Número total de visualizações de página

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Bill Gates investe no sector da construção em Espanha...

1. Já aqui referi, mais de uma vez, o andamento muito positivo das exportações portuguesas (de bens) para Espanha, no corrente ano, invertendo uma queda de mais de 2 anos: em termos acumulados até Agosto, o crescimento vai já em 8%, sendo a Espanha, dentre os nossos principais parceiros comerciais, aquele com o qual as exportações têm registado crescimento mais rápido...

2. Algo de positivo se está passando pois na actividade económica em Espanha que explica esta evolução, sendo também de destacar as sucessiva quedas da taxa de desemprego desde Março e, mais recentemente, a informação de que a economia terá voltado a crescer no 3º trimestre...

3. Pois bem a notícia, agora divulgada, segundo a qual o conhecido Bill Gates (através de fundos de investimento a que está associado) decidiu investir mais de € 133 milhões na aquisição de uma participação de 6% (passa a ser a segunda mais importante) numa das maiores empresas de construção em Espanha, a Fomento Construciones e Contratas (FCC), apresenta, neste contexto, um especial significado...

4. ...pois, como se sabe, o sector da construção em Espanha vive há 5 anos a esta parte uma crise profunda, depois de mais de 10 anos de “boom” que não era sustentável, tendo designadamente contribuído para a devastação de uma parte do sector bancário espanhol (com relevo para as famosas Cajas de Ahorro, que em boa parte desapareceram, após uma dura operação de saneamento e de concentração).

5. Mas não é só em Espanha que se registam factos de elevado significado no que toca à percepção dos investidores internacionais quanto a novas oportunidades de investimento em países periféricos da zona Euro: o F. Times dava há poucos dias grande relevo ao facto de Hedge-Funds americanos estarem a investir expressivamente em bancos e noutras empresas gregas, mediante a compra de acções e de warrants...

6. Ainda não sabemos o que é que o futuro próximo nos reserva, quanto à evolução da crise destes países periféricos, mas a verdade é que os investidores não dormem e apercebem-se, muito antes dos analistas e dos comentadores económicos – cuja especialidade consiste, pelo menos no nosso caso e por via de regra, em avançar previsões sobre o passado – das mudanças do ciclo económico e no desempenho de certos sectores, como resultado de medidas profundas de correcção estrutural...

7. Em contraste com este mundo em mudança, entre nós reina a mais pacóvia das discussões em torno do grande Estado e da felicidade que nos pode proporcionar...e agora até se lembraram de converter em “heróis” personagens que arrastaram o País para a fronteira de uma situação de bancarrota, ensaiando uma absurda metamorfose, de charlatães sem qualquer sentido de responsabilidade para salvadores da Pátria...que triste fado!

28 comentários:

opjj disse...

Oxalá fosse assim. Vejo sim, tudo parado. Se começar por Ayamonte e continuar na costa sul espanhola, vê milhares e milhares de apartamentos por vender. Alguns compram em Portugal que é metade do preço e a construção é melhor ( dito por eles).
Tenho conhecidos espanhóis que me dizem que há muitos construtores falidos.
Aguardemos, mas isto não é bom!
BH

Diogo disse...

O GRANDE ESTADO


http://pt.wikipedia.org/wiki/Tavares_Moreira

José Alberto Vasconcelos Tavares Moreira é um reconhecido economista português. Foi governador do Banco de Portugal entre1986 e 1992.

- SEIS ANOS COMO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL


http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/exclusivo-cm/reformados-famosos-do-banco-de-portugal

Reformados famosos do Banco de Portugal

Várias dezenas de ex-governantes e deputados, para além do Presidente da República eleito, recebem reformas do Banco de Portugal.

Nome: Tavares Moreira
Cargo que ocupava: Técnico consultor de nível 18c
Início da reforma: 1 de Junho de 1999 – negociada
Valor da reforma: 3062 euros

As normas que regem as pensões de reforma do Conselho de Administração do Banco de Portugal têm, no seu ponto 4.º, uma “garantia de reforma” que estipula o seguinte: “O Banco de Portugal, através do seu Fundo de Pensões, garantirá uma pensão de reforma correspondente ao período mínimo de cinco anos, ainda que o membro do Conselho de Administração cesse funções, a qualquer título”.

As pensões atribuídas aos membros do Conselho de Administração do Banco Central são actualizadas, a 100 por cento, na base da evolução das retribuições dos futuros Conselhos de Administração, sem prejuízo dos direitos adquiridos, especifica o ponto 6 das referidas normas.

O ponto 7 regula a cumulação de pensões, consagrando a possibilidade de, “obtida uma pensão de reforma do Banco de Portugal, o membro do Conselho de Administração pode obter nova pensão da Caixa Geral de Aposentações [CGA], ou de outro qualquer regime, cumulável com a primeira”.

