Número total de visualizações de página

sábado, 9 de novembro de 2013

"Castanhas"...

Frio. Nevoeiro. Sinto o cheiro de castanhas a serem assadas. Olho e vejo o dançar do fumo a subir, a cantar e a alegrar na noite escura. Passo. Vejo o assador, a chama deslumbra um miúdo e o odor convida-me a tocar-lhe. Aproximo-me, o fumo irrita o nariz. Pergunto o preço e o senhor diz. Olho para a moeda que trago na mão. Com pena minha troco-a pelo cartucho onde cabem uma dúzia de castanhas, quentes, saltitantes, esbranquiçadas, suaves, doces, carnudas, prestes a fazer as delícias de qualquer um. Fiquei sem a moeda. Fiquei triste. Fiquei com um cartucho feito de páginas de um jornal cheio de castanhas quentes, doces, carnudas, maravilhosas. Uma após outra ia enchendo a boca. Mordia-lhes com prazer. Dançava com elas na boca. Deglutia-as depois de as mastigar como devia. Cheguei a casa ainda com algumas. Empanturrado pela secura causada pelas castanhas, atrevi-me a pedir qualquer coisa para beber. Recebi autorização para beber o mais adequado. Bebi jeropiga. Combinação pura, doce, suave, que ainda perdura. Foi há tanto tempo que ainda me lembro. Lembro a noite fria e escura. Lembro-me do assador vermelhos, do fumo que provocava estertor e que me fazia chorar de dor. Lembro-me como se fosse hoje. Lembro-mo do seu sabor e do seu calor. Lembro-me da mistura das castanhas com o suave ardor da jeropiga. Uma delícia. Perdi a bela moeda de alpaca, mas fiquei com um das mais belas recordações da minha vida, comer uma dúzia de castanhas a anunciar outras ocasiões em que a castanha passou a ser rainha e senhora das minhas ambições. Uma maldição que atormenta o meu coração. Maldita seja a doença que impede que saboreie a maior perdição da minha vida.

5 comentários:

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Caro Professor Massano Cardoso
Abri ontem a "época". As castanhas estavam bem assadas, muito saborosas. Não fui à sua procura, surgiram-me ao virar de uma esquina. Uma boa surpresa. Não tive a sorte de as acompanhar com uma jeropiga!

just-in-time disse...

Pergunta de eng. químico: se a refeição tiver tido muitos hidrocarbonatos de absorção lenta, umas castanhitas não passam incógnitas no trato intestinal, mesmo com 3cl de jeropiga?

just-in-time disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Salvador Massano Cardoso disse...

Passam, passam. É o passas!!! Uma chatice, absorve-se a jeropiga e os HC das castanhas, mas há truques...

just-in-time disse...

É o que se chama "Uma magna porra!"
E não há maneira de iludir o organismo?