Número total de visualizações de página

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Virar de Página estende-se, suavemente, aos juros da dívida pública...


  1. Lentamente, suavemente, as taxas de juro da dívida pública voltam a subir, como ontem ficou demonstrado na primeira colocação (sindicada) de dívida em 2016, com o lançamento de um novo “benchmark” para os 10 anos (vencimento a 21.07.2016, cupão 2,875%), no montante de € 4 mil milhões, em que a taxa média ponderada da colocação ("re-offer yield") foi de 2,973%.
  2. Trata-se, para este prazo, da taxa mais elevada em emissões de dívida desde Novembro de 2014, altura em que a instabilidade política na Grécia agitava os mercados, atingindo, em especial, as dívidas dos países considerados mais vulneráveis.
  3. Também no mercado secundário as taxas (yields) têm vindo a registar uma tendência de subida ao longo das últimas semanas, situando-se agora em torno de 2,7%, já muito longe do mínimo de 1,5% atingido em Abril de 2015…
  4. Curiosamente, na colocação de dívida ontem efectuada, foi muito comentado o facto de se ter registado uma procura de € 12 mil milhões, limitando-se a colocação a € 4 mil milhões…
  5. …sendo fácil perceber, todavia, que, caso a colocação tivesse sido de montante superior, a taxa média teria superado os 3%, o que não deixaria de constituir um sinal de preocupação…mas quem sabe se não teria sido uma boa oportunidade pois pode vir a suceder que na próxima colocação a taxa seja ainda mais elevada…
  6. Tudo isto se passa apesar da enorme pressão para a baixa das taxas das dívidas públicas do Euro, que as sucessivas intervenções do BCE têm vindo a exercer e que vão continuar a exercer.
  7. Em conclusão, temos aqui mais um exemplo de aplicação do inspirado plano “Virar de Página”: só esperamos que, neste particular, o “Virar de Página” não vá muito longe, sob pena de acabarmos por ficar sem Página...

6 comentários:

Paolo Hemmerich disse...

E é assim, lenta e suavemente, que os eleitores portugueses, em poucos anos, terão de chamar os conservadores de volta ao governo, para desconstruir o arcabouço da legislação populista que a esquerda está a implantar, e que, obviamente, dará com os burros n'água!!!

Tavares Moreira disse...

Caro Paolo Hemmerich,

Independentemente de quem vier a seguir, não lhes gabo a sorte...o Virar de Página promete deixar o País num estado de balbúrdia dificilmente sanável...corremos o risco de não ficar pedra sobre pedra, quem sabe se não chegaremos à triste situação de Abril de 2011...
Oxalá eu não tenha razão.

Alberto Sampaio disse...

Caro Tavares Moreira,

se a isto juntarmos o protelar do pagamento da dívida, o cenário começa a ser preocupante. Brincamos, brincamos, tal como eu, mas na verdade isto é muito sério.

Tavares Moreira disse...

Caro Alberto Sampaio,

Caro Alberto Sampaio,

Caso se tratasse de um simples protelamento do programa de antecipação de reembolsos ao FMI - que é o que está em causa - não vira daí grande mal.
O problema é o encarecimento da dívida, a prazo, uma vez que o programa de reembolsos antecipado visava substituir dívida de taxa mais elevada - a dívida ao FMI - por dívida colocada no mercado, a taxas mais baixas (no actual contexto).
Mas devo admitir que, por este andar, mais cedo ou mais tarde o recurso ao mercado acabe por ficar, novamente, mais oneroso do que a dívida ao FMI...enfim, uma lástima.

Alberto Sampaio disse...

Caro Tavares Moreira,

Compreendo e já deve conhecer, mas na dúvida: http://corta-fitas.blogs.sapo.pt/como-o-igcp-desvendou-a-factura-6269954

Tavares Moreira disse...

Obrigado pela sugestão, caro Alberto Sampaio.