Para além da pensão, os membros reformados do Conselho de Administração gozam de todas as regalias sociais concedidas aos administradores no activo (carro e cartão de crédito) e também aquelas dadas aos trabalhadores da instituição.

Carlos Monteiro disse...

É estranho... temos um governo de maioria, temos a troika que este governo aplaudiu, temos um programa que «vai mais longe que a troika», mas o raio dos resultados teimam em não aparecer. Estranho...

Esperem, a culpa é do Tribunal Constitucional!!!

Zuricher disse...

Caro Tavares Moreira, nos inícios desta crise recordo-me duma peça no Financial Times sobre os problemas dos diversos paises e eventuais formas de sairem do ponto onde estavam. Sobre Espanha descrevia o rebentamente da bolha imobiliaria, os problemas da banca, o uso político que foi feito das Cajas de Ahorros, enfim, descrevia a situação em linhas razoavelmente aprofundadas. Já sobre os rumos a seguir e contrariamente ao que dizia sobre a Grécia ou Portugal, sobre Espanha limitava-se a alguns considerandos gerais e acrescentava algo que foi precismente o motivo pelo qual a peça me ficou na memória. Dizia então que Espanha sempre conseguiu dar a volta por cima dos seus problemas sem que ninguém percebesse como é que tal tinha acontecido. Simplesmente acontecia, naturalmente. É precisamente a esse fenómeno que estamos a assistir por terras de Sua Majestade. A cultura Espanhola é substancialmente diferente da Portuguesa e nota-se nestas coisas. Para além de toda uma forma diferente de reagir aos efeitos da crise ao longo de todo este tempo dá-me a ideia que as pessoas estão fartas da crise e simplesmente começaram a fazer coisas. Sem mais, só assim. Venho a assistir a um certo dinamismo e optimismo em vários meios nos quais me movimento, algo que, devo dizer, deixa-me muito contente. Os números realmente vêm espelhando as melhorias.

Em tempos idos o ministro Don Manuel Fraga Iribarne, então ministro do turismo, lançou uma campanha para promover o turismo no Reino que tinha como slogan "Spain is different". Este slogan manteve-se na memória de muitos até hoje sendo usada muitas vezes tanto por nacionais como por estrangeiros. A peça do FT a que aludo acima usava-a como remate da secção destinada à situação Espanhola. Se calhar Espanha é mesmo diferente...

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Dr. Tavares Moreira
E nós, quando é que criamos condições para atrair investimento?

Diogo disse...

Zuricher: «A cultura Espanhola é substancialmente diferente da Portuguesa e nota-se nestas coisas. Para além de toda uma forma diferente de reagir aos efeitos da crise ao longo de todo este tempo dá-me a ideia que as pessoas estão fartas da crise e simplesmente começaram a fazer coisas. Sem mais, só assim.»


Santa ingenuidade! Você tem alguma ideia acerca das manifestações violentas que têm rebentado por toda a Espanha?

Zuricher disse...

Caro Diogo, não apenas vivo em Espanha como sou cidadão Espanhol. Penso que isto responde à sua pergunta. E não, não têm rebentado manifestações violentas por toda a Espanha. Neste momento os problemas são com os estudantes por causa da nova lei para a educação. Nada a ver com as manifestações (essas sim muito mais generalizadas embora o grosso da coisa tivesse sido em Madrid - para minha infelicidade quase à minha porta) e policia de intervenção nas ruas como sucedeu há entre um e dois anos.

Mas sempre lhe digo que as manifestações violentas em Espanha não me assustam por aí além. Primeiro porque a polícia dá bem conta delas e a seguir porque na remotissima hipótese de a Policia não conseguir faze-lo o Exército intervem.

António Rodrigues disse...

Exmo Senhor Dr. Tavares Moreira
O artigo de opinião de V. Exa encerra sensatas preocupações e realidades. Meditando sobre o 7º parágrafo, pergunto-me: que estranho País!; que estranho Povo que parece andar embebecido, na adoração de “cavalos de Troia”. Em relação ao investimento estrangeiro, não podemos entusiasmar ninguém, enquanto, por exemplo, for necessário, para pôr uma nova empresa a funcionar, passar por doze pareceres prévios, qualquer deles eliminatório. Toda a gente sabe disto mas ninguém faz nada para acabar com esta burocracia. E porquê ? Não vale a pena dar a resposta, porque toda a gente a conhece. Isto para já não falar na ausência de Estado de Direito ou, se se achar muito radical esta constatação, na promiscuidade entre a política e a justiça. Ainda há muito pouco tempo se reforçaram muitas desconfianças dum passado recente…
Aceite os meus respeitosos cumprimentos

Gonçalo disse...

