Número total de visualizações de página

terça-feira, 6 de março de 2012

A escola das alparcatas relaxantes

Os alunos das escolas de Rio de Moinhos, Alferrarede e Bemposta trocaram as velhas instalações que frequentavam há anos por edifícios de uma arquitectura minimalista onde o branco impera e os traços são puros. Um ambiente tão puro que para entrar é preciso descalçar e deixar os sapatos num armário à entrada e usar umas sapatilhas brancas…fornecidas pela Câmara Municipal. A escola é especial e ali os alunos absorvem um novo conceito de aprender e de estar na escola. Em nome da limpeza da coerência com o espaço que os envolve e de um ambiente que se tornará mais relaxante, diz a escola.
Transcrito do DN de ontem, não conseguindo deixar o link.
Portanto, uma escola onde se absorve um novo conceito de aprender. Naturalmente sem sapatos, um estorvo à absorção. As sapatilhas facilitam a correnteza da aprendizagem. E, naturalmente, com o barrete que a escola lhes enfia, para não deixar escapar o absorvido. Além de tudo, é mais relaxante!

51 comentários:

Tonibler disse...

É por estas e por outras que depois aparecem casos de discriminação com base na orientação sexual. Quem terá sido o maricas abichanado que inventou esta estupidez?

Bartolomeu disse...

E... vão ter também de decorar o Alcorão?!

Pinho Cardão disse...

Estamos apenas na primeira fase, a da purificação, caro Bartolomeu!

AF disse...

O texto parece saído daquelas publicidades de "ciências" holísticas e limpezas espirituais! :D

Ou então, um anúncio de um Spa!
"Descalce os sapatinhos, e venha absorver um novo conceito num ambiente mais relaxante!"

Bartolomeu disse...

Não é má ideia essa, caro AF. Um SPA com massagem e consola de jogos, jacuzzy, ginásio e em lugar de música ambiente, a matéria a ser transmitida via audio, em batida de rap, ou hip-hop... até podiam contratar o Boss AC para lêr os compêndios, em voz off.
Tipo:
Puto tázaver... à bués, um mangas de Guimarães... passou-se com a cota... e sakou-lhe o reino.
Puto tázaver... o códrado da hipotenusa, aquela ganda maluka ke une as pontas dos katetos... é igualmente igual... à soma do códrado dos mesmos...
pfhhh...tuuummm...pfhhhh...tuummm...tuummm...

jotaC disse...

Isto é muito à frente, é o que se chama visão de futuro, preparar a rapaziada com espírito limpo, capaz de no futuro governarem o país sem fazer a porcaria do costume…

Luís Lavoura disse...

Não tem nada de demasiadamente estranho.
Qualquer chinês tira os sapatos antes de entrar em casa.
O mesmo fazem os turcos, e muitos outros povos.
Na Alemanha também é comum as pessoas andarem no trabalho em chinelos - mudam de sapatos quando chegam ao trabalho.
Enfim, são hábitos de higiene (e conforto) que não existem cá, mas estamos sempre a tempo de os aprender.

Anthrax disse...

Na Finlândia não há nenhuma escola onde os miúdos andem calçados dentro das salas. Os sapatos ficam todos arrumadinhos no corredor e eles têm apenas o melhor sistema educativo do mundo.

É claro que na Finlândia trata-se de uma questão cultural, porque em todas as casas os sapatinhos ficam sempre à porta.

Seja como for, na Finlândia, os miúdos - por acaso - aprendem num ambiente calmo e relaxado... ah sim... e eles têm o melhor sistema educativo do mundo, será que já tinha mencionado isto?

Coitaditos dos Vikings. São absolutamente tresloucados... mas qualquer aluno deles é mil vezes melhor que um dos nossos.

É giro ver-vos arrancar os cabelinhos porque alguém OUSOU a ser diferente.

Olhem, deixem-me dar-vos uma pista :)) Os miúdos de hoje, não são os miúdos de há 50 anos atrás e se estiverem numa sala de aula e não prestarem atenção, eles arrancam-vos a cabeça sem hesitar.

E se não forem eles, são os paizinhos deles.

Portanto, antes de estar tudo aí armado em treinador de bancada procurem tentar perceber que as coisas mudaram um bocado.

Bartolomeu disse...

