Número total de visualizações de página

quarta-feira, 10 de julho de 2013

PS sem saber onde cair, a ver no que a coisa dá!...

"O PS não apoiará nem fará parte de um governo sem que os portugueses manifestem a sua vontade através de eleições".
O PS discorda da solução presidencial. 
O PS "tal como lhe compete, aguardará as iniciativas" de Cavaco Silva.
O PS continuará a apresentar "propostas e soluções para resolver o problema dos portugueses".
"O PS não rejeita nenhum diálogo, em particular quando está em jogo o interesse nacional e o futuro dos portugueses". 
O PS escutou "atentamente" a declaração do Presidente da República.
O PS igual a si próprio. Sempre indefinido, sem saber para onde cair, um partido do sim e mais que também.
E o leader não falou, mandou falar por ele. Igual ao partido, ficou a ver no que a coisa dá!...

4 comentários:

Tonibler disse...

Eu estou com o PS. Quando um mordomo se tenta substituir ao soberano o lugar dele é na rua. E espero sinceramente que a posição do primeiro ministro seja exigir as eleições antecipadas. Nem que seja fazer o PSD apresentar uma moção de censura.

Nunca um país teve um presidente da república tão mau. Que porcaria.... Não lhe custa a ganhar, é o que é!

Floribundus disse...

que país formidável toda a gente sabe tudo de tudo
menos eu.
o que me vale é que sou velho, doente e pobre

entre muita produção tecnológica lutei 50 anos pela normalização de embalagens e nada consegui.

o povo nem esta merda merece, as elites ainda menos

como se esperava o ps mandou o mordomo dizer NIN

Carlos C disse...

Vamos cá com calma. Mas, o PS tinha de dizer sim? Porquê? O PSD por acaso quando tem estado na oposição tem dito sempre sim? E, já agora, quem nos garante que lá para julho de 2014 estamos melhor, é a Srª de Fátima que vai programar a situação? Isto não passa do empurrar com a barriga para a frente e ver no que dá. Porque só os 3 partidos e não todos? Porque se continua a excluir partes de um todo? Qual o medo de eleições? Não é o povo soberano, porque razão devemos aceitar o sermos geridos por gente sem mandato para tal, só porque são os mercados e o poder financeiro a ditar as regras? E o povo que se está marimbando para eles não conta? Não estaremos a inverter os valores da dita democracia? Sempre o disse e continuo convicto de tal, este Sr PR, iniciou o descalabro, será ele a acabar com o resto. No entanto espero estar enganado! Melhor mesmo é fazer o que Tonibler tem dito com frequência, fechar o tasco e entregar a governabilidade do mesmo a Bruxelas, ou seja lá a quem for, porque nós por cá já estamos a inverter tudo, 40 anos de ditadura, seguido de outros tantos de regabofe, desbarato, desvios e trafulhice, resta o quê? Não se ponham finos não e depois queixem-se.

Pinho Cardão disse...

Caro Carlos C
Primeiro que tudo, seja bem aparecido no 4R. Depois:
1. O PS não é efectivamente obrigado a dizer sim. Acontece que, a mais das vezes, nunca diz nem sim, nem não. Deriva do centro para a esquerda, da esquerda para a direita, conforme o vento sopra. Uns dias é pela Troyca, noutros, é contra. Nunca se sabe o que efectivamente pensa. Como agora aconteceu. ´Na situação grave em que o país se encontra, o mínimo que se lhe poderia pedir era clareza quanto à solução proposta.
Portanto, quem empurra com a barriga é o PS

2.O PC e o Bloco, honra lhes seja feita, estão contra o Memorando e sempre estiveram. Têm esse direito. Por isso, estando contra, não se vê como possam integrar a proposta do Presidente, cujo pressuposto é o cumprimento do Memorando. A não ser num exercício presidencial politicamente correcto, mas de profundo cinismo.
3. Quanto a eleições, ainda há dois anos houve. E o povo pronuncia-se sempre nas diversas eleições que tem havido. Nunca, pós 25 de Abril, lhe foi negado esse direito. Exigir eleições a todo o momento é desvalorizar a própria figura das eleições.
Claro que há momentos e momentos. É também para os julgar que elegemos um Presidente da República.