Número total de visualizações de página

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A curiosa consternação com o agravamento do défice de mercadorias em 2014


  1. Foi tema muito noticiado e comentado nos últimos 2 dias o agravamento, em € 926 milhões, do défice da balança de bens com o exterior em 2014 por comparação a 2013.
  2. Com efeito, segundo as estatísticas divulgadas no início da semana, as exportações de bens aumentaram apenas 1,9%, de € 47.266 milhões em 2013 para € 48.181 milhões em 2014, enquanto que as importações aumentaram 3,2%, de € 56.906 milhões para € 58.746 milhões  – apurando-se uma diferença no ritmo de crescimento desta duas variáveis, de 1,9% para 3,2%, que, a julgar pelas opiniões expendidas, se terá revelado astronómica…
  3. Não deixo de notar, de passagem, que este agravamento de € 926 milhões é inferior ao que se registava até ao final de Novembro, o qual atingia € 1.097 milhões, o que significa ter havido em Dezembro uma recuperação de € 171 milhões…
  4. Mas o mais curioso disto tudo é que os comentadores que se mobilizaram para comentar a “desgraça” que foi este agravamento do défice comercial, nalguns casos literalmente lavados em lágrimas, são os mesmos que clamam, incessantemente, pela necessidade de alívio das medidas de austeridade e pretendem, consequentemente, que a procura interna possa crescer mais depressa incentivada pelo aumento do rendimento disponível…
  5. Não há maneira de entenderem que qualquer aumento da procura interna, seja de consumo seja de investimento, vai necessariamente traduzir-se num aumento de importações…foi exactamente o que aconteceu em 2014 em que já se registou algum alívio em cortes de salários e pensões, conduzindo a um aumento da despesa orçamental com pessoal  e, naturalmente, a uma maior procura de bens importados (vidé o forte aumento da compra de automóveis, que aliás prossegue em 2015).
  6. Ou então entendem mas querem tratar-nos virtualmente como parvos…
  7. Num registo mais caricato, encontrei num conhecido diário esta interessantíssima notícia: “Importações da Alemanha contribuem para o agravamento do défice comercial”…com esta aprendi alguma coisa, ou seja que as importações, desde que provenientes de outros países que não a Alemanha, podem não contribuir para o défice comercial…
  8. Só falta referir que, com este resultado para a balança de bens e tendo em conta o que já se sabia sobre as demais rubricas da balança de pagamentos até ao final de Novembro, é agora praticamente certo que o saldo conjunto das Balanças Corrente e de Capital – o saldo dos saldos – deverá ter sido em 2014 confortavelmente superior ao de 2013…mas, quando essa notícia chegar, vai passar quase despercebida, “felizmente”.

 

10 comentários:

João Pires da Cruz disse...

Há um par de dias, numa discussão facebookiana eu dizia que se há coisa que nos podemos orgulhar é o facto de o país se ter mostrado uma entidade financeiramente viável e podemos ter todos os maus indicadores no estado que, só isso, é o suficiente para podermos encarar o futuro de forma positiva. E curiosamente, responderam-me que não, porque a balança de bens era muito negativa e que só produzíamos metade da carne que consumíamos.

Ou seja, anda metade do país erradamente a vender design, matemática, programação, know how, formação, quando se devia pegar nessas pessoas e força-las ao pastoreio de gado vacum.
E ainda há quem se admire disto ter tido uma ditadura de 50 anos e falir de 10 em 10 anos...

JM Ferreira de Almeida disse...

Creio que no ponto 7. o Tavares Moreira se refere a um artigo publicado no DN Economia titulado "Alemanha rouba crescimento económico a Portugal" ou coisa que o valha, que depois foi substituido por portugues mais suave, ficando "Alemanha é o país que mais desviou crescimento de Portugal". Uma coisa parva, que me deram a ler.

Tavares Moreira disse...

Caro Pires da Cruz,

Tem toda a razão, com estas notícias enviesadas e irracionais, mobilizam-se muitos espíritos para exercícios da mais completa futilidade mas sob um rótulo de assunto muito sério...

Caro Ferreira de Almeida,

Tanto quanto me recordo a fonte é outra - o Público, jornal que até aprecio bastante e leio com regularidade - mas o exercício mental, de rigorosa falácia, é muito semelhante ao do episódio que refere.
Como vê, pois, esta epidemia opinativa está mais espalhada do que se possa julgar...

Carlos Sério disse...

Para quem atribuía grandes virtudes à austeridade vivida nestes quatros anos como garante da “mudança estrutural” da economia portuguesa não está nada mal não senhor. Afinal, basta interromper o curso diabólico crescente da austeridade (eleições a quanto obrigam) para que tudo volte ao que era dantes. Chega-se portanto à conclusão que o rasto de destruição social a que conduziu a austeridade de nada serviu a não ser para aumentar o número dos muito ricos bem como o volume das suas fortunas.

opjj disse...

Passados 2 anos do subsídio de Natal estar a ser pago em duodécimos, ainda há muita gente que berra chamando o governo de ladrões.Pior de tudo é que nas opiniões públicas, jornalistas e comentadores (economistas)não informam. Ainda esta semana um meu conhecido que costumo ir tomar café de 2 em 2 meses, só agora se apercebeu que estava a receber em duodécimos(um homem com cultura).
Há gentinha que está doente politicamente e por isso só vê ladrões.
Cumprimentos

opjj disse...

Quem dera que em vez de 808 milionários, como diz o B.E. não fossem 80.000, o país estaria certamente melhor.
Tanta inveja!

Emmanuel disse...

http://youtu.be/21CN815v2G0 http://emmanuel959180.blogspot.in/

Diogo disse...

Caro Tavares,

O importante é que a política de Austeridade e o pagamento da Dívida continue (como o tem feito até agora) a impulsionar decisivamente o nosso crescimento económico.

Abraço

Carlos Sério disse...

"o nosso crescimento económico"

O índice de produção industrial apresentou uma variação homóloga de -2,0%, em Novembro.

O Índice de Volume de Negócios na Indústria apresentou, em termos nominais, uma diminuição homóloga de 5,2% em Novembro.

O Índice de Volume de Negócios no Comércio a Retalho registou em Novembro uma variação homóloga de 0,2%.

O Volume de Negócios do sector do Comércio estabilizou, mas o número de empresas e pessoal ao serviço diminuíram.

O índice de produção na construção registou uma variação homóloga de -5,8% em Novembro.

Em Novembro de 2014, as exportações de bens diminuíram 0,4% e as importações de bens cresceram 2,8% face ao mês homólogo.

No conjunto do ano 2014, as Vendas na Indústria diminuíram 1,2% (variação média de -0,5% no ano de 2013).

De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas no Inquérito de Conjuntura ao Investimento de Outubro de 2014 (com período de inquirição entre 1 de Outubro de 2014 e 19 de Janeiro de 2015), o investimento empresarial deverá apresentar uma taxa de variação nominal de -2,2% em 2015. O principal factor limitativo do investimento empresarial identificado pelas empresas nos dois anos analisados foi a deterioração das perspectivas de venda.
(Dados INE

Tavares Moreira disse...

Caro Opjj,

Pode bem falar-se de um fenómeno de ilusão financeira neste caso, por contraposição à "velha" ilusão monetária, muito frequente nos tempos de moeda própria, em que as pessoas pensavam que recebiam mais, quando os salários nominais aumentavam, mas na realidade perdiam pois a inflação "comia" mais do que esses aumentos...
A ilusão financeira funciona ao contrário: as pessoas recebem mais mas, como ainda estão sob a influência/choque dos cortes nominais anteriores, ainda raciocinam como se recebessem menos...