Alemanha, Finlândia... belos exemplos a seguir, sem dúvida, mas... e os avós desses meninos Alemães e Finlandeses que se descalçam à entrada da escola e das suas casas, e das casas dos vizinhos, quando os visitam... os avós desses meninos também vivem em casas que ameaçam ruir a qualquer momento? Os avós desses meninos também morrem sózinhos nas suas casas, porque as míseras pensões não lhes chegam para pagar as rendas...e... alimentar-se mínimamente? Os avós desses meninos que se descalçam por uma questão cultural e de princípios higiénicos e de conforto, também morrem de frio, por não terem meios possibilidades económicas que lhes permitam ligar um aquecedor? E os pais desses meninos super-inteligentes porque não permanecem calçados dentro da escola, tão pouco dentro de suas casas, quando não têm emprego precisam de recorrer ao banco alimentar contra a fome? E as mães desses meninos, quando são desempregadas de longa duração, recorrem à prática da prostituição para os poder alimentar e vestir?

Tonibler disse...

Camarada Anthrax,

É mariquice! Para um tuga é mariquice!

Bmonteiro disse...

Talvez não seja 'mariquice'.
Ontem, vinda da rua e de um transporte na Carris, a patroa desabafava com o espectáculo de um bando de jovens de uma escola no caminho:
Rapazes com a cintura das calças no fundo do rabo.
Mais que deprimente, belo sinal da democratização do ensino.
E aqui sim, da mariquice.

Anthrax disse...

Ó meu caro Bartolomeu, se calhar os avós dessas crianças "super-inteligentes" penaram bastante para que essas crianças pudessem agora ter direito à educação que têm. Não se esqueça que a Finlândia também esteve numa situação economico-financeira muito má e eles foram capazes de transformar tudo num espaço de 10 anos.

Curiosamente, a 1ª coisa em que eles apostaram foi no sistema educativo porque tiveram a distinta noção de que se queriam fazer alguma coisa do seu país, tinham de começar pela educação do seu povo.

Camarada Tóni... :)

Pode ser que seja :) mas é muita giro vê-los a arrancar os cabelinhos :D

AF disse...

Ena! Anthrax a matar! Olhe que isto aqui não é o WoW!!! Ainda aparece por aí o Leroy Jenkins, e depois é que era o bom e o bonito! ;)

Agora a sério, a cara amiga Anthrax há-de convir que a descrição da coisa parece tudo menos uma escola ... mesmo dessas avançadas!

Bartolomeu disse...

Não foi isso que coloquei em causa, Amiga Anthrax. Sabemos perfeitamente bem que no plano cultural, e não só, existem diferenças abismais entre os povos do norte da Europa e os do sul.
A questão que pretendi evidenciar e penso que a terá compreendido, foi a da urgência.
Se os nossos governantes pretendem mudar o panorama educacional do país, servindo-se do paradigma Alemão ou Finlandês, ou se pretendem inovar, ou criar formas genuinamente puras, de ensinar, é urgente que pensem no país onde o querem fazer, por forma a não construirem uma fantasia dentro de uma realidade que lhe é ridiculamente contrária.
A menos que estejam a pensar isolar aquelas 3 localidades, recobrindo-as com uma redoma de vidro e esteriliza-las...

Rui Fonseca disse...

Caro António,

Li este teu post e recordei-me do tempo em que frequentei o "Jardim Escola João de Deus". Fui, nesse sentido, um privilegiado. Imagina que a minha aldeia era a única (suponho que continua a ser) a ter um "Jardim Escola João de Deus".

Pois, meu caro António, a primeira a coisa a fazer era tirar os sapatos e calçar as sapatilhas. Já lá vão dezenas de anos! Há uns tempos enchi-me de coragem para voltar lá de caganita ao canto do olho. Lá estavam os sapatos arrumadinhos como há tantos anos atrás.

Dizendo isto não contesto o exagero que referes. As sapatilhas são, pelos vistos, um pormenor.

Uma coisa te garanto: O meu "Jardim Escola João de Deus" continua a ser das coisas mais bonitas por onde até hoje passei.

Só para terminar, conto-te uma história:
Há uns anos visitei uma fábrica localizada perto do monte Fuji.
Há já alguns dias que não via outros símbolos que não fossem os para mim indecifráveis caracteres japoneses.

