Número total de visualizações de página

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Zona Euro e o velho Papaçordismo nacional...


  1. A recente convulsão político-financeira da Grécia constituiu uma óptima oportunidade para revisitarmos a imensa capacidade criativa bem como a incorrigibilidade dos cultores do Papaçordismo nacional…
  2. Desde aqueles que viram na crise grega e no seu desfecho o fim da Europa ou do projecto europeu, aos que advogam a necessidade de uma reforma profunda do Euro (sem qq especificação, para se perceber melhor…), houve de tudo nestas semanas de grande agitação.
  3. Recordo-me ainda bem (já aqui tenho referido) do modo essencialmente folclórico com que este Papaçordismo interpretou  a nossa adesão ao Euro:  um grande feito nacional – ter sido capazes, aparentemente sem esforço, de participar na carruagem da frente do Euro – que se impunha festejar, festejar (leia-se gastar)…
  4. …não havendo à época quase ninguém que tivesse chamado a atenção para as exigências que a partilha de uma moeda comum com países que tinham uma forte tradição de disciplina financeira/monetária nos impunha, nomeadamente no plano orçamental.
  5. Chegou-se ao ponto de um alto responsável pela política económica se ter aventurado a proclamar publicamente, em Fev/2010, a irrelevância do endividamento externo numa zona monetária como a do Euro, contrariando, com toda a autoridade, os avisos tontos de alguns, bem poucos por sinal, que já na altura chamavam a atenção para os riscos do excessivo endividamento do Estado e dos privados.
  6. Para este Papaçordismo nacional, a disciplina que a zona Euro exigiu/impôs à Grécia é inaceitável: a zona Euro deveria ter permitido que a Grécia continuasse a ser gerida à revelia das regras financeiras que são a essência de uma união monetária credível, não restando  aos demais países  outra solução que não fosse curvar-se perante as fantasias e os caprichos dos novos dirigentes gregos, dispensando-lhes todo o apoio financeiro, a fundo perdido se necessário…
  7. …não fazer isso foi trair o projecto europeu, reduzindo a cinzas os valores da solidariedade e da cooperação, elementos básicos desse projecto!
  8. Não há emenda possível para o Papaçordismo nacional…daqui a 10 anos estaremos exactamente na mesma!

9 comentários:

João Pires da Cruz disse...

Caro Tavares Moreira,

Não se é Papaçordismo se EspertezaSaloismo. Repare no sentido estalinista como se encara o estado, pouco interessa a dívida do estado porque o estado somos todos nós e todos "nós" vamos ganhar com a estória, tentando esconder que o estado não "somos todos nós", somos só "alguns protegidos pelo princípio da igualdade na primeira derivada". De como se diz que "o estado deve investir para promover o emprego" como se os desempregados tivessem alvarás de construção de aeroportos ou se os emigrantes fossem directores de serviço de um ministério ou chefes de divisão de um governo civil. Aquilo que me parece verdadeiramente surpreendente é a promoção de um estado caro como uma boa coisa para um país pobre. Solução para uma casa miserável? Aumentar o salário da cozinheira e do mordomo!
Na verdade, só há uma resposta correcta para o Paçordismo/"Espertezasaloismo" nacional. É "o que tu queres sei eu!...."

Tiro ao Alvo disse...

O que teria levado o "alto responsável pela política económica" (portuguesa) a ter-se "aventurado a proclamar publicamente, em Fev/2010, a irrelevância do endividamento externo"?
Teria sido a ignorância? Custa a acreditar nessa limitação, uma vez que seria um "alto responsável" e um "alto responsável" não pode ser ignorante.
Não sofreria essa alta figura de inconstância?

Tavares Moreira disse...

Caro Pires da Cruz,

Não posso deixar de lhe dar razão, mas isso não afasta o intensíssimo marketing que o estatuto mendicante de uma boa parte dos "media" permite dedicar às teses Paparçordistas ou EspertezoSaloistas, como se de grande sabedoria, ou de infalível alquimia social, se tratasse!

