Número total de visualizações de página

terça-feira, 2 de julho de 2013

O povo que os políticos não merecem!...

Certa vez, um escorpião aproximou-se de um sapo que estava na beira de um rio. O escorpião vinha fazer um pedido: "sapinho, você poderia carregar-me até a outra margem deste rio tão largo?" O sapo respondeu: "Só se eu fosse tolo! Você vai-me picar, eu vou ficar paralisado e vou afundar." Disse o escorpião: "Isso é ridículo! Se eu o picasse, ambos afundaríamos."
Confiando na lógica do escorpião, o sapo concordou e levou o escorpião nas costas, enquanto nadava para atravessar o rio. No meio do rio, o escorpião cravou seu ferrão no sapo. Atingido pelo veneno, e já começando a afundar, o sapo voltou-se para o escorpião e perguntou: "Porquê? Porquê?" E o escorpião respondeu: "Por que sou um escorpião e essa é a minha natureza."
Não sei quem é o sapo ou o escorpião. Mas sei que é o povo português que se afoga e não merecia isso

23 comentários:

Suzana Toscano disse...

Caro pinho Cardão, há uma cena do Astérix que ilustra bem o que se passa, é quando os piratas se zangam e afundam o próprio navio, e dizem perante o naufrágio "já não precisamos dos gauleses para nos cobrirmos de ridículo". Mas é como diz.

Salvador Massano Cardoso disse...

Ora aqui está uma perfeita descrição do senhor! Nunca confiei nesse "gajo"! Está-lhe na massa do sangue.

Pedro disse...

...milhares no desemprego!
...milhoes em esforço!
...sacrificios para Todos (ou quase)!

com erros ou sem erros, 2 anos disto já tinham sido percorridos...

em 2 dias, mandarão tudo p'lo cano, e amanhã estaremos, todos, muito pior!

"nós", todos, os Portugueses...depois de tudo o que tem ocorrido mereciamos de facto outras lideres, outras mandantes, outras elites...

...hoje sim, sinto-me revoltado...com eles...e o que doi mais é nem saber ou perceber onde e como canalizar esta revolta em acção...

por nem tão pouco conseguir já perceber o que raio se deve/pode fazer!

:o(

Zuricher disse...

Algum dos meus caros Amigos me elucida sobre quais os objectivos do Paulo Portas com isto? É que não consigo descortina-los, de todo em todo. Precipitando a queda do governo, seja agora seja pouco mais adiante, o CDS/PP tem tudo para ser o grande prejudicado. Paulo Portas é político há anos e anos. Alguém me elucida quanto aos objectivos? Estou a ver alguma coisa mal?

JM Ferreira de Almeida disse...

Meu caro Zuricher, observe o percurso de Portas e facilmente concluirá que a explicação é simples: está-lhe no sangue.

Aproveito para chamar a atenção para a seriedade dos comentadores e analistas consagrados: aqueles que há horas louvavam o enorme sentido de Estado de Portas como MNE, reduzem-no agora a um garoto. Também lhes está no sangue.

Bartolomeu disse...

Confesso-me desiludido, caro Dr. Pinho Cardão!
Esperei que o seu primeiro post, após o rebentamento da "bomba atómica" como alguém algum tempo atrás temia viesse a ocorrer - fosse para responsabilizar a comunicação social pela "despedida" dos dois ilustres membros do governo-
Afinal, foi para nos dar conta de uma dúvida existencial...

Zuricher disse...

A massa do sangue... E assim se atira pela janela boa parte do trabalho e dos sacrificios de dois anos.

JM Ferreira de Almeida disse...

Aqui ao lado vou ouvindo outra explicação: Portas jogou pelo Seguro.

Suzana Toscano disse...

Caro Zuricher, como saberá tão bem como eu, a política é imprevisível e muitas vezes não é sequer racional, é ditada por emoções, por feitios, por circunstâncias a que se reage sem o necessário sangue frio. A situação do país, tão frágil e excepcional, não segue os cânones da política habitual, misturada também com a confusão e os braços de força que vão na Europa, vivemos todos momentos para os quais não há guião. E nos outros países não se vê muito melhor, acontece é que a situação deles não é tão desesperada.

Zuricher disse...

Essa falta de sangue frio, de racionalidade é algo que por via de regra não aceito. Na governação menos ainda.

Nos outros países as coisas podem não ir de feição. Mas, tirando na Grécia, não se assiste a um circo como este que está a ver-se hoje em Portugal, e mesmo na Grécia parece que se acalmaram.

murphy V. disse...