Quando entrámos no armazém de produtos acabados, praticamente todo robotizado, deparou-se-me um chão verde escuro, impecavelmente limpo, por onde transitavam os transportadores robotizados nas mais diversas direcções.

Primeira instrução: Tirar os sapatos e calçar as sapatilhas.

Segunda instrução: Escrita no solo em letras brancas, bem visíveis: Olhe à esquerda, Olhe à direita.

Em português!

Fiquei mareado. Subitamente, supus que estava a ser atingido por uma vertigem qualquer.

Encurtando a história: A empresa tinha ultimamente recrutado dezenas de brasileiros, japoneses de 3ª ou 4ª. geração que ainda não sabiam japonês e estavam mal familiarizados com os costumes da casa. Daí o aviso em português.

Já tem pouco a ver com as sapatilhas, não tem? Não sei se não tem.

Massano Cardoso disse...

Muito interessante este debate. Recordo que no meu tempo de escola a maior parte das crianças não usavam sapatos na escola. É verdade, não usavam, nem dentro nem fora...

Anthrax disse...

Ah ah ah ah ah ah ah :D

Por acaso meu caro AF, sim, tenho título "Jenkins" em algumas das minhas personagens :)

E agora também a sério meu querido amigo, quem escreveu o artigo é que parece querer provocar o escândalo no leitor, caso contrário não escreveria um texto que mais parece um a descrição de um destino turístico exótico.

Há 11 anos que ando a enviar pessoas do sector para fora, para aprenderem o que os outros fazem e para mostrarem o que nós fazemos bem (porque também há), adivinhe lá para onde é que eles querem ir para ver o que é que se faz?

Meu caro Bartolomeu ;)

Eu compreendo-o, a sério que sim e não discordo totalmente.

Pinho Cardão disse...

Caro AF:
De facto, eu até já admito (quase) tudo. Mas essas explicações presunçosas e pseudo modernaças, bom, isso ainda não!...

Caro jotaC:
Para tal visão, melhor fora dar prioridade a uma cabeça limpa e deixarem de se preocupar com os sapatos...

Cara Anthrax:
Finlandeses...hum...gente que deixa de ver o sol às duas da tarde...hum...que misturam sauna com mergulho na neve...querem-nos ensinar a tirar os sapatos?
Caro Luís Lavoura:
Para dizer a verdade, até não há muito, a grande maioria dos chineses nem sapatos tinha, dentro ou fora de casa...Só houve que conservar a tradição!...
E quanto às normas de higiene turcas...estamos conversados!...

Caro BMonteiro:
Palpita-me bem que a escola vai ser exigente nas alparcatas, mas nas calças ao fundo do rabo é que não vai actuar. E também me palpita que a escola até vai até achar bonito os alunos assistirem às aulas de barrete enfiado!...

Pinho Cardão disse...

Caro Rui:
Tudo bem. Mas a história só confirma que a prioridade é a cabeça, não os pés!

Caro Professor Massano:

Claro que também no meu tempo, e na minha escola, grande parte do pessoal ia para a escola descalço. No inverno, lá arranjava uns tamancos. Pés sempre lavados nas águas dos ribeiros. Podiam seguramente entrar nestas escolas modernaças...

AF disse...

Anthrax,

Se tivesse que apostar num destino pra essa "adivinha", diria: prós Estates.

Anthrax disse...

Caro Dr. PC,

Creio que ensinarem-nos a tirar os sapatos será o menor dos problemas.

Agora, giro, giro é isto :))

http://euobserver.com/19/115504

Pinho Cardão disse...

Cara Anthrax:
Mais uma vez se comprova que esses finlandeses são da corda!...
Querem descalçar os sapatos a uns e dar corda aos sapatos a outros...

Anthrax disse...

LOL :D

É, eles têm uma forma de ser e de estar um bocado exótica (aos olhos dos sulistas).

Rui Fonseca disse...

" a história só confirma que a prioridade é a cabeça, não os pés!"

Caro António,

Repara que quem deu prioridade aos pés (às alparcatas) foi o meu excelentíssimo Amigo. E, a partir daí, todos os comentários andaram à volta disso. E foi por isso que me meti na conversa.

Mas a prática de descalçar os sapatos à entrada da porta está muito generalizada, creio eu, nas habitações de cada um. O que não é comum é essa prática em locais públicos, como escolas, etc.

