Número total de visualizações de página

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Um início de 2016 muito atípico, PRUDÊNCIA recomenda-se...


  1. O desempenho dos mercados nos primeiros 4 dias úteis de 2016 revelam um início de ano perfeitamente atípico no cenário económico internacional: a China, ao invés de factor de estímulo ao desempenho dos mercados de “commodities” e das economias com vocação exportadora, como foi durante muitos anos, surge agora como factor de retracção, espalhando o pessimismo, quase o pânico, nos mercados tanto de “commodities” como financeiros.
  2. Aparentemente, a economia chinesa vem mostrando muito mais dificuldades do que se previa para se transformar, de uma economia baseada num rápido crescimento das suas indústrias – nomeadamente do sector da construção – com taxas de investimento altíssimas, para uma economia em que o consumo privado e os serviços devem assumir um papel determinante na actividade económica do País.
  3. E os sinais provenientes da China, neste início de ano, não podiam ser mais perturbadores: em apenas 4 dias de negociação, o funcionamento das bolsas de valores teve de ser suspenso em 2, na sequência de quedas abruptas dos índices de cotações, um indicador claro de enorme desconfiança, por parte dos investidores, no desempenho futuro desta economia.
  4. Bem sei que é apenas o início do ano, muita coisa pode ainda acontecer – este Mundo está cada vez menos previsível - mas se existe uma ideia a reter, com este péssimo alvorecer de 2016, em sede das políticas económicas, é a ideia de PRUDÊNCIA.
  5. Ideia que entre nós - pelos sinais que vão emergindo diariamente, a ritmo crescente - parece estar conspicuamente ausente da condução da política económica/financeira…por isso a recomendação de PRUDÊNCIA, ainda estamos a tempo de emendar.

3 comentários:

Zuricher disse...

Caro Tavares Moreira, de pleno acordo com os avisos sobre a prudência. Mas isso vai contra os preceitos ideológicos dessa gente que por aí está à frente da República portanto não vale a pena esperar que ela venha a existir. Quando correr mal claro que as culpas serão atiradas para cima do contexto internacional e nunca, jamais, para as políticas próprias.

Tavares Moreira disse...

Caro Zuricher,

Caso venha a ter razão, seremos uma vez mais admitidos, daqui por uns meses, não sei precisar quantos, no clube dos Aflitos...por culpa própria, exclusivamente, não adiantará tentar distribuir as culpas pelo mercado, não haverá comprador...

Diogo disse...

Porquê toda essa preocupação com os mercados financeiros que nada mais são que bancos a jogar à roleta? Não é infinitamente mais importante a vida das pessoas e das empresas produtivas?