Número total de visualizações de página

quinta-feira, 2 de maio de 2013

Uma luzinha na economia real

A produção das fábricas portuguesas subiu 0,8% em Março. Trata-se do primeiro aumento homólogo desde há um ano, significando uma recuperação da indústria nacional. 
Trata-se de uma boa notícia. E, sobretudo, de um excelente facto económico. 
Segundo os parâmetros habituais, rapidamente o PS negará tudo e o seu contrário.

10 comentários:

Tonibler disse...

O PS dirá que é um erro estar a crescer-se dessa forma na produção industrial porque vai afectar o decréscimo das importações em energia.

Pedro disse...

É obvio que um crescimento só pode ser bom, e algo deveras positivo.


Já a representatividade dos "0,8%" é que já não serão tão unanimes.

Se "1%" de desvio nas previsões do VC são desprezaveis e naturais...

Se desvios de deficits e PIBS muito superiores a "0,8%" sempre são considerados por muitos como algo natural e que não "mancha o caminho de sucesso" destes Governantes.

então, parece-me que uns "0,8%" terão a mesmissima "desprizibilidade" ...


(mas no meu caso concreto, fiquei aborrecido com os desvios no deficit e pibs e afins...motivo pelo qual agora os "0,8%" tambem são para mim um valido motivo de positividade! )

Paulo Pereira disse...

CAROS :

"O índice de produção industrial egistou um aumento de 0,8% em março, em termos homólogos (-1,1% eM fevereiro), enquanto o índice da secção das Indústrias Transformadoras apresentou uma variação homóloga de -2,4% (-3,6% no mês anterior). "

O que se passa é que os preços da energia aumentaram e as importações diminuiram, mas as vendas a retalho totais baixaram 6%.

Ou seja , mantêm-se a recessão com a divida a subir.

Bartolomeu disse...

Tudo depende de que partido se encontra no governo quando as taxas são apresentadas.
Como quando lá está o PS, não está o PSD e vice-versa, uns dias, 0,8% significa uma miséria desprezível, outros dias, a mesma taxa traduz uma recuperação da indústria nacional.

Carlos Sério disse...

"Segundo o INE, para a subida homóloga de Março contribuiu o agrupamento de energia, que aumentou 4,5%. Sem o contributo deste agrupamento, a variação homóloga do índice de produção industrial foi negativa em 4,3%".

O S.Pedro foi nosso amigo.

Carlos Monteiro disse...

0.8?

'tamos safos!

Tavares Moreira disse...

Caro Pinho Cardão,

Esse Guia do Crescimentismo está muito mal estudado, muito mal estudado, mesmo...então o meu Amigo não sabe que com estas políticas jamais será possível qualquer evolução positiva da economia (mesmo que verificada, referificada e treferificada estatisticamente)?

Pinho Cardão disse...

Enfim, mas pela amostra, o pessoal não é dado a aceitar!...

Bartolomeu disse...

Pelo contrário, Sr. Dr. Pinho Cardão; o "pessoal" está ansioso de ver surgir sinais concretos, claros e consistentes de recuperação.
Mas como é evidente, os "sinais" que vão surgindo avulso, não passam de foguetes que anunciam o início da procissão, só que... nem sinais do andor, apesar de todos os sermões ilusórios que o padre e seus acólitos, vão debitando.
Vai ver que na realidade, a culpa não é do padre, nem do santo, nem dos cfrentes, mas sim dos agnósticos... essa escumalha indecente que não consegue identificar e seguir os absolutos sinais que do alto lhes tombam sobre os crâneos em catadupas...
Gentinha ignota!
"Coisados" e entregues ao governo, ainda era pouco...

Paulo Pereira disse...

Caro Pinho Cardão, não terá mais peso a queda de 6% nas vendas a retalho globais que um aumento do preço e da produção de energia ?

Será que o aumento do preço da energia não prejudicará as restantes industrias ?