Se por uma quantia irrisória uma escola entende que induz uma prática salutar nos hábitos dos mais jovens por que não aceitá-la?

Por que não aplaudi-la?
O que é que tem a ver a alpargata com a cabeça de quem a calça? Mal não lhe faz, salvo melhor opinião.

Anthrax disse...

Exactamente meu caro Rui Fonseca. A ideia da alteração ergonómica dos espaços tem como objectivo promover a alteração dos comportamentos.

Por essa razão é que considero positivo o que foi feito.

Suzana Toscano disse...

Bem, bem, o que este post e este debate comprovam é que evoluimos mesmo muito, desde o tempo em que se ia para a escola descalço e de barriga vazia e ainda se levava umas boas reguadas em caso de menos concentração, até termos espaços ergonómicos e relaxantes onde há sapatilhas para não se riscar ou sujar o chão. Nada mau" Cara Anthrax, como vê, tal como aconteceu com os finlandeses, em poucos anos também revolucionámos as nossas condções de vida :)Mas quanto a isso de se tirar os sapatos à entrada em casa não me parece um mau hábito, desde que haja uma boa alcatifa e, claro, a casa esteja à temperatura a que estão as casas holandesas ou finlandesas, se trouxermos um desses indígenas para as casinhas portuguesas, vão ver que ficam com os pés roxos num instante.

Bartolomeu disse...

A mim, ensinaram-me desde o princípio, a respeitar tudo e todos, a usar os meios e os objectos com parcomónia, a não estragar os livros, as roupas, os brinquedos, ou qualquer outro equipamento de uso doméstico ou comum. Ensinaram-me a respeitar a natureza, a não pisar as plantas, a não ferir nem matar os animais. Lembro-me que o meu pai não permitia que se matasse uma mosca que tivesse entrado dentro de casa. Dizia sempre; abram uma janela e enxotem-na para a rua. Ai de mim, que entrasse em casa, ou noutro local qualquer, sem ter préviamente escovado a sola dos sapatos no capacho à entrada, hábito que mantenho naturalmente. Na rua, ensinaram-me a parar antes de atravessar para o lado oposto e a certificar-me de que não vinha um carro, tanto num sentido como no outro. Ensinaram-me a respeitar os professores e os funcionários da escola mas, todos os dias me perguntavam como tinha corrido o dia, e se lhes soava a que algum incidente que envolvesse a minha pessoa tivesse ocorrido, tentavam encontrar um modo de perceber as circuntâncias em que ocorrera. Se a "culpa" fosse minha, era certo e sabido que seria submetido a um responso que me deixava a desejar um buraco para me enfiar, se fosse do professor, como ocorreu uma vez; sem alarde a minha mãe foi visitá-lo no dia seguinte e lá chegaram a um comprometimento, acho que a minha mãe mencinou a hipotese de enviar uma carta ao ministério e o professor concluiu que não haveria necessidade de recorrer a extremos...
Já eu não consegui ser tão diplomata quando soube que um professor da classe do meu filho mais velho, batia com uma vara nas crianças e, antes que ele afinfasse no meu, fui à escola, pedi para o chamarem e disse-lhe cara-a-acara "eu soube que o senhor bate nas crianças com uma vara, no dia em que bater no meu filho, você dá entrada no hospital, é só isto que tenho para lhe dizer" automáticamente, o professor perguntou: mas quem é o seu filho? e eu respondi: é um aluno seu.
Vim a saber mais tarde que era uma pessoa com graves problemas psicológicos, fruto da guerra colonial. Mas não voltei a ter notícia que tivesse agredido outra criança.
Aquilo que noto nestes tempos conturbados que vivemos, é falta de continuidade. Perderam-se valores morais, éticos, familiares, comportamentais, educacionais que dificilmente serão readquiridos, se os miudos descalçarem os sapatos à porta da aula, e calçarem uns xanatos esterilizados e leofilizados.
Penso eu de que...

Tonibler disse...

Pois para mim quando vejo uma escola preocupada com os sapatos do miúdos penso "bolas, devem ter a educação resolvida...". Um pouco como se tivéssemos a ver uma companhia aérea cujos aviões caem todos os meses a anunciar uma pintura nova...

Bartolomeu disse...

