Número total de visualizações de página

terça-feira, 7 de maio de 2013

Uf!, esta já passámos

Não deixa de ser suprpreendente a “ansiedade” e as “angústias” largamente difundidas através da comunicação social por causa da realização do exame do 4º ano do ensino básico. Concorde-se ou não com estes exames, veja-se ou não as suas virtudes ou inconvenientes, o facto é que é quase ridícula a tensão que se quis criar à volta deste “dia” para as crianças, para os pais, para as escolas. Mas os testemunhos que ouvi hoje de manhã centravam-se sobretudo na “instabilidade emocional” criada aos garotos, as dificuldades dos pais em lidar com isso, ouvi até que houve um acesso significativo de pais aflitos aos serviços de psicologia das escolas, prevenindo o trauma que esta “prova” estaria a criar nas suas crianças. Outro argumento era o dramatismo da possível necessidade de a prova ter que se realizar numa escola diferente, tirando os alunos da sua “zona de conforto”, enfim, um obstáculo penoso e, ao que parece, difícil de lidar em condições normais. Fico pasmada e preocupada, será que os jovens pais não estão preparados para acompanhar os seus filhos nestas pequenas dificuldades? Um dos miúdos “entrevistados” respondeu, sacudido, que “isto até parece um regime militar”, certamente repetindo alguma frase que ouviu lá em casa. Outra garota, muito assumida, disse “é para aprendermos a ser responsáveis, acho que é isso”, além de muitos comentários todos na linha da “dificuldade” e riscos da situação e das consequências traumáticas nos pequenitos. Talvez nos tenhamos mesmo instalado numa lógica de saturação, de já nem querer parar um segundo para pensar, pois qual é a ameaça que estes exames podem ter para as crianças que os vão realizar, qual é a comparação com os “temíveis” exames de há meio século? Já nos esquecemos de que nessa época estas provas eram eliminatórias, que para muitos era o fim da linha educativa, que se “chumbassem” deixavam a escola e mais nada, ou lá repetiam penosamente, mostrando que não tinham “queda para o estudo”? Não há comparação possível, peço desculpa, não entendo como é que invocam os “tempos antigos” quando a escola de hoje, felizmente,  não tem qualquer semelhança, nem o modo como se encaram estas provas, nem a exigência e severidade dos pais  e mestres de então, quando a “4ª classe” era realmente uma barreira importante? Esperava-se confusão, talvez até dramas, não sei bem porquê, de modo que a notícia do fim de dia é que “tinha corrido tudo com tranquilidade” uf!, esta prova já passámos!

13 comentários:

Pinho Cardão disse...

Um bando de mentecaptos que a comunicação social activamente promove e ajuda a espalhar.

Margarida Corrêa de Aguiar disse...

Suzana
A resistência à mudança é brutal, a começar pela comunicação social que aproveita qualquer novidade para incitar ao descontentamento, explorar comportamentos e emoções, criar um melodrama, enfim prestar um péssimo serviço. Há também um aproveitamento do clima “político” negativo, disparando indiferenciadamente sobre o que é bom e o que é mau.

Luis Moreira disse...

Com educadores que fazem política com os educandos chegamos onde?

Gonçalo disse...

Totalmente de acordo. Não há qualquer problema nos exames que avaliam aquilo que podem avaliar e nada mais. Valem 25% e só tenho uma nota de discordância: os alunos deveriam ser mantidos nas suas escolas e na sua sala, rodando os professores de uma escola para outra e não o contrário (os alunos).

José Couto Nogueira disse...

Já era tempo de acabar com o disparate que tem sido a educação nesta República. Criou-se a ideia, vinda não sei de onde, que democracia quer dizer ensino sem stress quando as maiores democracias do mundo e sobretudo as melhores, têm exames dificílimos e uma grande exigência nas escolas. Em Portugal, por uma aberração qualquer, o ensino "moderno", isto é, relaxado e confuso, tornou-se uma bandeira da esquerda, e o ensino disciplinado uma bandeira da direita. As crianças precisam de ter dificuldades e stress (controlados,claro) para enfrentar a vida, além de que as memorizações que foram abolidas (tabuada, por exemplo) ajudam a desenvolver o raciocíneo. Isto para não falar na disciplina nas escolas...

Bartolomeu disse...

Srª Drª Suzana, permita-me que discorde neste ponto: ... qual é a comparação com os “temíveis” exames de há meio século? Já nos esquecemos de que nessa época estas provas eram eliminatórias, que para muitos era o fim da linha educativa, que se “chumbassem” deixavam a escola e mais nada...
Este "mais nada", hà meio-século, representava para muitos o início de uma carreira profissional. Era a altura em que os pais diziam e cumpriam a "ameaça" se não estudas, vais aprender um ofício.
E íam. Não ficavam pelas esquinas a fumar umas passas ou a beber umas "jolas" e a mandar sms's pelo telemóvel. Geralmente, ingressavam numa oficina de carpintaria, de electricista, de mecânica, de metalurgia e daí saíam muitas vezes com uma tarimba que lhes permitia ingressar nos quadros de grandes emprezas, ou, e ainda emigrar, destacando-se pelas aptidões que possuíam nos países que os recebiam.
Hoje... nem pau, nem pedra, antes pelo contrário.

jotaC disse...

