Número total de visualizações de página

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Correi, economistas, correi a Belém!...

O Presidente da República vai chamar a Belém, na próxima 6ª feira, 30 economistas, grande parte académicos, para uma reflexão sobre as alternativas económicas. Pelo que tenho visto publicado, o perfil dos académicos convidados faz pressupor um largo espectro de alternativas, algumas sólidas, outras seguramente vazias de racionalidade económica, que os seus autores sempre subjugam à ideologia. Compreende-se que o PR tenha que proceder deste modo, abrindo a discussão aos vários vectores de pensamento. Isto partindo do princípio de que alguns convidados  tenham qualquer pensamento económico próprio, já que se tornaram meros reprodutores de um discurso de há muito gasto e acabado. Incapazes de dizerem algo de substancial, limitam-se a divulgar lendas, sabendo que têm público garantido, pois as lendas são sempre sedutoras.
Por dever de ofício, tenho ouvido alguns destes divulgadores de lendas, em conferência e simpósios. Qualquer que seja o tema, produtividade, crescimento, orçamento, ou comércio externo, ou outro à escolha, apresentam sempre a mesma narrativa, a mais das vezes envolvida no mesmo power-point ou parecido, só lhe mudando o local e a data.
Por isso, eu duvido que possa haver qualquer possibilidade de síntese entre a banha de cobra de alguns convidados e o pensamento estruturado de outros, mais à direita, como Ferreira Machado, Sérgio Rebelo, ou Carlos Costa ou mais à esquerda, como Diogo Lucena.
Mas, mesmo eliminando a normalmente muito presunçosa banha da cobra académica, o ecletismo nunca deu bons resultados. Porque a combinação do melhor de cada doutrina soçobra fatalmente na ausência de coerência lógica ou dos princípios específicos de cada qual.
A iniciativa presidencial será um bom exercício de democracia formal. Mas não creio que alternativa pragmática e praticável possa sair de tão vasto leque opinativo.Porque não é possível atingir um rumo, pressupondo que no rumo pudesse haver acordo, por caminhos tão contrários.
Oxalá me engane, mas tal naipe não trará mais luz a Belém.

8 comentários:

Bartolomeu disse...

Espero que o caro Dr. Pinho Cardão, seja um dos convidados À reflexão.
Se for, sugiro-lhe que se previna com um lanchinho.
Não se esqueça que na última reunião do Concelho de Estado, o Dr. M. Soares não aguentou até ao final... por motivo de fraqueza.
Já tinha um ratito a roer-lhe as entranhas...

Bartolomeu disse...

Eu escrevi Concelho?
Com "c"...
Xiiii... isto afinal está pior do que eu julgava.

Tonibler disse...

Seria, talvez, pedir demais ao poder de raciocínio do presidente da república, mas se vai pedir alternativas a estes a quem é que ele atribui a falência do estado? Ao Zezé Camarinha? Aos especuladores da economia de casino?

Caro Bartolomeu,

E porque carga de água iria esta gente comer à borla? Não chega já?

Bartolomeu disse...

Acha possível um economista saciar-se, por muita "comida" que lhe sirvam, caro Tonibler?
Além do mais, vão ser 33 a reflectir... ía ser preciso assar muita "vaca sagrada".

Pedro disse...



Caro Pinho,
...pois é, a esta hora, parece-me que afinal já só vai chamar 29 !




P.S - apesar de a minha opinião ser contraria relativamente ás "politicas" em curso...não consigo sentir qqr animo com a recente saida! a incerteza do que ai virá, é superior e muito á restia de esperança que a mudança poderia trazer... :o( !

Pinho Cardão disse...

Caro Bartolomeu:

A minha ciência económica colide por completo com a daqueles grandes economistas que continuam a preceituar do mesmo veneno que nos está a definhar. Ou que o receitaram e agora o negam. Ou que, de economia, só conhecem a livresca. Ou que violentam os princípios, por obediência à ideologia. Ou que pensam que são os seus "papers" universitários que salvam o mundo. Cada macaco no seu galho. E há bons economistas em Portugal. Oxalá sejam chamados a Belém.

Caro Tonibler:

Repito o que acabei de dizer: há excelentes economistas em Portugal. Mas a maioria passa ao lado da comunicação social.Dizem verdades inconvenientes. Nada de meter tudo no mesmo saco!...

Caro Pedro:
Acho que tem muita razão.
O homem fez coisas erradas, aumentou impostos que definharam a economia e não conseguiu fazer outras, essenciais, reformar a administração pública e reduzir mais a despesa inútil.Mas não enganava ninguém.
Ao contrário de outros que, com papas e bolos lá foram enganando os tolos. E começam de novo a ser venerados como excelsos governantes.

Tonibler disse...

Claro que há, caro Pinho Cardão. Mas como o meu caro disse, quem os meteu no mesmo saco não fui eu....

Bartolomeu disse...

Plagiando o meu amigo Tonibler...
«Claro que há, caro Pinho Cardão.»
Nem vejo porque motivo o Sr. Presidente da República decidiu convidar estrangeiros para essa... reflexão (?!)
Sem ter de vasculhar muito nas universidades portuguesas, reuniria com a maior facilidade, um naipe de economistas com ideias brilhantes, fresquinhas e prontinhas para ser analisadas (sob reflexão) e postas em prática. Mas se preferisse reflexões mais amadurecidas teria a mesma facilidade em encontra-las nas administrações das empresas, desde que tivesse o cuidado de não convidar o Sr. Fernando Ulrich, teria reflexão garantida que dava até ao final do ano... económico.