Número total de visualizações de página

sábado, 14 de junho de 2014

Incompreensão inconstitucional

..."Não consigo compreender que...um juíz do Tribunal Constitucional consiga dizer que os portugueses não podem acreditar nem no Governo, nem no Parlamento, nem no Presidente da República, tendo, hoje, por único factor de confiança o Tribunal Constitucional..."
..."Não consigo compreender que o PS tenha aprovado uma moção de censura do PCP ao Governo, em cujos considerandos estava, entre outros, a necessidade de levar Portugal a sair do euro..."
"...Acresce que não consigo acreditar em D. Sebastião, o mais persistente e talvez o mais pernicioso dos nossos mitos. Levou-nos à derrota, sim, à derrota, em Alcácer-Quibir..."
Daniel Beça, no Expresso de 13 de Junho, Tempos de Desânimo

Eu também não consigo compreender!...E admito que seja uma incompreensão seguramente inconstitucional. 

8 comentários:

Bartolomeu disse...

Talvez a compreensão seja simples e se ache resumida numa única palavra.
Se lermos o poema "D. Sebastião" na "Mensagem de Fernando Pessoa, percebemos que ele num todo, justifica e exorta a loucura de um rei que buscava grandeza e encontrou a morte;

Louco, sim, louco, porque quis grandeza
Qual a Sorte a não dá.
Não coube em mim minha certeza;
Por isso onde o areal está
Ficou meu ser que houve, não o que há.

Minha loucura, outros que me a tomem
Com o que nela ia.
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?

Aquilo que custa a compreender é: passados quatro séculos e meio, continuarem a existir tantos Sebastianistas que prosseguem a louca miragem da grandeza...

luis barreiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tavares Moreira disse...

Incompreensão desproporcionada e atentatória do princípio da confiança, Pinho Cardão...como tal...rien à faire...

Carlos Sério disse...

"Não consigo compreender".
O homem de facto nunca revelou grande inteligência.

Carlos Sério disse...

Será que alguém do 4ªrepublica lho poderá explicar?

Pinho Cardão disse...

Caro Luís Barreiro:
Claro que é Bessa. Já corrigi. Muito obrigado.

Caro Tavares Moreira:
De facto, nada a fazer. Tudo pela Constituição, nada contra a Constituição!...

Caro Carlos Sério:
Nunca é bom desmerecer da inteligência alheia...
E, quanto à explicação, por que não o faz o meu amigo?

Carlos Sério disse...

Caro Pinho Cardão,
Então vamos lá - o que está em causa e justifica os comentários de Daniel Beça, está devidamente exposto no Relatório do Desenvolvimento Humano de 2013 do PNUD. Ele constitui um óptimo exemplo dos "mais desafogados"

"O aumento da desigualdade tem sido acompanhado por exigências, da parte de muitos dos mais desafogados, de menos Estado e de maior contenção orçamental: os desafogados não só beneficiaram de forma desproporcionada do início do crescimento, como também parecem empenhados em proteger os seus ganhos. É surpreendente que, nas democracias, apesar da pressão considerável da sociedade civil, a agenda dos governos seja dominada por programas de austeridade e não por programas de proteção social".

http://www.un.cv/files/HDR2013%20Report%20Portuguese.pdf

Carlos Sério disse...

Corrijo, "Ele, Daniel Beça, constitui, um óptimo exemplo dos "mais desafogados"