Número total de visualizações de página

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Viés de confirmação



Costumo dar uma aula sobre vieses e variáveis de confundimento a fim de explicar quais as consequências em termos de qualidade de informação que se obtém no decurso de uma investigação. Se não forem controlados corremos o risco de obter informação de má qualidade, falsa, incorreta ou distorcida, o suficiente para comprometer a nossa visão da realidade e levar a que tenhamos comportamentos errados.
O ser humano adquiriu há muito a capacidade de argumentar, uma característica que o ajudou muito na evolução. Essa capacidade de argumentar não é propriamente sinónimo da procura da verdade mas sim o meio mais eficaz de persuadir os outros convencendo-os de que tem razão, mesmo que não a tenha e, deste modo, adquirir as respetivas vantagens. Talvez seja por isso que procura sempre os factos, as opiniões e tudo o que venha a reforçar os seus "preconceitos", ideias, tiques doutrinários, estereótipos religiosos e tudo o demais com o qual se identifica.
Chamam a isto o "viés de confirmação". Nunca o abordei, e tenho uma grande "coleção" de vieses. Um bom tema para discutir.
Não é preciso recorrer a situações da saúde para o desenvolver, se bem que começo a vislumbrar alguns exemplos do mesmo, mas prefiro olhar para o que me rodeia, áreas do social, do desporto e da política.
Algumas pessoas ao escreverem sobre os outros apontam-lhes aspetos negativos, e estão sempre atentos a transcrever e a justificar as suas más opiniões como se os mesmos não tivessem cinco reis de caráter ou um mínimo traço de honestidade. "Não gosto dele, nunca gostei", nem é preciso dizer a razão, mas estão atentos a solidarizarem-se com tudo o que puderem para confirmar essas tendências utilizando-as como argumentos de peso. E se não forem de peso, arranjam sempre maneira de conseguir, criar ou inventar argumentos com esse objetivo. O que é interessante é que se preocupam mais com a aquisição de elementos, notícias, ideias ou opiniões que alimentem os seus preconceitos do que propriamente saberem a verdade. Alimentam-se do viés de confirmação, uns verdadeiros esfomeados, sem o qual não conseguem sobreviver.
Arrepio-me, é o termo certo, quando leio muitas opiniões nos blogs, no facebook, na televisão, nos jornais e em algumas entrevistas ou reportagens.
No entanto, admiro a capacidade de argumentação de muitos, elegante, sóbria, despretensiosa, sempre abertos a mudarem de opinião e a contribuírem para a procura da verdade, mas intimida-me a de muitos outros, que tudo fazem para se imporem, frequentemente à custa da procura e do uso de tudo o que estiver de acordo com os seus "princípios doutrinais" ou preconceitos.
Não tenho a pretensão de ser imune a esta forma de ser, mas faço todos os possíveis para a evitar. Volta e não volta sou rotulado de herege ou acusado de ter atitudes muito pouco ortodoxas. Interessa-me mais a verdade do que me alimentar através do viés de confirmação. Infelizmente nem sempre encontro a primeira e quanto ao segundo preferiria passar fome, mas passar fome é muito complicado...

12 comentários:

Freire de Andrade disse...

Tenho por hábito frequentar predominantemente os blogs com cujas ideias concordo mais frequentemente, como seja o Quarta República. Os outros, só lá vou por alguma razão extraordinária. Deleito-me ao ler os textos que espelham uma opinião igual à minha e por isso procuro de preferência esses textos. Será isto um viés de confirmação?

Catarina disse...

E essa forma de ser é característica da humanidade em geral ou predominante em determinados povos?

Massano Cardoso disse...

Excelentes perguntas, confesso. Quanto à segunda, a da Catarina, só posso dizer que é "característica da humanidade".
E quanto à primeira? É capaz de ser, também, uma forma de viés, embora acredite que quem nos leia esteja capacitado para discordar e não se deixa levar por opiniões desastradas ou incorrectas. Basicamente o viés de confirmação utiliza "factos" duvidosos, insuficientes, incorrectos, maldicentes. Emitir opiniões e saber mudar de opinião é um pouco diferente, partilhar princípios ou forma de ver não será a mesma coisa.

