Número total de visualizações de página

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Contas externas até Nov/2015: petróleo continua a ajudar...


  1. A divulgação, ontem feita pelo BdeP, dos dados das contas com o exterior em 2015, até Novembro, mostra uma situação confortável que, como aqui tem sido assinalado, continua a dever muito à redução da factura do petróleo.
  2. Com efeito, o superavit conjunto das Balanças Corrente e de Capital atingiu € 3.650,2 milhares, um valor superior em 7,65% ao registado em igual período de 2014 (€ 3.391 milhares).
  3. No que respeita à Balança Corrente, a melhoria é mais expressiva, pois o superavit passa de € 1153,6 milhares em 2014 para € 1631,9 milhares em 2015, + 41,5%.
  4. Para o superavit da Balança Corrente concorrem:

(i)               Diminuição do défice dos Bens em 5,9%, passando de € 8326,5 milhares em 2014 para € 7.839 milhares em 2015;

(ii)             Melhoria do superavit  dos Serviços em 2,5%, passando de € 10.639,9 milhares em 2014 para € 10.910,1 milhares em 2015 (com destaque, como habitualmente, para a rubrica de Viagens e Turismo, cujo saldo positivo aumentou de € 6.569,9 milhares em 2014 para € 7.268,1 milhares em 2015, ou seja + 10,6%);

(iii)           Agravamento do défice dos Rendimentos, que passa de € 1.159,8 milhares em 2014 para € 1.439,2 milhares em 2015 (+ 24%);

  1. Quanto à Balança de Capital, o respectivo superavit em 2015, embora confortável, de € 2.018,3 milhares, continua a ser inferior ao de 2014, de € 2.237,5 milhares.
  2. Resta acrescentar que, subjacente a este conforto nas contas com o exterior, continua a estar o enorme ganho de termos de troca adveniente da forte queda do preço do petróleo: segundo o INE, a melhoria registada no saldo dos Bens, de € 691 milhares, com exclusão dos combustíveis transformar-se-ia num agravamento de -€ 1.177 milhares…
  3. …o que equivale por dizer que o efeito “bonanza” do petróleo, até Novembro, terá sido de € 1.868 milhares, superando o saldo positivo da Balança Corrente.
  4. Convém relevar, entretanto, que os dados do INE quanto à Balança de Bens são apresentados em versão CIF e os do BdeP em versão FOB - o que explica a diferença entre os resultados para melhoria da Balança de Bens num e noutro caso: € 691 milhões na versão INE e € 485,5 milhares na versão BdeP.
  5. Mas, mesmo na versão BdP, a exclusão do efeito dos combustíveis eliminaria, praticamente, o saldo positivo da Balança Corrente. A reter

  

7 comentários:

Alberto Sampaio disse...

Caro Tavares Moreira,

para ganhar duas vezes, o governo aproveita o petróleo estar a um preço baixo, para subir os impostos sobre os combustíveis. Para os Portugueses não há folga.

Carlos Sério disse...

Dette publique par État membre à la fin du troisième trimestre 2015

Les ratios les plus élevés de la dette publique par rapport au PIB à la fin du troisième trimestre 2015 ont été enregistrés en Grèce (171,0%), en Italie (134,6%) ainsi qu’au Portugal (130,5%) , et les plus faibles en Estonie (9,8%), au Luxembourg (21,3%) et en Bulgarie (26,9%).
Par rapport au deuxième trimestre 2015, vingt-et-un États membres ont enregistré une baisse de leur ratio de dette publique par rapport au PIB à la fin du troisième trimestre 2015 et sept autres une augmentation. Les baisses les plus marquées du ratio ont été relevées en Irlande (-2,7 points de pourcentage - pp), en Italie (-1,4 pp), en Bulgarie (-1,3 pp), en Finlande (-1,2 pp) ainsi qu’à Malte (-1,1 pp), et les plus fortes hausses en Slovénie (+3,3 pp), en Grèce (+2,1 pp) et au Portugal (+1,9 pp).
Eurostat

Tavares Moreira disse...

Caro Alberto Sampaio,

Evidentemente, também nesse plano a "bonanza" do petróleo permite mais um agravamento fiscal...que não será certamente o último, estou crente.
Mas, como acabaremos todos a andar de bicicleta ou a pé, o que até é bom para a saúde, no futuro esta tributação não fará qualquer diferença...

Alberto Sampaio disse...

A alternativa deste governo ao anterior é aumentar ainda mais os impostos.

Tavares Moreira disse...

Caro Alberto Sampaio,

Mas são as originalidades do Virar de Página, ou desse Tempo Novo anunciado, em tom profético, por um dos mais distintos candidatos à presidência da República.
Tempo Novo com soluções fiscais absolutamente gastas!
E estes agravamentos fiscais não vão adiantar nada, pois já se percebeu que este Orçamento não dura 6 meses, lá para o Verão teremos um Rectificativo em grande escala1
Enfim, tudo "déjá vu" com roupagens de Tempo Novo, uma lástima!

João Pires da Cruz disse...

Peço desculpa, mas as soluções fiscais não estão nada gastas. Não me lembro de ninguém ter orçamentado o não pagamento de uma dívida como uma redução de despesa. Pelo menos ninguém que ainda possa andar na rua.

Tavares Moreira disse...

Caro Pires da Cruz,

Receio que o meu ilustre amigo ainda não esteja suficientemente adaptado a este Tempo Novo, proclamado pelo candidato SdaN, doutro modo não estranharia que o não pagamento (ou o diferimento) de uma dívida constitua uma redução de despesa.
Temos que nos adaptar, estes tempos são outros, há o Cenário, o Virar de Página e muitas outras criações fundamentais, que vão projectar o País para a primeira plana dos mais desenvolvidos, fazendo esquecer todo um passado de penúria!