Número total de visualizações de página

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Verduras nocivas

Quero esverdear todas as políticas públicas.
Jorge Moreira da Silva, Ministro do Ambiente
Deixe-se de verduras e derivadas, Senhor Ministro. Defina e concretize é boas políticas públicas, ao serviço dos cidadãos, da produtividade, das empresas e do emprego, e ponha de lado as cores que lhe possam mais agradar. O Senhor Ministro é ministro dos portugueses de todas as cores, e não da sua cor preferida. 
Reflicta particularmente nos estragos que causa à competitividade a energia verde eólica socrática, que tomou como sua. 
E ponha de lado também essa novela da fiscalidade verde que já nos quer começar a servir. 
Governar não é procurar títulos de jornais ou colorir de verde a negra situação existente. Porque, apesar da coloração exterior, isso só diminuirá a esperança em melhores dias.   

24 comentários:

Bartolomeu disse...

Vai ver, caro Dr. Pinho Cardão, que estes verdes desejos do Senhor Ministro, não são mais que o reflexo da preocupação com os cortes de energia que a EDP tem efectuado nos bairros degradados da periferia do Porto, de Lisboa e Setúbal.
Ou então... aprendeu recentemente a modinha popular:

Ai! Verdinho, meu verdinho
Já saíste da videira
Escorrega devagarinho
Apaga-me esta fogueira

Que importa o verde ser verde
Se nos faz cantar na rua
Ai! Verdinho, meu verdinho
Não há cor igual à tua

Ai! Verdinho, meu verdinho
Ouve bem o que te digo
Não há pedras no caminho
Quando tu andas comigo

Que importa o verde ser verde
Se nos faz cantar na rua
Ai! Verdinho, meu verdinho
Não há cor igual à tua

Ai! Verdinho, meu verdinho
Só tu és o meu amor
Só o verde bem verdinho
Vai à mesa do senhor

Ai! Verdinho, meu verdinho
Esquecer-te não há maneira
Tu pra mim és pão e vinho
E cor da minha bandeira

Ou então... os chineses já lhe puseram os olhos em bico...

Henrique Pereira dos Santos disse...

Caro Pinho Cardão,
Penso que não tem razão.
1) Ao contrário do que diz, ninguém ainda demonstrou os estragos das renováveis na competitividade (veja bem onde estão as rendas e outras coisas que tais e chega rapidamente à conclusão de que o problema não são as eólicas), isto admitindo que a electricidade cara é um problema de competitividade importante, situação em que provavelmente líbia seria mais competitiva que a Dinamarca, mas não vou entrar por aí);
2) A fiscalidade verde pretende desonerar fiscalmente o trabalho, onerando o uso de energia (em traços largos). Tem alguma razão para achar que os impostos sobre o trabalho dão melhores efeitos económicos que os impostos sobre o consumo de outros recursos?
3) Ser favorável a políticas verdes beneficia os portugueses de todas as cores.
Henrique pereira dos santos

Carlos Sério disse...

Caro Pinho Cardão,
As eólicas não são um mal em si mesmo. As negociatas das eólicas isso sim é um mal que estamos a pagar com língua de palmo.
Quanto ao resto, o meu acordo.

António Barreto disse...

Bem dito!

murphy V. disse...


"Quero esverdear todas as políticas públicas"

Pode ser um elogio (piropo nunca!) à Eloísa Apolónia...

:)

Cumprimentos

Bartolomeu disse...

Este país está sempre a jeito para adorar "bezerros de oiro" e ha sempre um Aarão prontinho para os fazer.

Henrique Pereira dos Santos disse...

Suponho que conhece, até por ser muito velhinho:
http://www.uvm.edu/~gflomenh/ENRG-POL-PA395/readings/Porter_Linde.pdf
henrique pereira dos santos

Diogo disse...

O Sr. Jorge Moreira da Silva tem estampado na cara aquilo que é. Quando o vejo na televisão, mudo de canal...

Floribundus disse...

está verde ... deve ser do Sporting

devem comer verduras. a celulose evita o colesterol

Suzana Toscano disse...

Pronto, lá vamos nós dar o exemplo ã Europa que, ao que consta, anda a recuperar o uso do carvão.

Pinho Cardão disse...

Caro Henrique Pereira dos Santos:
Sinteticamente:

1. Diz que ainda ninguém "demonstrou os estragos das renováveis na produtividade".
Bom, mas eu no post referi-me simplesmente aos estragos das eólicas na produtividade, e o conceito de eólicas é bastante mais restrito. E esses estragos estão bem demonstrados e traduzem-se em sobrecusts que me custa a perceber como não são reconhecidos. Acontece que têm que ser pagos, ou nas tarifas ou através do défice tarifário.

