Número total de visualizações de página

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

"Sexta-feira de manhã"...

Não me lembro de ter uma sexta-feira de manhã livre. Aconteceu. Com tanto agendamento e contra agendamento deu nisto, inesperadamente fiquei livre numa sexta-feira de manhã. Quando acontece algo parecido, ser livre no tempo, fico confuso e sem saber o que fazer. Hoje é um dia desses em que não sei usar a liberdade. Ser escravo é um hábito, uma necessidade mesmo, uma forma de viver, de fazer algo, de construir, de ajudar, de trabalhar, de imaginar, de pensar, de ensinar, de escrever, de ver, de descrer e de tentar crer na liberdade. Quando uma manhã de sexta-feira acorda sem me obrigar a fazer nada, fico confuso, desorientado, angustiado. O que fazer? Vou sair, vou beber um café, vou gastar o tempo, espero que passe depressa. Sento-me e olho para as outras pessoas, sentadas, também. Olho-as e tento ver o que pensam e o que gostariam de fazer. Nada. Vazios. Pessoas vivas e vazias. Sem expressão, sem nada para fazer. Leem. Conversam. Fazem compras. Olham para o vazio. Não sabem caçar, não precisam de caçar. Estão sentados, vazios, à espera de nada. Assustam-me. Não gosto. Prefiro a agitação, a preocupação e a frustração de uma vida sem sentido, mas cheia, cheia de muitas coisas, que aqui, neste espaço, parecem ter desaparecido. O café é bom. Eu gosto imenso de café. O espaço é agradável, limpo, cuidado, confortável, mas vazio de ideias, de sensações e de ambições. As almas que por aqui andam devem ter encontrado o seu purgatório. O purgatório deve ser igual a isto, mas se for só tem uma vantagem, ter um bom café para beber, porque quanto ao resto, Deus me livre ter de acabar os meus dias desta forma. E pelo andar da carruagem já me livrou com toda a certeza.
Que se lixe!
Que se lixe a manhã de uma sexta-feira,

3 comentários:

Tavares Moreira disse...

Uma excelente ideia - escrever este Post - para ocupar parte do seu tempo de 6ª Feira, caro Professor!
Já agora, em sede do "que se lixe", cabe lembrar a frase que está fazendo moda, "Que se lixe a Troika"...
Até porque, não tarda muito e o grupo que a usa como lema e bandeira será mais um parceiro social, para por um pouco mais de animação nas reuniões meias cinzentas da Concertação Social...

Tavares Moreira disse...

Uma excelente ideia - escrever este Post - para ocupar parte do seu tempo de 6ª Feira, caro Professor!
Já agora, em sede do "que se lixe", cabe lembrar a frase que está fazendo moda, "Que se lixe a Troika"...
Até porque, não tarda muito e o grupo que a usa como lema e bandeira será mais um parceiro social, para por um pouco mais de animação nas reuniões meias cinzentas da Concertação Social...

Suzana Toscano disse...

É sempre difícil mudar de hábitos de vida e baralhar o que nos permite perspectivar cada dia. A reprogramação leva tempo e cria angústia, sentimento a que milhares de portugueses se estão a adaptar seja por ficarem sem emprego seja por se verem reformados muito antes do que previam, seja por ficarem sem dinheiro para as ocupações com que preenchiam os seus tempos livres. Por ficarem velhos também.