Número total de visualizações de página

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

A solidariedade europeia

Os Gregos já receberam 380 mil milhões de euros nos dois pacotes de ajuda financeira. Agora mesmo, e enquanto decorrem as negociações com a Troyca, foi-lhes concedido um crédito extraordinário de mais 4 mil milhões de euros, para evitar a falência. 
Depois disto, ainda se diz que a Europa não é solidária. E que os grandes culpados são as políticas neoliberais e, inevitavelmente, a Senhora Merkel.

1 comentário:

Suzana Toscano disse...

Caro Pinho Cardão, não me parece que se possa falar de "solidariedade" neste ãmbito, aí está uma palavra que nunca compreendi aplicada à União Europeia e Monetária e ao que se pretendia que viesse a ser. Quando tudo corria "bem" ou seja, quando cada país vivia com o euro, ao valor que tinha, aguentava a abertura dos mercados estivesse ou não preparado, cumpria as regras de produção, incluido do volume das maçãs e da curvatura das bananas, recorria ao crédito desenfreado porque era assim que se devia fazer para haver bons hospitais, boas escolas, tudo o que era preciso para se ser "competitivo" nos termos europeus, e a Alemanha a vender, os bancos a fiar, todos a ganhar o que era impossível que existisse. Não lhe chame solidariedade, por favor, seja à Grécia seja a nós ou à Irlanda, não acredito, o que haverá, se e enquanto houver, é negócio (no sentido de que todos podem ganhar alguma coisa), fora disso haverá miséria para uns, fortuna para outros, como sempre, a Grécia é importante para a Europa ou não teria sido admitida como foi.A solidariedade é entre pessoas, entre países há interesses, o que não é mal nenhum desde que os percebamos.