Os sobrecustos das eólicas devem-se ao facto de terem necessidade de duas muletas, a muleta térmica, de dia, como backup, pois se não houver vento o consumo terá que ser satisfeito através das tais térmicas, e a bombagem, de noite, para acumularem a energia produzida de noite quando há vento e não há consume.

Ora uma rede e um parque electroprodutor têm que ser dimensionados para a hora de maior consumo anual. Ora, nessa ponta anual de consumo,pode não haver vento e portanto lá teremos que ter uma potencia térmica instalada que praticamente não entra em conta com a potencia eólica instalada que não servirá de nada por não haver vento.

Assim, há que fazer um mix de fontes de energia que minimize o seu custo. A questão é que a potência eólica instalada já ultrapassou todos os níveis de racionalidade, acarretando, por isso, sobrecustos injustificados, pelo recurso às "muletas" acima citadas.

Por outras palavras, o desmesurado e ruinoso investimento nas eólicas traduz-se numa tremenda redundância de capacidade instalada e nos consequentes custos fixos de investimento, que pagamos nos CMECs!

2.Quanto à comparação com a Líbia, acho que é uma infeliz tirada do meu amigo.
O que afirmou é um erro económico e técnico crasso, pelo que me abstenho de contestar o que o meu amigo sabe muito bem.

Pinho Cardão disse...

Caro Carlos Sério:
1. Dentro de determinado limite(ver comentário anterior), as eólicas não são um mal. Acontece que, tendo, em Portugal, sido largamente ultrapassado esse nível, as eólicas são um efectivo e intolerável mal.
2. Acresce ao mal, que Portugal quis ser pioneiro. E os pioneiros pagam caro o investimento e o experimentalismo. E, no caso português, ainda pagamos super rendas aos investidores. De um investimento sem riscos, pois toda a energia produzida é paga, seja ou não vendida.

murphy V. disse...

Uma "achega" acerca do impacto das renovaveis na competitividade:

Quem vai pagar os cerca de 4.000.000.000 € parqueados no défice tarifário?

Que continua a subir porque, apesar, dos aumentos tarifários brutais dos últimos anos, o sistema não está a cobrir os custos.

http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/10/portugal-e-relacao-de-causa-e-efeito.html

Henrique Pereira dos Santos disse...

Caro Pinho Cardão,
O problema da sua resposta (tirando o que diz respeito à Líbia, que posso reformular sugerindo que faça uma lista das economias mais desenvolvidas do mundo e ao lado faça a lista do preço da energia e verá que há muito pouca relação entre preço baixo da energia e competitividade económica, e a explicação está no artigo clássico que citei no outro comentário) tem o problema de não ter números.
Eu conheço essa argumentação, mas simplesmente não é verdade que tenha de ter térmica instalada (poderíamos discutir se a potência a mais está na térmica ou noutro lado qualquer) para períodos de ponta, porque a térmica serve para os consumos base dada a sua falta de flexibilidade.
Neste momento, com os preços pagos às últimas eólicas instaladas (estamos mais ou menos de acordo em relação às primeiras tarifas eólicas, mas estão perto dos quinze anos a partir dos quais entram no mercado ao preço de mercado, deixando de ter tarifas garantidas), elas são perfeitamente competitivas com as alternativas (tirando a grande hídrica) ao preço a que está o petróleo.
Isto é, se retirar a eólica tem de ir comprar energia, não ao preço médio, mas ao preço marginal, e esse é na ordem de grandeza das eólicas.
Acresce que elas representam uma almofada de amortecimento da volatilidade dos preços do petróleo, pelo verificar a sua competitividade instantaneamente em vez de ao longo do seu ciclo de produção, só pode dar asneira.
Sobra o argumento sistematicamente repetido pelo lobby nuclear da energia desperdiçada ou vendida ao preço zero, mais as contas criativas feitas a esse respeito. O negócio da bombagem nocturna é um excelente negócio, mesmo tendo em atenção a tarifa das eólicas. É que o preço de venda em hora de ponta é ainda interessante face à tarifa da eólica.
Faça uma análise económica com números reais (em vez de discutir dias pontuais) e verá que as rendas do sector eléctrico de que se fala não são as das eólicas, são as do fotovoltaico, as da cogeração, as da biomassa e várias alcavalas metidas nas fósseis tradicionais, incluindo esse pagamento por disponibilidade das térmicas, de que fala (e que eu também acho que devia ser cortado).
henrique pereira dos santos

jotaC disse...

