Número total de visualizações de página

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Mundo velho...mundo novo II


A América é, de facto, um mundo novo. Por cá, o apoio financeiro dos pais aos filhos estudantes é coisa natural; por lá, objecto de estranheza e até de reprovação. Desta mesma estranheza fazia-se eco o jornal norte-americano USAToday do dia 3 de Maio. Referindo-se a um estudo vindo a lume sobre a matéria, o jornal titulava na 1ª página: os pais pagam, eles divertem-se com os favoritos!...
O estudo revelava que cerca de 42% dos pais apoiam os filhos no pagamento das suas compras pessoais, 35% pagam-lhes as propinas, 23% pagam as despesas com o carro, e 22% a renda da casa.
Outra conclusão do estudo era que, quando os pais pagam tudo, os filhos trabalham um mínimo de horas e estão mais sujeitos a comportamentos de risco, ganhando hábitos de bebida, fumo ou marijuana. Por outro lado, os jovens adultos sem suporte financeiro dos pais trabalham arduamente, para terem dinheiro. Vivem geralmente imunes a comportamentos de risco. Face ao facto de terem que trabalhar, o abandono dos estudos universitários é superior.
Em nenhuma parte da notícia o jornal faz referência à “obrigação”, tão corrente entre nós, de o Estado contribuir para a educação superior. Lá, trata-se de um investimento pessoal; aqui, de uma dádiva. É por isso que, de dádiva em dávida, andamos sempre de mão estendida. A contar que os outros nos acudam.       

12 comentários:

Carlos Sério disse...

"andamos sempre de mão estendida. A contar que os outros nos acudam", diz o Pinho Cardão.

Esta ideia "de que os outros" são uma simpatia por nos emprestarem dinheiro é de uma grande ingenuidade.

A UE está dominada pelas oligarquias financeiras, a quem os estados intervencionados e em dificuldades financeiras deviam e devem brutais montantes de dinheiro. Os maiores credores destas dívidas, públicas e privadas, são a banca alemã e francesa. As intervenções da Troika mais não fazem do que garantir o pagamento dessas dívidas, o retorno do dinheiro emprestado. É esta a sua primeira e única missão. Impor austeridade e a venda do património público com o único propósito de garantir dinheiro para o pagamento das dívidas dos estados.

Será bom que os portugueses deixem de ser parvos e deixem de ter a ideia romântica de uma União europeia solidária que os nossos políticos idiotas nos fizeram acreditar. Quando a UE empresta dinheiro aos estados a 4% de juros e aos bancos a 1%, não será isto a demonstração evidente dos interesses que defende e a quem está subordinada?

Pinho Cardão disse...

Que grande confusão vai por aí, caro Carlos Sério!
O maior desmentido do que diz é que os Bancos perderam 76% do que emprestaram à Grécia.

Carlos Sério disse...

Já demonstrei aqui, neste blog, por a mais b,a falsidade dessa "perda" dos credores da dívida grega.
Não perderam, ganharam.
Descontaram os bonds por menos de 50%, com garantias do FEEF, quando no mercado tais títulos valiam apenas menos de 70% e a continuarem as coisas como estavam sujeitavam-se a perder não só os 70% mas tudo o que tinham investido.Nessas circunstancias não deixou de ser, apesar de tudo, um bom negócio para a banca alemã e francesa credora.

Pinho Cardão disse...

Caro Carlos Sério:
O meu amigo é um verdadeiro humorista!

Carlos Sério disse...

Caro Pinho Cardão,
Não vá por aí que não lhe fica bem.

Pinho Cardão disse...

Portanto...ninguém perdeu e todos ganharam!

Caboclo disse...

ahahaha fala sério ...ahahahahaha vamo nessa ..deita e rola ....trata já de fazer uma encomenda na De La Rue...ahahahaha.. fala sério ..se não vamos por aí..vamos por onde?
Poxa.. aqui http://www.delarue.com/AboutUs/ não tem o endereço mas aposto que eles aceitam encomendas por email ...ahahah ..olha a sério ..quem já está lá à porta é o Venizelos..liga-lhe ... ele dá-te as dicas todas ... ahaha fala Sério ...fala logo ...

Carlos Sério disse...

Caro Pinho Cardão,
Existe sempre um risco associado à compra de activos nos mercados financeiros. Os derivados das hipotecas imobiliárias americanas negociados nos mercados, e classificados pelas agências de ratting com a notação mais alta (AAA) de um momento para o outro valiam zero e eram consideradas lixo. Os títulos de dívida grega eram à data da “renegociação” da dívida activos financeiros que no mercado valiam 70% do seu valor nominal. Contudo com a renegociação os credores trocaram os seus activos, que valiam apenas 70% do seu valor nominal, por outros garantidos pelo FEEF a 46,5% do seu valor.
Os credores não foram obrigados a esta troca. Não se pode afirmar que os credores “perderam” quando estes poderiam sempre esperar pela maturidade dos bonds e então nada perderiam. Foi um acto voluntário a sua opção, analisados os prós e contras, os prejuízos e os benefícios da operação.
É analisando toda esta situação, sem dogmatismos, sem sectarismos ou sem partidarite aguda, que se compreende a verdadeira realidade dos factos.

Caboclo disse...

fala sério ..comparar divida soberana com "..Existe sempre um risco associado à compra de activos nos mercados financeiros..." só de brincadeira ..

esta seriedade manhosa jogando areia para os olhos ..."foi um acto voluntario" ..ahahaha fala Sério...

Carlos Sério disse...

A ignorancia atrevida e insultuosa é sempre insuportavel.

"O governo da Grécia anunciou, na madrugada desta sexta-feira (9), que o plano de reestruturação da dívida soberana grega ganhou a adesão de 95,7% de seus credores, informou a Autoridade de Gestão da Dívida Pública (PDMA)."

Carlos Sério disse...

"A depender da solvabilidade do país emissor, os títulos da dívida soberana podem ser considerados mais ou menos seguros do que títulos da dívida de empresas, levando-se em conta, porém, que, no caso de moratória de um Estado, os recursos jurídicos são quase inexistentes.

As possibilidades de reembolso são portanto estreitamente ligadas à capacidade fiscal do país emissor e, portanto, ao seu desempenho econômico e à sua gestão orçamentária. A partir desses critérios atribui-se a nota de risco de uma dívida soberana, sendo que relação endividamento / PIB é uma das bases dessa avaliação."(Wikipédia)

Caboclo disse...

Pior que a ignorância é a manhosice.

olha só ..humorista falhado ..os lucros deste ...http://www.bbc.co.uk/news/business-18031322

os "ganhos" de 76% do credit agricole com a Grécia..

manhoso ..pensas que enganas quem ..manhoso foleiro ..fala sério