O problema de Espanha é o de todos os outros Países. Em 2012 o défice público foi superior a 10% do PIB. Considerando que o Estado gere 50% do PIB, aquilo significa que gasta mais 20% do que recebe em impostos e taxas. Ora, sendo assim, há um valor de 10% do PIB que virá de investimentos externos e que se junta à dívida pública só num ano.
Tanto dinheiro do exterior e a Espanha crece 0,7%...
Quando chegar o dia de pagar é que vão ser elas...
Não só deixa de entrar aquela "massa" como passará a ter que sair outra. Os juros e as amortizações. E isto num "ambiente" económico em que o desemprego é monstruoso...
Nesse dia, será cada um por si e o EURO já era...
A não ser que se tomem decisões HOJE e agora, os problemas que temos em Portugal serão os problemas de todos os países desenvolvidos que vivem em défice e sobre dívida numa economia que - infelizmente - só pode cair. Nunca crescer.

Tavares Moreira disse...

Caro opjj,

Repare que eu cito factos, não hipóteses. Por isso, dizer "oxalá fosse assim" soa bastante a falso.
Concretamente:
- Duvida que as exportações oara Espanha tenhma crescido 8% (aliás 8,8%) até Agosto?
- Duvida que a taxa de desemprego em Espanha tenha vindo a diminuir nos últimos 6 meses?
- Duvida que a actividade económica possa registar uma melhoria no 3º trimestre do corrente ano?
- Finalmente, não acredita na notícia do investimento efectuado por Bill Gates na FCC?
Caso duvide, compreendo o seu "oxalá". Mas para duvidar, uma vez que se trata de informações publicadas e não desmentidas, será necessário explicar o porquê da dúvida, não lhe parece?

Caro Carlos Monteiro,

Talvez tenha razão, ainda nos falta criar um Vice-Ministério para a Suprema Felicidade Social, seguindo as pisadas do governo venezuelano segundo noticia imprensa de hoje...

Caro António Rodrigues,

Ao ler o seu comentário, ocorreram-me algumas pasagens de um livro, cuja leitura vivamente recomendo, da autoria do jornalista da SIC José Gomes Ferreira, que explica, de forma impressionante, as razões estruturais que explicam o péssimo desempenho do investimento em Portugal...

Caro Gonçalo,

Por muitos problemas que a Espanha tenha, e certamente tem para resolver, a realidade que mencionei parece ser insofismável...

Bartolomeu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bartolomeu disse...

Tera este investimento de Bill Gates, o efeito de decifrar o métudo de recuperar a ecónomia espanhola e do sector da construção em especial, como teve a pedra de Roseta na compreensão dos hieróglifos egípcios?!

Tavares Moreira disse...

Caro Bartolomeu,

Levanta uma oportuna e interessante questão: o impacto do investimeto de Bill Gates no mistério da recuperação da economia espanhola, que tanto intriga (e nalguns casos incomoda, mesmo) certos comentadores...
Pertima-me que introduza aqui um cenário hipotético que nos pode dar uma pequena luz sobre o tema em análise: suponha que era noticiada, com grande pompa mediática, a aquisição de 50% do velho FUSO, de Arruda, por Bill Gates...
Já imaginou as filas intermináveis de clientes que iriam formar-se à porta do velho FUSO, chegando à portagem para a A10, ansiosas por almoçar ou jantar no restaurante de Bill Gates?
Não sendo um acontecimento provável, também não será totalmente impossível...assim, antes que tal possa suceder, parece-me que o melhor será despacharmo-nos e solicitar ao Pinho Cardão que promova, para o FUSO, sem mais demora, o repasto quarto-republicano há tanto tempo aguardado...

Carlos Monteiro disse...

Já que fala da Microsoft no seu post, o problema se calhar está no Excel, que insiste em não bater certo...

Bartolomeu disse...

Inteiramente de acordo, caro Dr. T. Moreira. E quanto antes... sei lá se o Sr. Bill frequenta o Quarta e acha interessante investir no velho Fuso. Nessa eventualidade, veríamos seguramente (ai... que esta palavra é tabu) logo à entrada do Gate, a bill do restaurante agravada pelo pacto de fomento-bacalhal.

Tavares Moreira disse...

Caro Carlos Monteiro,

Eu não falo da Microsoft no Post, é curioso... começo assim a perceber melhor a razão de alguns dos comentários de Vosselência...

Carlos Monteiro disse...

Não seja preciosista. Obviamente que percebe a minha alusão.

Tavares Moreira disse...