Muito bem, caro Drº Pinho Cardão!

Henrique Pereira dos Santos disse...

Já agora, só para nos lembrar de que não só os compromissos do euro são compromissos que o país tem de respeitar:
"Objetivo prioritário n.º 2: Tornar a UE uma economia hipocarbónica, eficiente na utilização dos recursos, verde e competitiva
27. A iniciativa emblemática «Europa eficiente na utilização de recursos», da Estratégia Europa 2020, visa apoiar a transição para uma economia que seja eficiente na forma como utiliza todos os recursos, dissocie em absoluto o crescimento económico da utilização de recursos e de energia e dos seus impactos ambientais, reduza as emissões de gases com efeito de estufa, reforce a competitividade através da eficiência e da inovação e promova maior segurança energética. O roteiro para uma Europa eficiente na utilização de recursos e o roteiro de transição para uma economia hipocarbónica competitiva são pedras angulares da iniciativa, definindo o quadro para futuras ações a empreender na mira destes objetivos.
28. É necessária, em toda a economia, inovação que melhore a utilização eficiente dos recursos, a fim de aumentar a competitividade, num contexto de encarecimento, escassez e restrições crescentes à oferta de recursos. O setor empresarial é o principal motor da inovação, inclusive da ecoinovação. No entanto, os mercados, por si sós, não produzirão resultados. É essencial uma ação das autoridades, a nível da União e dos Estados-Membros, para proporcionar as condições corretas de enquadramento da ecoinovação, estimulando o desenvolvimento de soluções empresariais ou tecnológicas sustentáveis para os desafios ambientais."

Pinho Cardão disse...

Caro Henrique Pereira dos Santos:
Comentar longamente o que refere não se compadece, neste caso, com o espaço de comentários de um Blog.
Por isso, deixo-lhe uma apresentação teórica e um exercício prático.
1- Comprovação teórica:
Vide artigo Contributo para os Cenários de Avaliação económico-tecnológica relativos à eventual instalação de novas potências eólicas em Portugal- Prof. Eng. Clemente Pedro Nunes e Eng. Pedro Sampaio Nunes em artigo na revista Energia e o Futuro-Março-Maio 2013.
Em síntese, como noutro artigo diz o Prof. Clemente pedro Nunes:

"É pois de sublinhar que o mix electroprodutor português está já hoje completamente desiquilibrado, com uma percentagem excessiva de renováveis intermitentes e incontroláveis (eólica e solar fotovoltaica) o que o torna extremamente incompetitivo.

A sustentabilidade económica de Portugal, e a necessidade de se promover uma política séria de apoio às exportações de bens directamente transaccionáveis exigem pois que esta situação não se agrave ainda mais, e que seja mesmo rapidamente revertida".
E ainda:
"qualquer nova potência eólica a instalar, devido à sua incontrolável intermitência, exige já hoje uma triplicação dos investimentos em relação à mesma energia final efectivamente consumida pela actividade económica.
Esta triplicação do investimento baseia-se na necessidade complementar de se investir em centrais hídricas de bombagem para “ armazenar “ electricidade, e ainda em centrais de ciclo combinado a gás natural que na prática se destinam a assegurar a satisfação da procura, isto é, sem o risco de “apagões”, face a uma produção eólica com flutuações frequentes de muitas centenas de MW. Para além do facto da potência eólica instalada só ser utilizada na prática cerca de 22% do tempo, o que é logo à partida um enorme sobrecusto sobre os custos financeiros utilizados (CAPEX).
O desperdício de recursos financeiros que tal situação gera é de tal ordem que urge congelar o investimento em novas potências eólicas, concentrando todos os esforços em tentar rentabilizar as já instaladas, o que só por si não será nada fácil.
Sublinhe-se que o aumento exponencial dos juros do endividamento que se registaram nos últimos três anos, tornaram esta opção ainda mais dramaticamente errada, e um fardo terrível para a competitividade da economia portuguesa.

Note-se complementarmente que, esta triplicação de custos de capital vem acompanhada duma redução da eficiência energética global pelo consumo interno de fontes de energia primária, que são assim desperdiçadas, tanto em termos da bombagem da armazenagem hídrica, como em termos da redução da eficiência das centrais a gás natural que servem de “backups” às eólicas, e que assim têm frequentes e muito pronunciadas oscilações de produção, com todos os problemas operacionais daí decorrentes".