Pois... e isso também, caro Tonibler!

Anthrax disse...

Cara Suzana,

Pois devo-lhe dizer que o indígena viking lá de casa, já só tira o sapatito se for para calçar o chinelito :) porque fazer o que eles fazem lá, o moço cá já não faz pese embora tenhamos evoluído bastante nas nossas condições de vida.

Caro Bartolomeu,

Sei que já reparou bem nas diferenças entre o que escreveu e aquilo que é a realidade de hoje em dia e não são os sapatos ou os chinelos que vão alterar o rumo das coisas, agora o espaço físico e a sua organização, influencia o comportamento das pessoas e isso é um facto cientificamente comprovado. É por essa razão que os hipermercados estão organizados da maneira que estão, os estádios de futebol idem, os bairros sociais também (ou pelo menos alguns deles), os hospitais (os mais recentes) também e por aí fora.

A questão da Educação, não é um tema fácil desde logo porque cada um tem a sua opinião sobre o que é e como é que deve ser mas não existe um fio condutor que diga este é o caminho que vamos seguir para construirmos a sociedade de amanhã. O meu amigo diz, que é uma ausência de continuidade. É uma ausência de no quê? Se não existir um principio prévio, não há lugar a uma ausência de continuidade.

No caso do sistema educativo finlândes, existe um princípio. Todo aquele sistema está construido sob o princípio de que a escola é dos alunos. São eles a chave para construir a sociedade de amanhã. Também por este motivo é que em todos os países do norte da europa, os parceiros sociais (quer sejam representantes das entidades empresariais, quer sejam sindicatos dos trabalhadores), intervém na elaboração dos currículos.

Qual é que é o nosso princípio?... além do do papagaio. Sim, porque o nosso método de ensino é o do papagaio. Nós ensinamos os miúdos a papagaiar e a reproduzir "ipsis verbis" o que ouvem, e o que está escrito nos livros. Deus nos livre ensiná-los a pensar!... Curiosamente, depois exigimos que pensem.

E onde é que andam os parceiros sociais? Não se sabe. Estes só aparecem no fim quando se começam a queixar do fosso entre a oferta e a procura, porque acham que não têm nada a dizer, nem que intervir na educação... excepto quando é para se queixarem.

O meu caro Bartolomeu diz, e muito bem que a si lhe ensinaram e que o seu pai lhe ensinou. Só que entretanto as coisas mudaram e os miúdos crescem, praticamente, sozinhos porque o pai e a mãe estão a trabalhar até às quinhentas e já muito afortunatos são, se o pai e a mãe ainda estiverem juntos e não tiverem de andar a pular de casa em casa.

Se a isto tudo juntarmos um sistema educativo monolítico e desorientado, que sociedade é que estamos a construir?

Bartolomeu disse...

De acordo, Amiga Anthrax, mas aquilo que estamos aqui a discutir, é a utilidade de um meio, versus, todo uma estrutura económica, social e cívica de um país, que por acaso é Portugal.
Um país onde persistem carências ao mais elementar e básico nível; ao nível de onde muitas dessas crianças, a quem o sistema quer habituar a trocar os sapatos por uns chinelos, antes de entrar na sala de aulas, provêem.
Não quero dizer com isto que discorde da experiência da inovação, ou que nos reduzamos à evidência do "cada vez pior".
Aquilo que gostaria de ver a funcionar em pleno no meu país, aquilo que quero ver a funcionar naturalmente no meu país, é o respeito pelos mais velhos, por aqueles que trabalharam para ajudar a construir uma economia, para que eles e os netos e os filhos acreditem que em Portugal se respeitam os cidadãos e que vale a pena ser correcto, honesto e trabalhador, colaborador num projecto de reconstrucção, porque esse projecto, leva em linha de conta, aqueles que são queridos ao país.
Eu não deposito esperanças num projecto de construção, cujos engenheiros pretendem começar a obra pelo telhado, convencidos de que assim é, num país onde os prédios ostentam uma belíssima arquitectura.
Mas pronto, eu tenho a noção de que o meu tempo, não é um arquétipo...
Venham lá as chinelas e depois se verá qual será o pé de Cinderela, onde irão caber.
Assim como assim, umas duzias de pares de chinelas também não irão arrombar o orçamento do ministério do sô Nunu Crato...