Não percebo, Caro Monteiro, não percebo de todo!
Se a Microsoft nada tem a ver com o investiemtno feito na FCC porque carga de água haveria eu de falar na Microsoft? Essas generaliações e qualificações - agora de "preciosista", para variar - revelam uma sintomatologia preocupante...os senhores, com a devida vénia, não estarão vendo fantasmas por todo o lado?

Carlos Monteiro disse...

Oh Dr. Tavares Moreira, o meu caro lembra-me o José Sócrates: não perde uma boa briga.

Tavares Moreira disse...

Desta vez tem mesmo piada, caro Monteiro, eu fazer-lhe lembrar o famoso Eng.º...
Pois lhe digo que até me sinto promovido...sobretudo depois de, segundo me contaram, um ex-PR - que se tem notabilizado ultimamente por tiradas absolutamente fora do comum - ter afirmado, em luzida cerimónia, que o dito Eng.º havia concluído sua licenciatura em Conimbriga, com altas classificações!
Essa fez-me recordar uma famosa tirada do mesmo ex-PR, em Espanha, há meia dúzia de anos, durante uma homenagem que lhe foi tributada por diversas personalidades asturianas, quando afirmou "Estoy embarazado"! Claro está que a assistência rompeu em sonoras gargalhadas, mas o ex-PR só se apercebeu da graça que lançou, quando lhe explicaram, minutos mais tarde, o sentido específico da expressão que utilizou...
Caro Carlos Monteiro, com esta deixou-me mesmo bem disposto!

Suzana Toscano disse...

Acho muito mal que os caros Tavares Moreira e Bartolomeu andem aqui a dar ideias a Bill Gates a propósito do Fuso, ou querem começar a comer hambúrgueres em vez do belo bacalhauzinho dos retrógrados portugueses, hein? Venha lá o convívio, enquanto é tempo.:)

Carlos Monteiro disse...

Caramba, há poucas personagens assim, não há, caro Tavares Moreira? Ainda o estou a ver à janela do autocarro a gritar »oh Sr. Policia, saia da frente!».

Este fica com um capítulo inteiro da História de Portugal para ele. Não vai ser uma nota de rodapé, não.

Tonibler disse...

Nisso tenho que concordar com o camarada Monteiro. Mário Soares ficará com boa parte do capítulo da história de Portugal "A falsa república - De potência mundial ao desaparecimento dos mapas". Se há personagem que caracteriza o Portugal da aristocracia de estilo africano é Mário Soares e a sua influência sobre todo o estado português, à forma como acaba na falência por um festival de peculato colectivo, pela forma macaense de gestão dos recursos públicos,....

Tavares Moreira disse...

Cara Margarida,

Só agora reparei que me escapou seu comentário...que haverei de dizer?
Suspeito que esses mesmos investidores tenham acesso à imprensa portuguesa e concluam: aí não meto nem um cêntimo...

Caro Monteiro,

O interessantíssimo cenário que descreve só não é possível, infelizmente, porque eu não grito, muito menos na circunstância hipotética que descreve...
Isso, ou seja a actividade de gritar contra os que cumprem os seus deveres profissionais, é exclusivo dos democratas puros e de casta superior...eu não atinjo esse patamar.

Caro Tonibler,

Ora aí temos mais uma excelente síntese do projecto de desintegração do Estado luso e dos seus talentosos arquitectos...

Cara Suzana (e Bartolomeu),

Julgo que é chegado o momento de dizer "para o FUSO, rapidamente e em força"...e antes que Bill Gates o americanize!
Quem trata disso, uma vez que Pinho Cardão mantém o mais completo silêncio?

Bartolomeu disse...

Caro Dr. T. Moreira, não há forma de contactar o nosso amigo Dr. Pinho Cardão? Será que teremos de recorrer a afixação de edital? ;)
Se eu tivesse os endereços eletrónicos, contactaria todos os confrades, os que já participaram em anteriores reuniões e os que ainda estão em falta.
Mas como não tenho... só posso fazer a marcação da mesa, para o dia e hora que ficar estabelecido.

Tonibler disse...

Podemos fazer uma manifestação espontânea convocada por SMS com o título "Que se lixe a costeleta, eu fico-me pelo bacalhau..."

Carlos Monteiro disse...

Oh meu caro, eu descrevia o dito ex-presidente na famosa presidencia aberta da região de Lisboa.... voce leva tudo muito a peito!

Tavares Moreira disse...

Caro Tonibler,

Essa mensagem, no cenário do FUSO, até fica na perfeição...

Caro Monteiro,

Acha que não o entendi? O Senhor nunca usa meias palavras, exprime-se sempre na perfeição, essa virtude não lhe posso negar!
Foi claríssimo, e a minha reacção não foi do tipo "levar a peito", foi simples, serena, desportiva e e espontânea...quer mais?