2. Exercício prático:

ESTRUTURA DA FACTURA BT

Descrição Estrutura
(%) Valor
(€)
CUSTO EFECTIVO DA ENERGIA ELÉCTRICA CONSUMIDA % Valor

(energia e potência) 29,98% 74,43 euros
AUDIOVISUAL E DGGE 1,87% 4,64 euros

ACESSO ÀS REDES 16,40% 40,73 euros
CIEG (custos de interesse económico geral) 33,30% 82,69 euros
IVA 18,45% 45,81 euros
TOTAL 248,30
Consumo de Energia Eléctrica (kWh) 1185,00 kWh
Potencia Contratada (kVA) 13,80
Valor Unitário Consumo (€/kWh) 0,21

Os CIEG significam a terça parte da factura e verifica-se que as eólicas são a principal contribuição.

Pinho Cardão disse...

Caro Henrique Pereira dos Santos:
Segundo informação que procurei obter, estão controlados todos os nossos compromissos europeus, à excepção de uns dois de impacto relative.
O problema são os custos que vamos pagando…mas , pelos vistos, há quem o faça com gosto…

Henrique Pereira dos Santos disse...

1) Obrigado pela demonstração de que o combate às eólicas é feito sobretudo pelo lobby nuclear e não numa base económica numérica, mas com base em conversa fiada sem números reais;
2) Verifique bem o que são os custos de interesse geral, antes de os imputar às eólicas, em especial, para o que interessa ao seu argumento, no caso dos consumidores não domésticos. Na verdade esses custos são, no caso da média tensão, 33% os sobrecustos de energia em regime especial, mas que não incluem renováveis, 16% de sobrecusto para as regiões autónomas, 37% para centrais térmicas e hídricas em regime ordinário e 14% de outros custos (sem renováveis); no caso da BT para clientes industriais, 26% de rendas aos municípios, 19% em regime especial (não renováveis); 19% Regiões autónomas; 26% térmicas e hídricas em regime ordinário (contratos de aquisição, manutenção do equilíbrio contratual e garantia de potência)e 11% outros custos. Só no caso dos domésticos é que entram sobrecustos com renováveis (9% dos CIEG) e se quiser posso dar-lhe as percentagens dos restantes 81% dos CIEG.
Como vê, a desinformação nesta matéria é muita (aqui, se quiser verificar os dados http://www.erse.pt/pt/electricidade/tarifaseprecos/precosdeelectricidade/Documents/Nota%20Composição%20Preços%20Electricidade%20(CIEG).pdf).
As rendas de que justamente fala a troica não são as renováveis, é o resto.
A origem desta desinformação é absolutamente clara: o lobby nuclear. Lobby legítimo, diga-se, eu é que sou um bocadinho mais exigente com as fontes de informação.
Mas tem razão, esta discussão não se compadece com este espaço.
henrique pereira dos santos

Henrique Pereira dos Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Henrique Pereira dos Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pinho Cardão disse...

Caro Henrique Pereira dos Santos:

1. Não pertenço, pertenci ou pertencerei a qualquer lóbi, muito menos nuclear.
2. A utilizar a sua linha de argumentação, diria que ela vem do lóbi eólico, ou do lóbi ambientalista e isso por si só seria suficiente para a desvalorizar: palavras e só palavras.
Mas que pagamos com língua de palmo.

Abraço

Henrique Pereira dos Santos disse...

Caro Pinho Cardão,
1) A referência ao lobby nuclear não é consigo, é com quem escreve o que citou, sem números para demonstrar o que diz;
2) Ao lobby das eólicas não pertenço, pertenço com certeza ao lobby ambientalista. Mas se reparou eu considerei o lobby nuclear perfeitamente legítimo, simplesmente sou mais exigente nas fontes porque no caso em concreto não há números que permitam uma discussão racional;
3) Penso que com a decomposição dos diferentes componentes dos CIEG (que no caso dos clientes industriais nunca incluem renováveis) acho que ficam muito claras as minhas dúvidas sobre a consistência de quem sistematicamente atribui esses CIEG para nos dizer que as renováveis prejudicam a competitividade;
4) Isso não me impede de concordar que a tarifa do foto-voltaico, da biomassa e da cogeração (nem falo das rendas por disponibilidade de garantia de potência) são anti-económicas, pese embora a mais que justa talhada que a cogeração já levou.
Com tempo chegaremos a uma base racional de discussão, assente em factos aceites pelos dois e verá que estamos menos longe do que parece.

Ilustre Mandatário do Réu disse...

Caro Henrique Pereira dos Santos,

Fico-lhe muito agradecido pelo seu serviço público nestes comentários.

Cumprimentos, IMdR