Bartolomeu disse...

Perdão, Nuno Crato!

Pinho Cardão disse...

Caro Rui:
Engano teu: não fui eu que introduzi o tema das alparcatas, foi a escola. Eu só comentei. Posto isto, mais sapato, mais alparcata, façam lá o que quiserem. Eu, dentro de um quadro global definido por um Ministério competente, e sem concessões a vanguardismos pedagógicos, até defendo a autonomia das escolas.
Mas continuo a julgar que uma educação que começa por privilegiar os pés em vez da cabeça não vai longe. Continuo a apostar que os alunos não tiram o barrete ou o boné quando falam com os professores!...

Cara Anthrax:
Então o indígena finlandês já está aculturado! Muito bem. Aí está a superioridade total dos nossos costumes. É outra civilização!

Anthrax disse...

Lol :D

Ai Dr. PC... nem me diga nada que eu não sei se já consegui superar o choque de hoje à tarde... cheguei a casa estava ele a ver o jogo de ontem do Benfica :S... aparentemente foi transmitido na televisão finlandesa... comentado em finlandês... a sério é uma experiência diferente.

Caro Bartolomeu,

Eu concordo consigo. O problema é que está feito e não foi nem uma coisa que apareceu da noite para o dia, nem ninguém a impediu, por isso mais vale tirar o melhor partido dela. Se isso passa por andar de xanatas, que assim seja.

A única coisa que podem fazer agora é exigir resultados.

Pinho Cardão disse...

Cara Anthrax:
De facto, já nada há a fazer. O indígena tornou-se num verdadeiro autóctone lusitano. Mas tem que ser avisado dos perigos que corre. Se aderiu ao Benfica, o caso já assume elevado grau de gravidade, porventura sem retorno. Significa que perdeu todo e qualquer critério para ajuizar da qualidade das escolhas. Oxalá seja arejado por uma boa rajada azul e branca, que lhe restitua as qualidades e o potencial instalado! Caso contrário...não sei...não sei!...

Tonibler disse...

Caro Pinho Cardão,

O finlandês não aderiu ao Benfica. Como qualquer outro finlandês, ele já era do Benfica. Acontece frequentemente nos países com um grau civilizacional mais elevado.

AF disse...

Tonibler,

Ai isso é assim? Os Finlandeses já nascem Benfiquistas? Então estou mais descansado! Não era justo os tipos só terem tudo de bom! Tem cultura, dinheiro, civilidade, mas ... nascem benfiquistas.

Enfim, não podia ser só coisas boas. ;)

O que vale é que a amiga Anthrax saberá, certamente, valorizar as virtudes do homem e perdoar esse "pequeno" defeito! :D

Pinho Cardão disse...

Ora aí está, caro AF.
Creio bem que, com essa sua magnífica tirada, o amigo vermelho Tonibler sai um bocado amachucado!...
Só discordo que isso seja um "pequeno" defeito!...
Quanto à Anthrax, desconfio que tem artes que sobrem para colocar na ordem essa vermelhice, congénita ou adquirida.
Mas uma coisa não percebo: ainda não pôs o finlandês a comentar no 4R. Não percebo mesmo...

Bartolomeu disse...

Não "lhes" dê ouvidos, cara Anthrax... deixe lá o seu amado Finlandês ter alma de Benfiquista, isso, dá-lhe a garantia de partilhar a sua vida com um Homem honrado e bom (ou futuro) pai de família.
O que é que uma mulher mais pode desejar?!
E, sem querer dar palpites, obviamente, aconselho-a a entrar em casa, todos os dias, a trautear o grandioso hino:
Ser Benfiquista, é ter na alma, a chama imensa...
Vai ver que o resultado se vai traduzir em jantares românticos à Luz de velas e outras surpresas.
Quer apostar?

Pinho Cardão disse...

Chama imensa é o fogo do dragão, caro Bartolomeu! E inesgotável.

Bartolomeu disse...

A única hipotese que estou a ver possível, de o fogo do dragão se manter, caro Dr. Pinho Cardão, é se o governo não resolver a questão das verbas para os bombeiros poderem adquirir combustível para as viaturas. Caso contrário... a Águia irá manter-se altiva e dominadora dos céus futebolísticos... nem que o Jesus tenha de negociar com o Futre, a contratação da... do... daquilo, mais recente craque, o José Castelo Branco.
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/exclusivo-cm/futre-contrata-conde

Anthrax disse...