Bartolomeu disse...

Detesto "comentar-me" sobretudo no que diz respeito a evidenciar as qualidades que julgo possuir. Do mesmo modo, detesto argumentar, como forma de fazer passar a minha ideia, a minha convicção.
Possuo o
um defeito contra o qual tento lutar no meu íntimo; quando exponho uma ideia, um pensamento, ou uma opinião e o(s)meu(s) interlocutore(s) desatam a argumentar, rebatendo aquilo que acabei de expôr, remeto-os interiormente para o mais profundo dos desprezos.
Mas, o que me incomoda verdadeiramente, é o sentimento de desprezo, o qual abomino até à raíz mais fina do meu ser.
E lider com este braço de ferro?!
Uiiiii é verdadeiramente impossível.
;)

Massano Cardoso disse...

Bartolomeu

Compreendo-o muito bem.
Um abraço

Tonibler disse...

Eu adoro exemplos desses (não aplicados a mim, claro) porque são boa parte do que é hoje o jornalismo - omitir factos relevantes para a interpretação de um conjunto de outros. Por exemplo, o facto de uma colega minha ter ficado grávida pode ser noticiado como "veio trabalhar para o pé de mim e ficou grávida". E há exemplos muito bons em filmes inteiros. Por exemplo, o filme-documentário "Inside Job", supostamente sobre o meandros dos mercados financeiros usa um conjunto de factos indesmentíveis para lançar um conjunto de interpretações moralistas que não apareceriam com outros que se percebe terem sido omitidos. O caso do Relvas é outro, o jornal começou por dizer que o Relvas teria ameaçado que colocaria informações pessoais da jornalista, provocando a interpretação de que teria posse de segredos cabeludos sobre a senhora. Dias depois sabe-se que o segredo é que ela vive com um político da oposição, coisa que já deve ter saído na Caras 20 vezes.
Quem sabe se a livros que suportam religiões inteiras não foram suprimidos parágrafos que alterariam completamente a sua interpretação e, com isso, teríamos uma História completamente diferente?

Caboclo disse...

Olha só por falar em viés e confundimento.. Merkel não sabia ..acho que ainda não sabe ...onde fica Berlim no mapa ...iii rapaz... é assustador...o nível dos líderes Europeus está alto ..muito alto ..sim senhor ..

Suzana Toscano disse...

Muito a propósito este post, todos somos um pouco manipuladores, seja por bem ou por mal, conciente ou inconscientemente, por isso investigar implica, no mínimo, saber que deve obedecer a técnicas científicas e a conhecimentos mínimos de como conduzir uma investigação, seja ela qual for. A ignorância leva a confundir investigação com intriga, pena que as suas aulas não sejam abertas na net, caro Professor, evitavam-se muitas confusões e juízos precipitados.

Ilustre Mandatário do Réu disse...

Os vieses e as variáveis de confundimento só fazem sentido em contextos onde há de facto uma medição que pode ser enviesada.

Por exemplo, se meço o comprimento de um morango com uma régua posso cometer um enviesamento de paralaxe. Mas o enviesamento faz aqui sentido porque o comprimento do morango é uma quantidade bem definida.

Normalmente essas quantidades são mera poeira de Cantor no contínuo da informação.

Massano Cardoso disse...

Todas as medições são sucetíveis de enviesamento. Tudo o que se passa "debaixo" e "por cima do sol" são passíveis de medição.

Maria Baldinho Seguros disse...

muito interessante, nunca o tinha ouvido dito desta forma. Foi buscar o viés ao "bias" inglês?

Massano Cardoso disse...

Em português temos o termo "viés" equivalente ao "bias" em inglês. O viés é um termo que as costureiras usam com certa frequência, "cortar de viés", ou seja, cortar não a direito...