Número total de visualizações de página

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Espanha: luzes de aviso passam a vermelhas, vem aí um Junho bem agitado...

1. De há muito que a situação financeira/bancária em Espanha tem constituído motivo de preocupação, sendo apontada como o “calcanhar de Aquiles” da economia espanhola, em consequência sobretudo do formidável impacto da crise do sector imobiliário sobre os balanços dos bancos...as Cajas de Ahorro, outrora um motivo de orgulho para o sector bancário espanhol pela sua originalidade, são hoje motivo de enorme pesadelo pelo enorme envolvimento nessa crise...
2. Como é do conhecimento geral, o Bankia, 4ª instituição bancária de Espanha pela dimensão do balanço, que resultou da fusão de 7 Cajas de Ahorro entre elas a outrora toda-poderosa Caja de Madrid, acaba de ceder perante a avalancha de perdas sofridas com o crédito ao sector imobiliário, tendo-se visto na necessidade de recorrer a um apoio de emergência do Estado, para reforço de capital, de 4,5+19 mil milhões de Euros, em resultado do que ficará nacionalizado em mais de 90%...
3. O Governo espanhol, de fresca data, foi apanhado em contra-pé neste dossier, uma vez que o anterior executivo, convencido de que o tempo resolveria os problemas, promoveu uma série de fusões bancárias, sobretudo das tais Cajas de Ahorro, mas deixando lá ficar todos os maus activos, numa amálgama bem difícil de gerir...e o tempo, em vez de resolver, acabou por agravar a situação, que agora tem de ser enfrentada em toda a sua crueza...
4. Talvez imprudentemente, o novo Governo espanhol resolveu assumir a posição “bail-out” internacional “jamais” (onde é que já ouvimos isto?), garantindo que o Estado espanhol seria capaz de mobilizar recursos suficientes para resolver a crise do sector bancário.
5. Só que esta crise pode assumir proporções, em termos de requisitos adicionais de capital dos bancos para compensar as perdas que têm de contabilizar, que o Estado espanhol poderá não ter capacidade para ultrapassar só por si mediante a emissão de dívida no mercado – se for qq coisa como € 100 mil milhões como se tem dito, não terá mesmo – necessitando de assistência internacional (o tal “bail out”) em moldes algo parecidos aos que a Irlanda utilizou para sanear o seu sector bancário...
6. Acontece que no início desta semana, fruto de todas estas incertezas, o diferencial (spread) entre os juros da dívida pública espanhola a 10 anos e os juros da dívida pública alemã para o mesmo prazo ultrapassaram pela primeira vez os 500 pontos base...
7. E os comentadores/analistas logo recordaram a distância FATÍDICA, medida em número de dias, entre a DATA em que os “spreads” entre os juros da dívida a 10 anos da Grécia, da Irlanda e de Portugal e os juros da dívida alemã atingiram os 500 pontos base...e a DATA em que esses países apresentaram os seus pedidos de resgate internacional - 16 dias para a Grécia, 24 dias para a Irlanda, 34 dias para Portugal...
8. Tanto bastou para que se acendessem luzes vermelhas de aviso quanto ao risco da situação em Espanha...quantos dias faltam para a Espanha formalizar o pedido de resgate do seu sector bancário, 30 dias, 40 dias? E se o não fizer o que vai suceder?
9. Vamos ter provavelmente um dos meses de Junho mais agitados das últimas décadas...cintos de segurança bem apertados, recomenda-se...

8 comentários:

Zuricher disse...

Caro Tavares Moreira, noutros tempos as Cajas foram, realmente motivo de orgulho para o Reino pela sua função social que efectivamente cumpriam. O objectivo era que cada caja investisse os seus proveitos em obras sociais na área da sua influencia. Realmente fizeram-no, em tempos idos. Entretanto foram tomadas de assalto pelos políticos e de há alguns anos a esta parte que servem para enfiar amigos, financiar amigos, enfim, uma rebaldaria pulhítica da pior espécie que possa imaginar-se. Para ilustrar o cumulo a que isto chega, ontem num depoimento no congresso um membro dum conselho de administração duma delas disse que não sabia e nem tinha formação para poder ler um balanço! E ficámos a saber também que nessa mesma caja um dos membros do conselho era caixa dum supermercado antes de ser membro do conselho de administração dessa caja. Isto para não falar nas indemnizações multi-milionarias que os membros dos conselhos de administração aprovaram para si mesmos em cajas um pouco por todo o país.

Algo que já foi tão valoroso e arrisco mesmo dizer, bonito, tornou-se em algo de assustar um morto, tal a pouca vergonha.

Tavares Moreira disse...

Caro Zuricher,

Sem conhecer em detalhe a história das Cajas dos últimos anos, admito que tenha razão nesta sua dura denúncia do enorme equívoco em que estas instituições, outrora respeitáveis porque dirigidas em obediência a estritos princípios de uma gestão sã e prudente, acabaram por se transformar...
E essa lamentável transformação deu-se a partir da altura em que ficaram contaminadas pelo princípio do favorecimento sistemático dos amigalhaços, tão ao gosto da equipagem da rosa e seus parentes políticos próximos...
E o seu espírito de missão, outrora tão respeitado, acabou "feito em cacos"...

Tonibler disse...