A minha primeira reação a tudo o que li sobre esta questão deixou-me confuso, sem saber para que lado cair, porque:

1.Concordo com os dizem ser importante para a formação dos miúdos estas aferições;

2.Concordo também com os que dizem ser um retrocesso no sentido em que se pretende formatar os miúdos para procederem como à 50 anos atrás, quando a realidade se transformou completamente…

Posto isto, achei uma pergunta muito interessante que mereceu uma primeira reacção negativa mas depois de matutar concluí que estava muito bem e só por isso passei a pender mais para um dos lados, assim,

Questão:

Um pescador saiu para a faina. Pescou 20 sardinhas, 34 carapaus e 7 robalos. Quantos irmão tem o pescador?

Resposta:?

(Quando souberem digam-me. Li que um miúdo pelo menos respondeu muito bem!) :)

jotaC disse...

PS: Eu não li o enunciado, estou a relatar o que um amigo me contou e acredito. Portanto presumo que a pergunta exista mesmo.

Suzana Toscano disse...

Caro Bartolomeu, é precisamente isso, ainda me lembrei de o referir, a velha frase "se chumbares vais para a loja, ou para a costura" e não era ameaça, era simplesmente a consequência, infelizmente também para muitos que podiam muito bem continuar a estudar mas que os apis "não tinham posses" e, passado o exame da 4ª classe, acabava o luxo dos estudos. Muita coisa mudou, e ainda bem,por isso mesmo os velhos fantasmas não são para aqui chamados, só por má fé, já que ignorância não é de certeza pois esta geração de pais é a mais qualificada de sempre!

Bartolomeu disse...

No entanto, Srª Drª Suzana, tenho a insensata sensação, que este superavit qualitativo que a geração actual de pais parece possuir, nada lhes acrescenta, em matéria de clareza de análise e de leitura dos tempos presentes.

jotaC disse...

Reporto-me ao meu comentário de ontem (apesar de, aparentemente, não ter despertado interesse aos caros comentadores), para justificar a razão de o ter trazido novamente à coação.

Ao que parece a resolução do problema está na adivinhação. Mas, o que me despertou interesse foi esta forma inovadora de colocar questões. Alguém se lembra de um exame do "antigamente" conter uma pergunta sem solução!?

Pois não!. Do que eu me lembro é que todas as perguntas tinham sempre uma solução; quando nos perguntavam como correu a prova, dizíamos:- Respondi a tudo, sendo que neste tudo não cabia “não tem solução”...

Ora digam-me lá se não é uma forma inovadora de testar o conhecimento dos alunos!? Claro que é.
Adorei.

James Harry disse...

Olá, eu sou o Sr. James Harry um emprestador do empréstimo privado e eu estou aqui para fazer seus sonhos de conseguir um empréstimo se tornar realidade. Você precisa de um empréstimo urgente? Você precisa de um empréstimo para pagar suas dívidas? Você precisa de um empréstimo para provavelmente expandir o seu negócio ou iniciar seu próprio negócio, então estamos aqui para você com um empréstimo de baixas taxas de juro tão baixo como 3% e você pode obter um empréstimo de US $ 1.000 a US $ 100.000.000,00 e uma duração máxima de empréstimo de até 50 anos. Então, entre em contato conosco agora via e-mail jamesharryloanfirm@yahoo.com para mais informações sobre o empréstimo. Aguardo a sua resposta amável,
James Harry.

Mrs Laura Smith disse...

Oi, meu nome é Daniela Rodriguez de Portugal eu só quero que todo mundo que está realmente à procura de um empréstimo de saber que ainda há uma empresa de empréstimo que você pode confiar, eu tenho procurado para uma empresa de empréstimo do empréstimo real e legítima desde o ano 2014 e todos desta vez eu tenho sido enganado incontável de tempo até que um amigo me contou sobre uma empresa chamada Laura Smith empréstimo empresa no início, era difícil de acreditar, mas eu só decidiu avançar e com a forma como o (MD) falou comigo, não que i estava totalmente convencido, mas eu decidi dar-lhe uma tentativa e quando ele trouxe a questão de uma taxa i quase fugiu, mas eu a coragem de pagar a taxa única de que imediatamente foi pago eu tenho o meu empréstimo de € 40.000 em fevereiro 2016 em minha conta foi realmente um sonho para mim e minha família e hoje todos os agradecimentos à senhora deputada Laura Smith empréstimo empresa e Deus eu posso sorrir de novo, eu recomendo esta empresa a todos aqueles que foram enganados e também os que não foram enganado porque eles são confiáveis ​​e confiável. No caso de você precisa saber mais, o e-mail da empresa é {mrslaurasmithloanfirm@hotmail.com} E-mail-los hoje e você será feliz que você fez.

Daniela Rodriguez