Número total de visualizações de página

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

É por estas e por outras...

... que grande parte dos portugueses perde a esperança.
O Dr. Marques Guedes, ministro da Presidência que reconheço como pessoa sensata e ponderada, teve há pouco uma intervenção que me deixou perplexo (sim, ainda não estou suficientemente anestesiado), por ser ele a protagonizá-la e pelo alcance do que disse. E disse duas coisas espantosas. A primeira, que por não envolver mais transferência de dinheiro para Portugal, um eventual programa cautelar não tinha que contar com consenso partidário alargado. A segunda, que a decisão da Irlanda de dispensar este tipo de apoio, deixou Portugal sem "referência".
A primeira afirmação é, em qualquer contexto, um absurdo. O Governo que toma a iniciativa de propor uma reforma do Estado como condição para furtar Portugal a mais intervenções externas a prazo, que sabe que essa reforma não será possível sem um amplo consenso partidário, considera dispensável esse consenso quanto às medidas que viabilizem uma ainda relativa autonomia face aos mercados que nos têm de continuar a alimentar? É um paradoxo, não faz sentido, sobretudo depois do Senhor Presidente da República ter há já alguns meses chamado a atenção para a necessidade estrita de a classe política se convencer que o pós-troika terá de assentar no maior denominador comum possível.
Pior só mesmo o único significado que se pode extrair da afirmação de que Portugal ficou sem referência para negociar um programa de transição, dado que a Irlanda vai subscrever nenhum. Este desapontamento do Governo, manifestado pelo Senhor Ministro da Presidência, faz-me lembrar o do aluno que não estudou na certeza de que o colega que se senta ao lado o vai deixar copiar a prova, sem por a hipótese de este ficar dispensado dela!
Mas o que me deixa mais abismado é a perceção de que, afinal, o senhor PM e a senhora MF falavam a sério quando diziam que nada estava "em cima da mesa" em matéria de programa cautelar, pese embora estarmos a escassos meses do fim do programa de assistência financeira. Nada, pelos vistos. Nem um guiãozinho. Somente a expetativa de a Irlanda nos mostrar como seria.
Enfim...

3 comentários:

Pedro disse...

é ao que estamos entregues...infelizmente

Logo precisamente no momento historico que exigiria politicos determinados e com objectivos sensatos...temos isto!

com todo o acumular de "tiros nos pés" (de Relvas, a Machete, irrevogabilidades, etc,etc,etc) começo a achar que mesmo porpositadamente seria muito dificil conseguir pior q isto...infelizmente!!!

Tonibler disse...

Ao contrário do que muita gente pensa, incluindo o PR, este governo tem um mandato popular inequívoco e reúne todo o consenso que te que reunir, 2800000 pessoas, daquelas que interessam mesmo. Nunca houve necessidade de outro consenso que não fosse esse nem nunca percebi porque é que alguém eleito com menos meio milhão de votos e sem legitimidade para isso como o Cavaco tanto insistisse para que o partido dele aparecesse nesse consenso.

Quanto ao resto, é óbvio que isto é um problema para o estado português e mostra os custos do atraso em que o PR nos colocou. Como dizia alguém há uns tempos, não somos a Grécia mas temos o cavaco... Agora ficou pior.

Suzana Toscano disse...

De facto, caro ferreira de almeida, do mesmo modo que nos gabámos imenso de ter um programa de ajustamento "melhor" do que o da Grécia (lembram-se? Parece que a grande diferença era que o nosso dava muito relevo ao crescimento...) podíamos ir à boleia da Irlanda para nós limitarmos a comparações poupando-nos o trabalhão de um desenho original e respectiva dificuldade de negociação e fundamentação.