Número total de visualizações de página

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Três mulheres


Não deixo de me surpreender durante as minhas consultas, umas vezes pela positiva, outras pela negativa e, por vezes, pelas lições de vida que recebo. Na mesma tarde, e de forma sequencial, três mulheres ensinaram-me imenso. Trabalhavam todas nas limpezas e já não eram nada novas, mas necessitam de trabalhar para ganhar o pão. A primeira contou-me que tinha tido uma empresa de pintura de cerâmica onde chegaram a trabalhar onze pessoas. Teve que as despedir e foi obrigada a arranjar um emprego. Via-se que a senhora tinha alguns tiques de ter vivido bem. Olhei para o seu pescoço e despertou-me a atenção uma extraordinária medalha em ouro finamente trabalhada representando a Cruz de David e no reverso um menorá. Ao redor frases em português. Perguntei-lhe se era judia. Riu-se, meia. Meia? Explique-me melhor. Afinal era cristã, embora com ascendência judaica. Mas o raio da medalha perturbava-me pela qualidade. Não é muito vulgar tal artefacto em ouro. Explicou-me que foi ela que a mandou fazer a partir de uma medalha de metal que uma senhora encontrou para os lados de Ílhavo. Mandou fazer uma réplica. As frases, em português, palavras de Deus, eram um estímulo de esperança no futuro. Curioso, uma medalha com motivos hebraicos e em português dos finais do século vinte. Falámos durante algum tempo até que me perguntou, não é desonroso trabalhar nas limpezas, pois não, senhor doutor. Agarrei na medalha e li o que nela constava. Não, minha senhora, seja qual for o trabalho, seja qual for a nossa condição, é a melhor das honras que um ser humano pode usufruir. Saiu confortada.
A seguir, entra uma senhora com setenta e dois anos. Trabalhava, também, nas limpezas. A face era de alguém muito mais nova, bonita mesmo. Não queria acreditar que tivesse aquela idade. Num ápice relatou-me a sua vida. Tudo porque lhe perguntei porque continuava a trabalhar. Não tinha tempo de descontos. Começou a descontar apenas há doze anos, quando se divorciou. Antes era costureira e nunca fez qualquer desconto, nem para a Casa do Povo. A senhora divorciou-se aos sessenta anos? Quanto tempo esteve casada? Estive trinta e dois. Casei-me aos vinte e oito, tive três filhos e o meu homem trocou-me, trocou-me por homens. Como? Foi então que desatou a explicar que logo de início começou a desconfiar dele, porque não a procurava. E para arranjar os filhos não foi nada fácil. Deixei-a contar as peripécias de uma vida a que teve de se sujeitar para poder criar os filhos. Mais tarde, a violência era uma constante, que diga as dores na coluna e no pescoço, zonas apetitosas para o energúmeno. Arranjou coragem e aos sessenta anos saiu de casa, fez-se à vida e tem trabalhado como uma moura à espera de conseguir o tempo mínimo para poder usufruir algum conforto. Espera poder conseguir resolver o seu problema daqui a três anos. Chamou-me a atenção o facto de não manifestar rancor pelas amarguras que a vida lhe proporcionou.
A terceira, de idade a raiar os sessenta e muitos anos, alquebrada, portadora de um esqueleto doloroso, manifestando sinais de ciatalgia, com limitações mais do que evidentes para o exercício de mulher de limpeza, contou-me a sua história. É um condão que tenho, algumas pessoas, as mais sofredoras, abrem-se de uma forma que me perturba, caindo nas suas intimidades quase de imediato. Vivia bem, muito bem, dois filhos e um marido que morreu de acidente de viação há cerca de dezoito anos. Foi fiador de um amigo, que passou os seus bens para a mulher, e declarou falência da empresa. "Herdou" quarenta mil contos de dívidas. Negociou com o banco e desde então paga oitocentos euros mensais. Oitocentos euros? Mas a senhora não ganha isso. Riu-se, pois não. Somos nós os três, ela e os filhos, a amealharem mensalmente para poderem pagar, o pior é que temos meses em que o dinheiro não dá para a comida. Mas ainda falta muito para pagar tudo? Faltam cinco anos. Olhe, já estou habituada. No início, se tivesse tido oportunidade, ainda era capaz de dar uns cem ou duzentos contos para que alguém o matasse, mas não apareceu ninguém. E o sacana? Anda pela terra, um desgraçado, um tinhoso a que ninguém liga. Tinha que preencher a sua ficha de aptidão, apeteceu-me escrever, "apta para usufruir o direito à felicidade". Fiquei com a sensação de estar perante um velho condenado às galés, sem culpa, resignado, sem direito a beneficiar um momento de felicidade.
Viver já custa, mas viver para pagar as dívidas de outrem é o mesmo que ser enclausurado inocentemente. Mas trabalha, com dores no corpo e com dores na alma. E ainda me queixo...

4 comentários:

Bartolomeu disse...

Cada vez mais, acredito que certos seres humanos, possuem aptências, uma aura, ou sei lá o quê, que faz com que automáticamente, seres em sofrimento, lhes mostrem as chagas que lhes queimam a alma.
A minha mulher é, tal como o caro professor, uma dessas pessoas. A qualquer lado que chegue, ha sempre alguém que sem a conhecer, começa imediatamente a desenovelar o rosário das suas penas mais íntimas, algumas delas e ainda no domingo passado assisti a isso pessoalmente, enquanto tomávamos o pequeno almoço na pastelaria do costume, uma senhora que conhecemos de vista e que habitualmente cumprimentamos, sentou-se na nossa mesa e em escassos segundos já confidenciava pormenores íntimos da sua vida, chegou até a referir, que iria revelar um assunto que nunca tinha comentado com mais ninguem, nem mesmo com os familiares mais próximos. Mas tive uma agradável surpreza, porque a senhora, fez parte, com o marido, do núcleo duro de republicanos do Sobral de Monte Agraço (ou Agreste). E relatou-me em pormenor o ambiente dessa época, as personagens, as ideias e ideais, as reuniões clandestinas e as peripécias por que passaram.
Digo com frequência à minha mulher: trata mas é de abrir um consultório e por esse dom a render, sempre juntas o útil ao agradável, alivias as penas dos que te procurarem e sempre ganhas "algum".
Não sei o que é que ela pensa quando digo isto, mas tenho a certeza que boa coisa, não será.
;)

jotaC disse...

Muito lindo e sofrido; sem dúvida a transbordar sentimentos de humanidade, como deve ser...

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Caro Professor Massano Cardoso
Há existências e vidas muito sofridas e resignadas que nos devem ajudar a relativisar as nossas, tantas vezes, caprichosas e injustificadas queixas...

Suzana Toscano disse...

Mulheres de armas, tantas vezes sujeitas ao domínio da força bruta mas que não quebram, defendem os filhos e tocam para a frente, até poderem. Admirável, este seu relato, caro Massano cardoso, faz-nos falta ouvir estes casos com atenção, na verdade, se olharmos bem à nossa volta, há imensos, nós é que nem temos temos de reparar. Aproveitamos imenso do seu consultório e do seu dom de ouvir e de saber contar.