Caro Tiro ao Alvo,

Não estou em condições de esclarecer a sua dúvida, mas creio que se tratou de uma declaração - com especial responsabilidade, é certo - inserida na embalagem de euforia Eurísta que por essa altura se vivia e que, quase invariavelmente, assumia expressões públicas reveladoras de enorme falta de senso.
E o pior foi a propagação desse estado de espírito Papaçordista à prática política, que se arrastou por mais de 12 anos!

Tiro ao Alvo disse...

Assim sendo, caro Tavares Moreira, a tal "declaração inserida na embalagem de euforia Eurísta que por essa altura se vivia" terá sido proferida em 2000 e não em 2010, como escreveu.

João Pires da Cruz disse...

Mas, caro Tavares Moreira,

Uma coisa não posso concordar consigo. Daqui a 10 anos não estaremos na mesma de certeza, porque a grande vantagem de vivermos com o dinheiro dos outros, é que este acaba mais cedo ou mais tarde, sendo que 10 anos me parece muito para lá do "mais tarde".

Tavares Moreira disse...

Caro Tiro ao Alvo,

Um tiro certeiro e um "lapsos calami" lamentável: trata-se de Fev/2000 como bem observa e não de Fev/2010!
Lapso quase tão lamentável quanto a famosa proclamação de irrelevância do endividamento externo!

Caro Pires da Cruz,

Está perfeitamente à vontade para discordar da minha lamentável profecia!
Mas qq que seja o cenário que se desenhe, pode estar certo de que os Papaçordistas jamais desistirão de proclamar as suas crenças na superior virtude da despesa feita à custa dos fundos dispensados pelo próximo; e, do mesmo passo, os "media" nunca se cansarão de lhes dar ouvidos, cumprindo, com toda a convicção, a função de marketing da falta de senso!
A este purgatório estaremos fatalmente condenados!

Tiro ao Alvo disse...

Caro Tavares Moreira, discordo em absoluto: o seu lapso não prejudicou ninguém, nem o seu prestigiado saber, ao contrário do erro que referiu, que nos acarretou graves prejuízos. É certo que esse erro pode ser repartido por muitos autores, mas foram muitíssimo mais os que sofreram as suas consequências - ene vezes mais, como costumam dizer os economistas… E, ao que dizem, não se vê quase ninguém a penitenciar-se disso - eu não conheço uma única pessoa.

Tavares Moreira disse...

Caro Tiro ao Alvo,

Eu usei uma força de expressão, como terá compreendido...também creio que o meu "lapsus calami" terá tido efeitos bem menos nocivos do que a referida proclamação de Fev/2000.
Em todo o caso, deixe-me dizer-lhe que, na minha opinião, a proclamação em causa, sem prejuízo de relevar de uma inacreditável leitura da realidade económica e financeira, não terá tido efeitos práticos muito relevantes, uma vez que a carruagem da política económica, por essa altura, já se encontrava perfeitamente descarrilada...
Assim, terá sido mais uma acha para cima de uma fogueira já bem ateada...

Carlos Sério disse...

«A direita mais radical descobriu recentemente uma filosofia da história. (...) Entendeu que se chegou ao "fim da história" e o "fim da história" é aquilo a que chamam "realidade". Uma espécie de muro existente na física das sociedades e das nações contra o qual se vai inevitavelmente quando se abandona o caminho da "austeridade" e se encontra a TINA, o "there is no alternative". (...) [Mas] existe uma enorme confusão entre a "realidade" do "fim da história" e o poder. Aquilo que os gregos encontraram à sua frente não foi o muro da "realidade", foi o muro do poder. (...) A doutrina da "realidade" é uma justificação do poder exercido pela força. É por isso que a TINA é uma doutrina de submissão, uma espécie de justificação do direito natural dos poderosos a exercerem o poder sem limites. (...) Contrariamente ao que pensam, na questão grega, a realidade impôs-se à "realidade" e fez a história mover-se quando eles a queriam fixa no ponto ideal do seu poder. (...) Não, a "realidade" não é a história acabada num certo modelo de economia, sociedade e poder. Bem pelo contrário, está a mover-se e mais depressa do que imaginam e não é para o lado da "realidade". É para o lado de que há "alternativas".»

José Pacheco Pereira