Ó Deuses!... Mas eu nem sequer gosto de futebol!

E quanto ao facto de ele ainda não comentar aqui no blogue... ele também já cá esteve :) e percebe algumas coisas, mas ainda está naquela fase em que não arrisca a comunicação em português.

Bartolomeu disse...

Nem precisa arriscar nada, cara Anthrax, desde que saiba cantar o Hino do Glorioso, é bem-vindo!

AF disse...

Caríssima Anthrax,

Este post estava destinado desde o princípio. Repare, as tais criancinhas da escola, mal chegam, fazem o quê? Calçam as SAPATILHAS! Daí a "vestir a camisola", ou trocar as ditas alparcatas por chuteiras, é um passinho! ;) Ainda vai ver que isto tudo afinal não passa de uma tentativa de aclimatização precoce às realidades do balneário. E qual o espanto, realmente? Se até a minha amiga é testemunha do facto inaudito de um Finlandês em Portugal assistir a jogos do Benfica relatados na sua língua materna!

Eheheh! Pronto, era só a brincar. Mais uma vez, pra lançar alguma "confusão" deliberada (mas ligeira) na discussão. Nesse aspecto sou como a Anthrax. Às vezes é destas "destruições criativas" (vade retro!) que nascem diálogos e ideias interessantes.

Fiquem bem. :)

Anthrax disse...

Lol :D

Caro AF, agora que fala nisso, a mim não me espantaria nada que as crianças antes preferissem as chuteiras se lhes dessem a escolher.

Caro Bartolomeu, o hino do glorioso ele ainda não conhece, mas aquela música, do José Cid, do macaco e da banana ele já canta... com sotaque, mas canta.

Bartolomeu disse...

Pois... chame-lhe parvo...

Anthrax disse...

LOL :D

Bom, dando cumprimento à tradução (sim, sim, é mesmo tradução), aqui o meu viking loiro pediu-me que v/ desse a conhecer uma banda finlandesa e que é esta http://youtu.be/XAGgbb-OEHQ

Pronto, tá fêto.

Bartolomeu disse...

Cara Anthrax, deixou-me deveras sensibilizado, o gesto simpático do seu Viking. Por isso, peço-lhe que lhe traduza o meu agradecimento e que aceite como retribuição o tema a seguir, executado por uma banda portuguesa, digamos... congénere da finlandesa, espero que a oiçam em conjunto e se não tiverem vizinhos por baixo, aproveitem para um bate-pé.
Cumo diz o pobõe; num teim nada que sabeer, é só ándár cum pé no ar e autro no chõe a bateir!!!
;))))
http://www.youtube.com/watch?v=diT_m-zE_qs&feature=related

AF disse...

Cara Anthrax e cônjuge finlandês:

Excelente escolha musical, obrigado por terem partilhado. Por momentos senti-me outra vez um teenager "gótico" :D

Mais, isto só me convence que a amiga Anthrax encontrou o seu Finlandês na Undercity, numa reunião de Forsaken :D De certezinha! ;)

E, como não podia deixar de ser, partilho então convosco dois temas que, eventualmente, serão do vosso gosto. São do melhor álbum da banda (aliás, dos poucos que ouvi, o resto fugia muito prá barulheira industrial).
(AVISO: A primeira música é especialmente deprimente.)

Swans - God damn the sun
http://youtu.be/hQO5C4jXsVk

Swans - I remember who you are
http://youtu.be/cyC87WkS8-c

Anthrax disse...

Caro Bartolomeu :)

Muito obrigado pela proposta musical, passarei a mensagem e o respectivo link (ele diz que quando conseguir articular melhor o português que vem ao 4R falar convosco).

Caro AF :))

LOL :D

Por acaso foi em Stormwind, no metro lá do sitio :)... Oiça lá! Para quem não joga, está muito familiarizado com a geografia do e com as raças do jogo. :P

Também partilharei as suas propostas musicais com a minha cara metade e depois logo darei do resultado final :))

Pinho Cardão disse...

É preciso pôr o finlandês a ler o 4R. Rapidamente e em força! Isto é, se quiser saber alguma coisa do que por cá se passa!...