Número total de visualizações de página

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Maior igualdade de género para combater as alterações climáticas

Foi feito o estudo a que se refere esta notícia que conclui que as mulheres são mais vítimas das alterações climáticas do que os homens, apesar de contribuirem menos para o fenómeno. O assunto não merece mais do que uma simples reflexão: um dos mais impressionantes sinais de decadência desta Europa e das suas instituições é a futilidade e o absurdo feitos ciência.

10 comentários:

Joao Jardine disse...

Caro JMFAlmeida

Sem querer avaliar o mérito da questão, e depois de ler a noticia, fica-me esta dúvida:
se é assim, isto é, se são mais vítimas, como se explica que vivam mais do que os homens. Esta longevidade é comum a todos os povos do mundo.....
Cumprimentos
joão

Suzana Toscano disse...

Caro joao jardine, imagine só quanto mais viveriam se não fossem "mais vítimas do que os homens" :):)
Caro zé mário, concordo em absoluto consigo, a indústria dos estudos já atingiu as raias do absurdo, o que vale é que há para todos os gostos, de modo que se neutralizam mutuamente. Pena é que ninguém pergunte quanto é que isto custa aos cidadãos pagantes (europeus, no caso) ou são só os países que têm que olhar ao que gastam, as instituições europeias podem dar-se ao luxo de atirar dinheiro à rua?

JM Ferreira de Almeida disse...

Caro João Jardine, essa dúvida é um bom mote para mais um estudo.

Suzana, um luxo, diz bem. Como há muito se percebeu, há instituições e gente que vivem disto.
Já reparou quantos pretensos estudos sobre a pobreza, analisada dos angulos mais absurdos e segundo critérios que ninguém sindica, são feitos por alegados cientistas? Quantos deles servem para ajudar a conceber políticas públicas ou apoiar decisões? E, sem pretender cair em demagogia fácil, não será legítimo pensar que uns quantos pobres poderiam ser menos pobres se o dinheiro gasto nessas "investigações" fosse aplicado na criação de riqueza distribuível ou no apoio social?

Margarida disse...

Essse estudos só são equiparáveis aos dos projectos da construção do aeroporto, TGV e outros marmarrachos que há por esse país fora, que só gastam dinheiro público, em estudos e mais estudos, O Estudo para estudar o estudo e para mais uma vez estudar o estudo.
Levam, dinheiro para o bolso das empresas para as quais os políticos trabalham ou um dia irão trabalhar, escritórios de advogados, para as respectivas indemnizações... Hátoda uma industria a alimentar, com o dinehiro público. Apoio social??O o que é isso? dá tacho??? São só uns pobrezitos e ranhosos... acho bem

(c) P.A.S. Pedro Almeida Sande disse...

Nem mais, Margarida. A melhor alteração climática é a que o Padre António Vieira, tantas vezes incompreendido, afirmava em alguns dos seus sermões e no Portugal futuro!

Caboclo disse...

Quantos estudos já paguei e sempre em falta ..eita pôra..

Nem a propósito ..
http://doportugalprofundo.blogspot.com.br/2012/04/consultoria-base-operacional-de-poder.html

jotaC disse...

Caro Drº Ferreira de Almeida,
O que não seria se não houvesse tanta coisa importante para estudar!?
Tal como diz: uma futilidade

Pinho Cardão disse...

O nosso orçamento distribui uns milhares de milhões de euros para "investigação", de diversas etiologias. Na investigação tecnológica, sem resultados práticos visíveis: onde é que está a investigação que tenha dado em novos produtos susceptíveis de serem produzidos e comercializados? Na investigação sociológica e similar, pois todos os dias aparecem estudos e mais estudos, profundíssimos, daqueles que concluem na apresentação do perfil dos sujeitos objecto de estudo: caucasiano, de 35 a 50 anos, urbano ou suburbano, grau de ensino médio, sem profissão ou cheio delas, etc, etc: dá para tudo e é científico.
Depois os pós-docs para sustentar os docs...num verdadeiro círculo lobístico que ninguém consegue romper. Porque, se o fizer, está contra a ciência. E que ciência!...
No meio disto tudo, acabam por ser apanhados na mediocridade os verdadeiros cientistas, aqueles que criam e merecereriam a devida recompensa. Mas na mediocridade e na inutilidade nos vamos afundando.

Ilustre Mandatário do Réu disse...

O orçamento do ensino superior incluindo a acção social é menos de mil milhões de euros.

Ficamos por isso sem perceber bem o que quer dizer Pinho Cardão quando afirma: uns milhares de milhões de euros para "investigação".

Eis um caso a merecer investigação... provavelmente pelo futuro aluno de doutoramento Cardão possivelmente com a boaventura de ser orientado pelo génio conimbricense Sousa Santos.

Atravessamos tempos de consolidação, o governo PSD (depois da rasquisse PS do Sentieiro) finalmente arranjou alguém de jeito para a Fundação Ciência e Technologia. Devo dizer que não estava à espera. Com Manuel Seabra estou esperançado, já se nota o rigor e o tentativa de salvar com pouquíssimos meios disponíveis o que de melhor existe no sistema científico português.

Muitos ralé irá pelo cano abaixo. Só espero que pessoas com qualidade não sejam apanhadas na teia da crise.

Caboclo disse...

Tem pesquisa que não vale nada ..em contrapartida tem outras espetaculares ..vamo nessa ...


http://www.ted.com/talks/beau_lotto_optical_illusions_show_how_we_see.html