada. Olhou-me com uns profundos e belos olhos negros de amêndoa, olhos enigmáticos que me confundiram mais uma vez. 

Fiquei a saber que se chamava Maria. Nunca mais vou esquecer tão belos, profundos e enigmáticos olhos.

1 comentário:

Bartolomeu disse...

Há poucos anos, não mais de meia dúzia, acompanhei a minha mãe, à terra onde nasceu; uma aldeia pertinho de Seia, na Serra de Estrela. Calculei o tempo de viagem, por forma a almoçarmos num restaurante localizado à beira da estrada que conduz a Gouveia, "O Marquês da Serra". Durante o almoço, reparámos num senhor de idade bastante avançada, trajando de negro roupas de corte antigo, que não afastava o olhar da minha mãe. Quando terminou o almoço, o senhor parou junto da nossa mesa, pediu desculpa por interromper a nossa refeição e, dirigindo-se à minha mãe com um sorriso de mel, perguntou-lhe: Tu não és a Lurdinhas? A minha mãe, relutante confirmou que o seu nome é Lurdes. Então senhor, mantendo o sorriso perguntou-lhe: não estás lembrada de mim? A minha mãe respondeu que não, enquanto fazia um esforço de memória tremendo. Então o senhor desfez o enigma, apresentando-se e dizendo que era o médico onde a minha mãe ia, em criança. Logo que o Senhor referiu o nome, a minha mãe recordou-se imediatamente, pediu imensa desculpa por não o ter reconhecido; já não o via há imensos anos, desde muito pequena. O senhor, sem desfazer aquele sorriso que me ficou gravado na memória, acrescentou: é natural que já não te recordes de mim, eras muito pequenininha, mas sabes, nunca me esqueci dos teus olhos, nunca vi outros tão bonitos quantos os teus.
Pelas contas da minha mãe, o Senhor Doutor já teria ultrapassado a idade dos 100 anos. Aquele episódio abalou imenso a minha mãe que já não conseguiu terminar a refeição, a emoção de ser reconhecida por alguém, passados tantos anos e ainda para mais devido à beleza dos seus olhos, foi profundamente emocionante.
Em seguida, soubemos que o Senhor se tinha recolhido a um lar ali da zona, pois não tinha qualquer familiar vivo.
A vida por vezes coloca-nos perante situações que temos imensa dificuldade em compreender e gerir.
Relativamente ao assunto do inicio do texto; «...como "destruir a reputação de alguém".», transcrevo uma citação de Friedrich Nietzsche: Quando, acima de tudo, nos amamos a nós próprio, o maior prazer que encontramos - por meio da compaixão - pode levar-nos a mostrarmo-nos cruéis para connosco. Heroico da nossa parte é o esforço de completa identificação com aquilo que nos é contrário. A metamorfose do Diabo em Deus representa esse grau de crueldade. "A vontade de Poder".