Depois de Portas tanto ter apregoado contra o aumento de impostos e dedicar tanto discurso à "via" do corte na despesa, esperemos que Portas tenha deixado pronto o guião dos cortes e da reforma do Estado que se aguardava há meses...(e teria de ser entregue à troika em dias)
A não ser assim, que dizer de um político que, nas palavras, muito se bateu por uma causa mas, nas suas acções, nada fez por ela?
http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/07/do-bater-com-porta-facada-nas-costas-e.html

Tonibler disse...

Confesso que me custava acreditar nestes golpes de teatro mesmo que sejam da gaiola das malucas, mas parece-me haver um enorme error de perçepção dos senhores dos partidos. E esse erro de percepção está naquilo que pensam ser a sua real importância para o país. Não sei se algum me vai ler, mas cá vai:

Portugal não depende em nada de vocês. Podemos ter um estado, mas Bruxelas serve perfeitamente. Entendem?

Bartolomeu disse...

Claro que não entendem, Tonibler. Nem nunca entenderão.
Para que entendessem, teria de a Terra deixar de girar sobre o seu eixo, e isso... necessita que ocorra algo semelhante ao que provocou a extinção dos dinossauros.

Bmonteiro disse...

Com Bruxelas, também há-dem ir longe. 'Dirigidos' por um desertor e um parlamento part-time*
*Deputados de segunda para Bruxelas, ás quintas a 'trabalhar' nas TV locais.
Uma caseira.

Henrique Pereira dos Santos disse...

As razões de Portas são simples: uma coisa é estar num Governo obrigado a um duro programa de austeridade e poder estar sempre a apontar o dedo a Gaspar. Outra coisa é Gaspar sair e Portas ficar nos cornos do toiro, tendo de negociar o seu próprio programa de reforma do Estadom com a troica e sem Gaspar a servir de biombo.
Cobardia e duplicidade, nada mais.
henrique pereira dos santos

Agitador disse...

Ora aí esta a causa das coisas. As mais simples sao sempre determinantes. Falta de.....

alberico.lopes disse...

Bmonteiro:"há-dem"? ok!
HenriqueP.Santos:a análise mais lúcida!

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Dr. Pinho Cardão
Tantas vezes ouvimos dizer: "este povo tem o que merece". Mas há limites para generalizar e "colectivizar" culpas e responsabilidades. São as guerras de poder partidárias e políticas que de há muito estão a conduzir o país ao inferno.

Bartolomeu disse...

Essa, é a grande verdade, cara Drª Margarida.
Ninguém se preocupa em governar o país, em encontrar formas e tomar medidas acertadas capazes de o requalificar de o reordenar e de o tornar produtivamente sustentável.
A grande preocupação é, como diz, fomentar e alimentar a guerra política e garantir o lugar, seja a que preço for.
É lógico; guerras, só podem ter um resultado: destruição, inferno, incerteza e degradação progressiva do pouco que poderia ser aproveitado.

Tonibler disse...

O primeiro erro colectivo é achar que o governo governa o país. O país não tem problema nenhum, governa-se perfeitamente sem políticos. Os políticos existem para governar o estado. E o estado é perfeitamente substituível por outro qualquer com proveitos. Se for este o caminho (eu sempre disse que o Cavaco iria ser o último dos presidentes da república e por "mérito próprio") não me parece assim tão mau.

Luis Moreira disse...

É da sua natureza. Todos sabemos isso há muito.O PS já está pronto para o carregar...

JM Ferreira de Almeida disse...

Margarida, tem toda a razão. Também eu não aceito esta tendência para a coletivização da culpa. Era só o que faltava endossar assim a irresponsabilidade a um povo que se dispôs aos sacrifícios que lhe pediram, mantendo a paz mesmo quando justificadamente veio para a rua fazer sentir a dor!
A irresponsabilidade deve ser atribuida a quem efetivamente a tem por colocar à frente de tudo as suas conveniência pessoais, por se deixar render a calculismos partidários e não pensar nas consequências para o País.
É tempo de concluir que este sistema - e os seus subsistemas, o partidário, o eleitoral, o político - deram o que tinham a dar, não se adaptam ao mundo novo que entretanto se foi formando, e sobretudo é intepretado da forma que estes dias demonstram por uma geração de políticos falhados.

Stunning inspiration disse...

tas-me a censurar jm ferreira de almeida? tás nervosinho?