O Bankia é um produto da regulação. Uma fusão provocada pela maluqueira dos requisitos de capital que infelizmente vai levar ao desemprego das pessoas erradas, porque os burocratas da regulação vão sair por cima numa situação provocada por eles. Hoje o Bankia é demasiado grande para cair não é por culpa dos políticos, é que de quem se substituiu aos bancos na definição dos riscos que se podem assumir ou não. O resultado é este aqui como vai ser em muitos mais até que esteja tudo nacionalizado por esse mundo fora e os burocratas despedidos.

Mário de Jesus disse...

Dr. Tavares Moreira

Diz-se e escreve-se já que o FMI já prepara planos de contingência para um eventual resgate a Espanha no caso de o país não conseguir fundos para o Bankia. E esses planos até já estarão em curso uma vez que o país está a tentar conseguir 10 mil milhões de euros para injectar no Bankia. A Espanha precisará de 19 mil milhões de euros para salvar o Bankia, mas o fundo espanhol concebido para ajudar a banca só dispõe de cerca de 9 mil milhões de euros. Assim sendo, Madrid terá, à partida, de ir ao mercado financiar-se. Contudo, perante a escalada dos juros da dívida pública espanhola, tal aparenta ser muito difícil. Fala-se que o pacote de assistência a Espanha poderia atingir os 300 mil milhões.
Seja o que for que aconteça à Espanha não ficamos imunes.Ela é responsável por 25% das nossas exportações.


Abc

Mário de Jesus

Tavares Moreira disse...

Caro Tonibler,

Terá uma quota de razão, certamente, nessa sua análise denunciadora dos erros da regulação...
Mas não esqueçamos as barbaridades cometidas de motu proprio na gestão dos riscos, como acima disse muitas vezes - as mais das vezes? - para satisfação de amigalhaços...

Caro Mário de Jesus,

Bem vindo a este Blog em 1º lugar!
Quanto à questão que enuncia, ela pode tornar-se mais aguda se outras instituições bancárias - como parece - vierem a necessitar de apoio do Estado para poderem sobreviver.
Se as notícias que têm sido insistentemente divulgadas apontando para necessidades de reforço de capital de mais de € 50 mil milhõe tiverem fundamento, não vejo muito sinceramente como é que o Estado espenhol poderá alavancar esse fundos no mercado...só mesmo vendendo a Andaluzia à Al Qaeda possivelmente...ou emitindo dívida a taxas de 10% o que seria bonito...

Tonibler disse...

Caro Tavares Moreira,

O único mitigador de risco credível que existe é a diversificação(como o próprio Bankia descobriu à exaustão). Quando tenho centenas de bancos a avaliar por si mesmos os riscos que incorrem, naturalmente vou ter uns que estão certos e outros que estão errados, uns que ajudam amigos e outros que ajudam inimigos. Mas no fim do dia, o sistema está seguro, porque os erros têm um alcance muito curto.

Se quiser fazer uma asneira catastrófica em termos financeiros é colocar os bancos todos a avaliar o risco da mesma forma e mandá-los defenderem-se todos da mesma maneira. Para que a asneira possa ter uma dimensão verdadeiramente global, defino condições leoninas de acesso ao mercado e custos de operação proibitivos, para provocar economias de escala e ter enormes vantagens nos grandes face aos pequenos.

Assim, se o método único estiver errado (como TODA a regulação bancária está, e prova-se matematicamente) o sistema vai estar a quebrar sucessivamente e, pior, em quebras cada vez maiores porque a resposta do sistema tem sido aumentar ainda mais os custos de operação para fazer dos bancos cada vez maiores.

O mais preocupante em tudo isto é que apenas os bancos internos dos USA estão imunes a esta maluqueira, pelo menos por enquanto.

Roubos vai haver sempre, amigos vão haver sempre.

Suzana Toscano disse...

Li algures, creio que no El País, que a situação do Bankia era tão grave que se admitia o resgate directamente pela Europa, para não aumentar a dívida espanhola. Não seria uma "nacionalização" mas uma "europeização", o problema é que tal não está previsto em lado nenhum, além de outras questões insolúveis em termos de soberania espanhola. Será que a rápida evolução da crise espanhola, e a sua dimensão (só o Bankia exige quase metade do montante da ajuda externa a Portugal!)vão estimular novas abordagens de salvação? Para já, a Espanha já obteve um ano de adiamento para atingir o defice a que se tinha comprometido.

Tavares Moreira disse...

Caro Tonibler,

Acompanho-o no sentimento de alguma frustração perante a onda de regulacionismo exacerbado a que temos assistido depois da queda do Lehmann Brothers.
Não creio que este regulacionismo verdadeiramente sufocante nos vá levar a nenhum porto seguro, mas é a moda e o Senhor sabe também como eu o poder que estas modas têm...até que se prove que o rei vai nú e lá vem outra moda tentar salvar-nos dos desmandos consentidos pela moda anterior...
Mas tenho a noção de que vai longe demais na imputação ao regulacionismo dos principais malefícios que o sistema financeiro tem sabido gerar...
Nem tanto ao mar nem tanto à terra, para referir um velho brocardo lusitano...

Cara Suzana,

É bem provável que o Bankia e outros bankiazitos que parece haver por Espanha venham a fazer alguma história em matéria de instrumentos de salvamento financeiro, alargando por exemplo o escopo salvador do European Stability Mechanism.
Numa altura em que não apenas a economia europeia mas também a economia mundial estão emitndo alguns sinais amarelos de aviso, a última coisa que poderá acontecer será uma crise financeira séria em Espanha...
Isso sim, que não manifestamente a Grécia, poderia ser o renovado Lehmann Brothers, em todo o seu esplendor...